Cidadeverde.com

Até Wellington amarra seu vagão no trem de Lula


Wellington Dias: campanha tenta fugir dos sustos atrelando ainda mais o nome do candidato ao ex-presidente Lula

 

O primeiro dia de propaganda eleitoral, ontem, mostrou que o PT – em especial no Nordeste – está jogando todas suas fichas em Lula. Faz isso pela estratégia de fortalecer o nome do próprio ex-presidente e, na sequência, o do seu substituto, Fernando Haddad. Também usa Lula para dar um patamar mais alto e, quem sabe, mais seguro aos postulantes do partido a cargos majoritários.

Até mesmo Wellington Dias, conhecidíssimo dos piauienses e em busca de um quarto mandato de governador, se vale de Lula. Até a vinheta com a marca do candidato traz o nome de Lula com faixa verde amarela que, com um efeito de computação gráfica, passa para o nome de Wellington. E tem mais: a primeira fala do “quadri-candidato” ao governo foi feita usando uma camisa em que dizia “Sou Lula”. Assim, direto.

Situações semelhantes estão se repetindo em outros estados, como no Rio Grande do Norte. Lula é maior que o PT e muito maior que a grande maioria dos candidatos petistas que buscam um posto eletivo.

No caso de Wellington, pode surpreender um pouco tanto Lula no lugar do candidato ao governo. Mas há mais de uma explicação. Aqui também Lula é maior que o PT e também maior que Wellington. Basta lembrar da última pesquisa Opinar, divulgada dia 15 de agosto: lula aparece com 68,02% de citações, contra 41,13% do candidato a governador (ver pesquisa e dados técnicos). São quase 27 pontos percentuais de diferença.

Além disso, vale lembrar que Wellington registrou movimentos de queda em sequência. O governador quer estancar logo essa tendência para baixo e naturalmente usou o patamar mais alto que dispõe: Lula. Essa estratégia tornou-se particularmente importante depois de umas quatro semanas terríveis para o governador do Piauí: a chapa pura que deu um chega prá lá em boa parte do MDB foi mau digerida dentro do partido aliado; teve a crise do Plamta; e também a greve dos professores. Para completar, apareceu a candidatura de Dr. Pessoa, que se apropria de um eleitorado popular em busca de alternativa mais esperançosa.

No Piauí, onde mais da metade das famílias integra a lista dos programas sociais federais, Lula é festejadíssimo. E os candidatos dos mais diversos partidos entram na onda. O nome do ex-presidente também cala fundo nesse eleitorado que passou a ter Dr. Pessoa como uma possibilidade.

Também por isso Wellington amarra seu vagão no trem de Lula.
 

PT terá 10 dias para confirmar Haddad

O PT ainda vai tentar recursos que assegurem Lula na propaganda eleitoral, e na condição de candidato. Mas o que está valendo, no momento, é a decisão do TSE: Lula não pode ser candidato já que condenado em segunda instância e inelegível pela condição de “ficha suja”. Segundo a decisão já definida nesta madrugada, o partido terá 10 dias para indicar o substituto.

A sigla vai se apegar às brechas da lei para manter o ex-presidente como candidato. Mas sabe que é tarefa quase impossível. E há muito tem o substituto, o ex-prefeito Fernando Haddad. Mas vai esperar até os 45 minutos do segundo tempo para fazer a troca. Quer tirar o que pode da imagem de Lula e tentar transferir a força de um à candidatura do outro.