Cidadeverde.com

Agora é ‘Cinzas’. O ano vai enfim começar?


Jair Bolsonaro, em evento no Planalto: à frente de um governo que ainda bate cabeça e gera dúvidas (FOTO: Planalto /  Divulgação)

 

O ditado, tristemente revelador da morosidade e do excessivo relaxamento de uma boa parte do Brasil, é conhecido e repetido praticamente todos os anos: aqui, na Terra de Macunaíma, o ano só começa depois do carnaval. Neste 2019, no entanto, a frase parece ter força de lei. O ano não começou. Nem no plano nacional. Nem no âmbito estadual.

No cenário nacional, o governo ainda tenta encontrar um caminho. Os mandachuvas do Planalto batem cabeça, seguem em rumos discrepantes e falta confiança sobre os passos futuros. Um reflexo dessa situação é reforma da Previdência, que chegou ao Congresso com um formato que teve no presidente Jair Bolsonaro seu primeiro desqualificador.

O texto da reforma estabelecia 62 anos como a idade mínima de aposentadoria para a mulher. Pois o presidente disse que pode ser 60. Assim. Sem nenhum tipo de negociação. Simplesmente cedeu, para desespero da equipe econômica e perplexidade dos líderes políticos no Congresso.

Aqui no cenário local, o governo faz tudo para não começar o quarto mandato de Wellington Dias. A reforma administrativa proposta pelo Executivo chegou à Assembleia com reações a alguns pontos, como o congelamento dos salários. Com um detalhe: a reação maior foi da base governista, que levou o governador a retirar a mensagem que tratava desse tema.

Ao mesmo tempo, partidos da base avisam: só votam a reforma se houver antes a partilha dos cargos. Wellington se faz de mouco. Não tem pressa, tanto que sequer pediu regime de urgência para a tramitação da reforma. Prefere deixar para depois as definições sobre cargos de confiança, boa parte sem ocupante desde o início do ano.

Isso tudo significa menos gastos. E gastar menos é tudo o que o governo deseja e precisa, em meio a crise financeira sem precedentes nas útlimas três décadas. Daí, deixar a reforma para depois é manter esses cargos ociosos e os gastos em menor medida.

Resta saber até quando o governador vai conseguir empurrar com a barriga, ante a pressão nada sutil dos aliados.

Seja como for, a quarta-feira de Cinza, que assinala o fim do carnaval, costumava ser vista como o início real do ano. Este ano parece que é diferente, tanto em Brasília como em Teresina. E se 1968 é sempre lembrado como o ano que não acabou, 2019 – pelo menos até agora – vai se firmando como o ano que não começou.