Cidadeverde.com

MDB não decide sobre aliança e faz Wellington esperar


Representantes do MDB adiam anúncio de decisão sobre alioança com PT e fazem governador esperar mais um pouco

 

Não está inteiramente contornada a crise entre o MDB e o governador Wellington Dias (PT), depois de anunciado o veto ao nome do deputado Themístocles Filho para o lugar de vice. Tanto que a ideia de anunciar hoje a chapa completa não vai se materializar: o governador vai esperar primeiro o MDB de pronunciar sobre a nova composição da chapa majoritária, com Marcelo Castro representando o partido, e na disputa por uma vaga ao Senado.

Há importante descontentamento dentro do MDB, ainda que a maior parte aceite sem maiores discussões a mudança imposta pelo governador. O adiamento da decisão do partido tem dois objetivos. Primeiro, buscar um acordo que acomode a grande maioria dos emedebistas, inclusive Themístocles. A segunda, fazer um charme, se valorizar e dar um “castigo” no governador, que se vê obrigado a esperar.

Themístocles já anunciou que seu filho Marco Aurélio Sampaio será candidato a deputado federal. Essa decisão independe de acordo com o governo. Mas a candidatura de Marco Aurélio pode entrar no acordo na medida em que seja contemplada com redutos disponíveis, a começar por aqueles ligados ao ainda depiutado Marcelo Castro.

Segundo as informações dentro do MDB, esse apoio a Marco Aurélio seria um de três pontos de um entendimento que acalmaria Themístocles. Há dois outras condições, não reveladas nem pelo presidente da Assembleia nem por aliados mais próximos. As especulações apontam para um novo mandato na Assembleia ou mesmo uma vaga no TCE.

Themístomes ri das especulações. E segue em silêncio, sem dizer se aceita ou não um acordo. Daí, Wellington Dias fica esperando.
 

Até onde MDB incentiva Dr. Pessoa?

Desde ontem o deputado Dr. Pessoa (Solidariedade) é candidato a governador. O parlamentar diz que a decisão tem o estímulo do próprio partido, que viu perspectivas de sucesso diante da boa receptividade popular que vem recebendo. Ao dizer isso, nega que descontentes do MDB – Themístocles à frente – estejam por trás dessa mudança de plano.

O estímulo à candidatura de Dr. Pessoa é vista como um meio de quebrar o ultra favoritismo de Wellington Dias. Para a oposição, é um reforço e tanto na estratégia de fragmentar os votos e ampliar a possibilidade de um segundo turno. O governo sabe que essa possibilidade cresce. E se preocupa. A preocupação é maior diante de gestos de integrantes de partidos da base em mudar de lado.

Por isso mesmo, muitos enxergam a sombra da ala descontente do MDB no meio dessa nova candidatura.