Cidadeverde.com

Falta de chuva reduz em 20% expectativa de safra nos cerrados


Plantio de soja em Bom Jesus: à espera de chuvas para que as perdas na colheita não sejam maiores  (FOTO: Rafael Maschio)

 

A supersafra de grãos esperada para este ano nos cerrados piauienses já está comprometida em razão do veranico ocorrido desde meados de dezembro. No caso da soja, as perdas já são de 20% sobre a expectativa de colheita, quebra que pode piorar ainda mais caso não se verifiquem novas chuvas pelas próximas duas semanas. “Se não chover até o final da primeira quinzena de janeiro, as perdas podem chegar a 30%”, adverte Rafael Maschio, Diretor Executivo da Associação dos Produtores de Soja do Piauí (Aprosoja).

No ano passado, o Piauí colheu a maior safra da história. Isso foi possível graças a um regime de chuvas considerado quase perfeito, que gerou excelente produtividade: os produtores de soja colheram mais de 3,5 toneladas por hectare. Este ano as expectativas eram muito positivas. Não se esperava um novo recorde, mas uma excelente safra, já que a área plantada havia crescido em relação ao ano anterior, tanto na soja (a principal cultura dos cerrados piauienses), como no milho e algodão.

No caso da soja, o aumento de área foi de 5%, enquanto no milho o plantio cresceu mais de 10%. Isso tudo alimentava a esperança de outra supersafra. Mas a expectativa já está frustrada. Não chove na região desde o dia 10 de dezembro, o que comprometeu o desenvolvimento das plantas. No caso da soja, as perdas diminuem as expectativas em quase 500 mil toneladas.

Conforme dados da Associação, a área total com soja soma 730 mil hectares. Cerca de 60% da área são lavouras em estádios vegetativos (fase que vai até a floração), onde a falta de chuva já resultou em quebra de 15% sobre a colheita projetada. Os outros 40% são cultivos em estádios reprodutivos (com flor ou grão em fase de enchimento), onde a quebra chega a 30% – daí chegando a essa média de 20% nas perdas apenas entre produtores de soja.

As projeções iniciais da CONAB apontavam para uma colheita de 2,4 milhões de toneladas de soja. Depois do veranico, essa projeção é de 1,93 milhão de toneladas. Mas Rafael Maschio alerta: é preciso chover até o fim desta primeira quinzena do ano. Se não chove, as perceptivas ficam mais dramáticas e as perdas podem chegar a 30% sobre o projetado.

Em 2018, Piauí teve 2ª maior produtividade

O ano de 2018 foi um ano especial para a produção agrícola no Piauí. O estado conseguiu a maior safra de grãos da histórica: foram 4,4 milhões de toneladas, onde a soja representou a maior fatia (2,5 milhões de toneladas), seguida do milho (1,5 milhão). A colheita fabulosa foi resultado do regime chuvoso excepcional, que levou à 2ª maior produtividade do país.

Para se ter uma ideia, a produção de 3.200 quilos por hectares já é motivo de comemoração. No ano passado, os produtores de soja do Piauí colheram cerca de 3.540 quilos por hectares. No início de dezembro, os produtores estavam quase eufóricos, diante do aumento de área plantada e das chuvas, até então em bom ritmo.

O humor de São Pedro mudou, as chuvas escassearam desde 10 de dezembro e a projeção de safra ficou 20% menor que a prevista. E convém não fustigar São Pedro, porque pode ser pior.