Cidadeverde.com

Picos já coloca outra vez PT e PP em confronto

Foto Divulgação / Prefeitura de Picos

Padre Walmir Lima: cada vez mais próximo de Araujinho, o prefeito de Picos estreita a relação com o grupo dos Eulálio


A eleição municipal promete colocar a cidade de Picos como um dos principais pontos de tensão política entre aliados de hoje que podem não ser mais a partir de 2020. De um lado está o PT de Wellington Dias. De outro, o PP de Ciro Nogueira. E a tensão já verificada em 2016 deve ser ainda maior no próximo ano, já que as duas siglas caminham para rumos diferentes, com antecipação de um confronto que implica no envolvimento de outros grupos políticos.

Em 2016, o atual prefeito Walmir Lima (PT) recebeu o escancarado apoio do governador Wellington Dias, o que gerou reclamações de Ciro Nogueira, aliado do derrotado Gil Paraibano (PP). Segundo Ciro, havia um acordo de não envolvimento explícito, o que teria sido descumprido. A consequência foi um nariz torcido, que no próximo ano só não ocorrerá porque a distância entre as duas partes deve ficar clara desde já.

A tendência é que Padre Walmir Lima, que se encaminha para encerrar o segundo mandato, mantenha a aliança com o grupo liderado por Severo Eulálio (MDB), personificado na figura do empresário Antonio Costa Araújo Filho, o Araujinho. O empresário, antes arredio à ideia de ser candidato, mudou de postura e já acompanha o prefeito em eventos oficiais. Está no jogo pra valer.

Por outro lado, o grupo de Gil Paraibano se aproxima da ala liderada pelo deputado Nerinho (PTB). A expectativa era que Gil fosse o candidato, mas há a possibilidade do indicado ser do grupo de Nerinho, mais precisamente o empresário Getúlio Alves de Carvalho. Getúlio vem a ser irmão do atual vice-prefeito de Picos, Edilson Carvalho, e o do vereador Chaguinha.
 

Eleição municipal como prévia de 2022

As eleições municipais são sempre vistas como uma prévia da disputa geral. É quando cada grupo político tenta somar musculatura (traduzida em número de prefeitos e vereadores) para a disputa seguinte. O embate em Picos entre PP e PT pode ser visto como a prévia de um confronto já desenhado desde o ano passado, na perspectiva da sucessão de Wellington Dias.

São cada vez mais fortes as diferenças entre petistas e progressistas – ou entre Wellington Dias e Ciro Nogueira. A disputa direta entre os dois grupos significa a tentativa de fortalecimento de um com o enfraquecimento do outro. O raciocínio é igual de parte a parte: o PT vai querer crescer enfraquecendo o PP, ao mesmo tempo que o PP pretende ganhar mais força tirando musculatura do PT.