Cidadeverde.com

Na quarentena, aumentam golpes por internet. Confira dicas para evitar

Em tempos de pandemia, os golpistas não entram de quarentena e ampliam seu modo de ação, especialmente pela internet – o espaço que restou para boa parte da população permanecer conectada com a vida normal. Como a internet virou área de risco, o Serasa Consumidor está alertando para os riscos que a web traz para cada um. E oferece dicas de como evitar os golpes. São seis dicas espefícicas, que chamam atenção especialmente para os golpistas que se aproximam com argumentos para sensibilizar a enganar pessoas.

As notícias falsas são um instrumento usado pelos golpistas, com enormes prejuízos para o consumidor. "Além de gerar pânico e alienar a população sobre os reais problemas da doença, as fakes news podem ter graves consequências financeiras. Os criminosos da internet aproveitam a curiosidade do público sobre esse assunto tão importante para roubar dados e, assim, aplicar golpes que podem causar sérios prejuízos na sua conta bancária", explica Joyce Carla, do Serasa. 
 

Fique atento às 6 dicas

Confira as 6 dicas do Serasa que podem ajudar o consumidor a evitar os golpes na internet.
1 - WhatsApp não é jornal: o que chega pelas redes sociais não é sinônimo de verdade. Daí, a primeira dica é buscar informações por fontes seguras.
2 - Sempre checar as fontes: a dúvida é importante aliada nessa época de muita informação alarmista. Daí, checar a informação é fundamental. Confira se a informação saiu em outros lugares confiáveis. “Se o conteúdo estiver em apenas um lugar, é mau sinal”, ensina o Serasa.
3 - Não compartilhe seus dados: essa dica parece básica, mas deve ser reforçada em crises como essa. Nunca compartilhe seu RG, CPF, dados bancários e informações de cartão sem necessidade.
4 - Desconfie de links de doação: os criminosos da internet têm muita criatividade e podem se aproveitar da boa vontade do consumidor nesse momento tão difícil. As doações são a principal forma de atrair internautas para links e sites perigosos.
5 - Não baixe aplicativos desconhecidos: multiplicam-se os links para falsos aplicativos sobre COVID-19. Um deles é o COVID19Tracker, que promete mapas e orientações. A dica é óbvia: não clique em links desconhecidos para baixar aplicativos.
6 - Monitore seu CPF: Com todas essas ameaças nos grupos, sites duvidosos e links compartilhados, é ideal estar sempre atento aos seus dados. Monitore especialmente o seu CPF, através de mecanismos (como no próprio Serasa) que informam toda vez que o seu CPF for usado.

HUT já tem mais de 100 profissionais de saúde afastados

Foto: Roberta Aline / Cidadeverde.com

Hospital de Urgência de Teresina: corpo funcional reduzido em mais de 5% por conta do coronavírus


Mais de 100 profissionais do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) se afastaram das atividades, desde que começou o esforço concentrado para o combate ao novo coronavírus e seus efeitos. A maior parte dos afastamentos atende aos cuidados para grupos específicos, como maiores de 60 anos, portadores de doenças que reduzem a imunidade, gestantes e lactantes. Mas casos de pedidos de licenciamento direto. Esse número corresponde a mais de 5% de todo o contingente funcional do HUT, que conta com cerca de 2.000 colaboradores.

Desse total, ainda não há nenhum caso afastado por apresentação de sintomas condizentes com o coronavírus. Esse tipo de ocorrência está sendo verificada em outras áreas do país. Na cidade de São Paulo, por exemplo, apenas o hospital Albert Einstein teve 350 profissionais (2% de todo o seu contingente) afastados pela apresentação de sintomas – sendo que mais da metade já teve o diagnóstico confirmado e cerca de 50 ainda aguardam resultado dos exames. O Hospital das Clínicas afastou 125 com sintomas, o Sírio Libanês já confirmou a infecção de 102 funcionários e a rede de saúde do município contabiliza 1.100 profissionais afastados.

No caso do HUT, o afastamento de mais de 5% do corpo funcional gera preocupação. O diretor do hospital, Rodrigo Martins, confirmou o grande número de afastamentos. “Estamos em uma situação em que precisamos esforços somados, não subtraídos”, lamenta o diretor da unidade de saúde. Ele lembra que, em situações normais, o HUT já não trabalho com folga, especialmente pela pressão de pacientes de outros municípios. Essa pressão tende a crescer muito com a pandemia do coronavírus, e a diminuição de pessoal torna-se um complicador a mais.

Para se ter uma ideia, somente em um único setor do HUT, ontem foram registrados cinco afastamentos, todos de lactantes ou gestantes – grupo que recebe atenção especial nesse período de pandemia.
 

Afastamentos também na rede básica

O quadro de redução de pessoal registrado no Hospital de Urgência de Teresina não é um caso isolado: os afastamentos também estão sendo registrados na rede básica, nas unidades de entradas nos bairros. Nessas unidades, o comportamento é semelhante ao verificado no HUT. Se a média prevalecer, o número de afastados pode ser multiplicado por quatro. O detalhe é que o HUT, com 2.000 funcionários, responde por menos de 20% dos 11 mil servidores da Fundação Municipal de Saúde.

Desse total de servidores da FMS, uma parte está no setor de apoio administrativo. Mas pelo menos 8.000 funcionários estariam atuando diretamente na rede de atenção. Se a proporção de afastamento verificada no HUT for observada nas outras unidades, o sistema municipal de saúdeteria hoje mais de 400 servidores fora de suas atividades. Essa diferença é um complicar para o bom atendimento, já que a demanda tende a aumentar vertiginosamente.

Ministério Público Federal mantém produtividade, mesmo em teletrabalho

O regime de teletrabalho, que ganhou quase força de lei no período de quarentena por conta do coronavírus, não está comprometendo o desempenho das atribuições no Ministério Público Federal (MPF). Pelo menos é o que aponta levantamento feito pela Corregedoria Nacional do MPF, que divulgou ontem dados do acompanhamento que faz do trabalho remoto. Desde 19 de março, quando se estabeleceu o teletrabalho na instituição, a produtividade foi mantida. Desde então, foram mais de 154 mil manifestações em todo o país, sendo 63.920 em feitos judiciais e 90.725 em medidas extrajudiciais.

O levantamento aponta que, nesse período, entre as petições enviadas à Justiça pelo MPF estão 497 denúncias, 43 ações civis públicas, 20 ações de improbidade administrativa, 30 requerimentos de prisão temporária e 23 ações cautelares. Também foram apresentadas 264 alegações finais, bem como 106 recursos especiais e 47 recursos extraordinários – onde estão ações relacionadas ao enfrentamento da covid-19.

O acompanhamento feito pela Corregedoria do MPF acentua que as Câmaras temáticas mantêm suas atividades em dia por meio do trabalho remoto de membros e servidores. Nesse sentido, os órgãos de coordenação e revisão têm trabalhado para alinhar a atuação de procuradores da República de todo o país frente à pandemia do novo coronavírus. Um dos focos de atuação no período foi intuito de garantir o fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) a todos os profissionais da área de saúde.
 

Ação coordenada nos três níveis

O combate à pandemia concentrou a maior parte dos esforços do Ministério Público Federal, desde o dia 19 de março. Conforme o acompanhamento realizado no período, a estratégia principal foi de levar adiante um trabalho coordenado envolvendo os três níveis de atuação. Um dos destaques foi a autorização pelo Supremo Tribunal Federal, a pedido da PGR, de realocação de R$ 1,6 bilhão pago pela Petrobras em decorrência de acordo firmado com autoridades norte-americanas para financiar ações de prevenção e combate à pandemia da covid-19.

Com o mesmo objetivo, a PGR solicitou ao Supremo que determine o perdimento, em favor da União, de R$ 51 milhões – apreendidos em um apartamento em Salvador (BA) – vinculados ao ex-ministro Geddel Vieira Lima e ao irmão dele, Lúcio Vieira Lima, condenados pela prática dos crimes de associação criminosa e lavagem de dinheiro. Em outra decisão, o Superior Tribunal de Justiça determinou que todos os valores depositados judicialmente pelo colaborar Daniel Gomes da Silva – cerca de R$ 3 milhões – , investigado na Operação Calvário, também fossem destinados ao Ministério da Saúde.

TJ do Piauí repassa R$ 500 mil para Estado combater Covid-19

Foto Divulgação / Tribunal de Justiça

Desembargador Sebastião Martins: valores de prestações pecuniárias destinados à luta contra o coronavírus


O Tribunal de Justiça do Piauí vai repassar nos próximos dias, à Secretaria de Saúde do Estado, mais R$ 405 mil para combater o Covid-19, doença resultante da infecção com o novo coronavirus e que até ontem já tinha causado quatro mortes no Estado. Esse valor se junta a outros R$ 98 mil já repassados pelo TJ na semana passada, o que eleva a mais de meio milhão de Reais o aporte do Judiciário piauiense às ações contra o Covid-19.

Os recursos são oriundos de prestações pecuniárias, transações penais e de suspensão condicional do processo. O repasse é autorizado pela resolução 313/2020 do Conselho Nacional de Justiça, que estabelece procedimentos no Judiciário a respeito da pandemia. O presidente do TJ, desembargador Sebastião Martins, ressaltou que esses recursos fazem parte do esforço do Judiciário de ajudar nesse momento crucial. Ele disse ainda que está sendo feito um levantamento em todo o Estado para contabilização de mais recursos provenientes de prestações pecuniárias e multas.

Os recursos já repassados até agora têm a seguinte origem:
R$ 98 mil: valores provenientes da 2ª Vara de Execução Penal de Teresina. Os recursos foram transferidos para a Secretaria de Saúde no dia 24.
R$ 405 mil: esse montante é proveniente de Parnaíba, com três fontes diversas. Do Juizado, estão sendo contabilizados R$ 267.136,37; da Primeira Vara Criminal, outros R$ 105.489,67; e da Segunda Vara Criminal, mais R$ 32.719,83.

O Tribunal de Justiça deve seguir com ações de apoio à luta contra o coronavírus. Além de Teresina e Parnaíba, outras comarcas deverão participar desse esforço com recursos que tenham as mesmas fontes.

Mundo projeta ‘pacote econômico’ de R$ 100 trilhões

A crise econômica que se espalhou pelo mundo junto com o coronavírus está ajudando a tirar o sono do planeta. A possibilidade de recessão é quase global – alcançando mesmo economias robustas como as da Alemanha e Estados Unidos. Nesse cenário, as ações de natureza sanitária passam a ter a companhia da preocupação com a reativação da economia, visando atenuar os efeitos desastrosos do coconavírus. O que se espera agora é um “pacotaço” de medidas que podem somar cerca de US$ 20 trilhões (cerca de R$ 100 trilhões).

Nesse pacotaço, cada país pede seu conjunto particular de ações. No Brasil, a cobrança é por um conjunto de obras estruturantes. O ministro Paulo Guedes já disse que o aporte de recursos contra a crise econômica chegará a R$ 750 bilhões. O governo acha de bom tamanho, mas há quem peçao dobro, como uma boa parte dos governadores. Ou seja, R$ 1,5 trilhão, o que corresponderia a cerca de US$ 300 bilhões. Esse valor é bem distante do pacote aprovado nos Estados Unidos, da ordem de US$ 2,2 trilhões (ou R$ 11 trilhões).

Na Europa, o Banco Central Europeu fala em 1,1 trilhão de Euros (pouco mais de US$ 1,2 tri, ou R$ 6 tris). No Velho Mundo, a Alemanha é quem tem o pacote mais robusto, com aporte de 750 bilhões de Euros, seguida da Espanha (200 bilhões de Euros). França e Itália, até agora, acenaram com valores tímidos: 45 bilhões de Euros, cada.

Confira o que está previsto em alguns “pacote” programados.

Pacote Econômico ao redor do mundo
- Expectativa mundial                  20 trilhões de dólares.
- Estados Unidos                         2,2 trilhões de dólares.
- Zona do Euro                            1,2 trilhão de dólares.
- Alemanha                                  850 bilhões de dólares.
- Espanha                                    225 bilhões de dólares.
- Brasil                                         750 bilhões (150 milhões de dólares).

O Pacote Econômico dos Estados Unidos
- Pessoas carentes                     cheque de 1.200 dólares por pessoa em situação vulnerável.
- Seguro desemprego                 alcance de 3,3 milhões de pessoas.
- Apoio a pequenas empresas    400 bilhões de dólares.
- Apoio a grandes empresas       500 bilhões de dólares.
- Suporte a hospitais                   100 bilhões de dólares.
- Pesquisas do Covid-19             30 bilhões de dólares.

56 anos do golpe: livro traz cartas para Jango guardadas por 40 anos

Foto Divulgação / Civilização Brasileira e Instituto João Goulart

Livro de Juremir Machado resgata cartas para João Goulart e revela o funcionamento da política brasileira

De 1964 até sua morte, em 2003, Wamba Guimarães guardou um valioso tesouro. Foram quatro décadas de segredo e cuidado. Isso porque quando o golpe de 31 de março – que hoje completa 56 anos – tomou conta do poder em Brasília, Wamba era oficial de gabinete da Presidência da República. Três dias depois da quartelada ele deixaria a capital federal carregando duas malas. Dentro, quase mil itens da correspondência do presidente João Goulart. Eram cartas, cartões, convites, relatórios, telegramas. Esse material precioso acaba de dar forma ao livro A Memória e o Guardião, de Juremir Machado.

Mas não é só um livro de correspondência. Não. Vai muito além, como tradução de um momento da vida nacional e revelação do modo de fazer política bem próprio do país, que mescla personalismo, clientelismo e oportunismo em um mesmo caldeirão. O livro ganha forma a partir dois 917 itens que Wanba Guimarães carregou nas duas malas, por tanto tempo guardadas no interior de São Paulo. Juremir Machado teve acesso aos documentos através do neto de Wamba, anos depois da morte do homem que vem a ser o Guardião do título do livro.

O texto é um tratado de cultura política brasileira. Mostra o clientelismo, na troca de favores por apoios políticos. Aí, tem até carga de Juscelino Kubitschek e de Magalhães Pinto agradecendo pelo atendimento a pedidos pessoais de aliados. Há os pedidos de anônimos, que desejam conhecer o presidente; ou apelos como o de uma garota de 14 anos que sonha com uma cirurgia para correção dos lábios. Tudo tradutor de uma relação política onde o ocupante do cargo de presidente é visto como o poder personificado e senhor pleno das ações que deveriam ser institucionais.

Ainda como tradutor da mistura entre o público e o privado, o livro traz carta de Janet Leigh, atriz de Hollywood que estrelou Psicose (de Alfred Hitchcock). Na correspondência – em papel timbrado do Copacabana Palace – ela agradece o avião (oficial) que Jango emprestara para o deslocamento da estrela. Há muito mais, e muitas revelações de importância histórica: a correspondência vai, entre trapaças e traições, dando pistas da construção do golpe que acabaria por tirar João Goulart do Planalto.

Ficha técnica
A MEMÓRIA E O GUARDIÃO
Em comunicação com o presidente da República: Relação, influência, reciprocidade e conspiração no governo João Goulart

Autor: Juremir Machado
Páginas: 364
Preço: R$59,90
Editora: Civilização Brasileira

Prefeitos do Extremo Sul pedem ao governador instalação de UTIs

Prefeitos do Território Chapada das Mangabeiras, que reúne 24 municípios do extremo sul do Estado do Piauí, encaminharam ofício ao governador Wellington Dias cobrando providências para a urgente instalação de UTIs na região. O Território das Mangabeiras e o Território Tabuleiros do Alto Parnaíba, que somam 40% de toda a área do Piauí, não têm uma única UTI. Esse dado é relembrado pelos prefeitos no ofício encaminhado ao Palácio do Karnak.

E dizem no documento: “É sabido por toda a população do extremo sul piauiense e por Vossa Excelência que as demandas mais complexas da área de saúde de nosso território são encaminhadas aos hospitais regionais de Bom Jesus e Corrente, polos de saúde que concentram grande parte do atendimento de média e alta complexidade dos municípios da região”.

Os prefeitos lembram ainda ao governador que o Ministério da Saúde está assegurando os recursos para instalação das UTIs. E acrescentam: “diante da complexidade pandêmica que vivemos, e em razão da ausência de leitos de UTI, seja ela adulto, infantil ou neonatal, em qualquer unidade de saúde dos municípios que compõem o Território Chapada das Mangabeiras, solicitamos de Vossa Excelência, medidas efetivas que criem condições de atendimento à população do Extremo Sul Piauiense, especialmente em relação aos pacientes graves que acorrerão aos hospitais da região, vítimas da Covid-19”.

O ofício é assinado pelos prefeitos de Alvorada do Gurguéia, Avelino Lopes, Bom Jesus, Corrente, Cristalândia, Cristino Castro, Curimatá, Currais, Eliseu Martins, Júlio Borges, Monte Alegre do Piauí, Morro Cabeça no Tempo, Palmeira do Piauí, Parnaguá, Redenção do Gurguéia, Riacho Frio, Santa Filomena, Santa Luz.

População confunde pesquisador do IBGE com telemarketing e não atende

Além de modificar seus métodos (de presencial para telefônico) em razão da pandemia do coronavírus, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vem enfrentando um  problema adicional na aplicação de suas pesquisas: os brasileiros não estão atendendo os pesquisasores – confundidos com telemarketing – ou simplesmente não têm paciência para responder o questionaria. As pesquisas do IBGE são fundamentais como termômetro da economia.

O levantamento do IPCA é uma pesquisas regulares realizadas pelo IBGE. Outra é a Pnad Contínua, que mede o emprego e a rende – ela diz, por exemplo, que 46,8 milhões de brasileiros têm direito a receber R$ 600 de auxílio como renda emergencial, o “coronavaucher”. Com a pandemia e a restrição de mobilidade, no entanto, o Instituto substituiu as coletas presenciais pelo levantamento realizado através de ligações telefônicas.  A mudança é uma forma de contribuir com o esforço contra o coronavírus, diz Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do órgão.

Na pesquisa atualmente realizada – de análise conjuntural –, o IBGE desenhou um questionário que dura cerca de 15 minutos para resposta por parte do cidadão que atender o telefone. As ligações começaram semana passada, mas o Instituto revela que os brasileiros não estão atendendo o telefone – e, em alguns casos, se atendem não vão até o fim do questionário. O comportamento pode levar ao comprometimento da pesquisa. Também cria problemas para o direcionamento de políticas públicas, já que as pesquisas são instrumentos para compreensão de cenários.
 

IBGE pede para população atender ligação

As pesquisas por telefone não são novidade para o IBGE. Alguns levantamentos – como a pesquisa de PMC (Comércio), PMS (Serviço) e PIM (Indústria) – já eram realizadas com a utilização do telefone. Mas no caso do IPCA e INPC, aí sim é novidade. Diante disso, os técnicos reduziram os módulos estruturais, enquanto algumas informações foram utilizadas dos meses anteriores. Mas, em qualquer caso, a colaboração da população é fundamental.

Nesse sentido, o IBGE está fazendo um apelo para que os brasileiros atendam as ligações dos pesquisadores. Para que não haja confusão com telemarketing, os agentes do Instituto se identificam adequadamente logo no início de cada chamada. A preocupação do IBGE é também ampliada pelos prazos: os dados referentes ao mês de março devem ser divulgados até o final de abril.

Com vôos suspensos, oferta de passagem cai 90% em Teresina

Acordo entre a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e as três principais companhias aéreas do país levou a uma drástica redução da oferta de vôos deste sábado. Em todo o Brasil, os destinos atendidos foram reduzidos em 56%, e o número de vôos caiu de 14.781 para 1.241 – redução superior a 90%. Em Teresina a mudança gerou impacto forte com a perda de ligação com quatro destinos. O número geral de passagens ofertadas a cada semana foi reduzido também em mais de 90%.

Pelo acordo da ANAC com as empresas aéreas, todas as capitais do país continuam com voos regulares, ainda que com periodicidade distinta. Além das capitais, outras 19 cidades seguem atendidas por voos de pelo uma das três companhias. Seis desses destinos estão no Nordeste: Ilhéus, Porto Seguro (Bahia), Petrolina (Pernambuco), Juazeiro do Norte (Ceará) e Imperatriz (Maranhão), além de Vila dos Remédios, em Fernando de Noronha. Cinco estados nordestinos passam a ser atendidos por apenas duas das três companhias: Piauí, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas e Sergipe.

No caso do aeroporto Petrônio Portella, em Teresina, a redução da oferta de passagens é drástica. Dos 11 voos existentes antes da crise do coronavírus, restam três, e todos com mudanças na periodicidade. Teresina passa a ter ligação aérea apenas com  Brasília e São Paulo. Perde, pelo menos temporariamente, os voos para Fortaleza, São Luís, Recife, Campinas e Parnaíba. A redução da oferta de passagens é de mais de 90%.

Esse cálculo é feito tendo em conta o número de voos semanais de antes e de agora, observando a capacidade de cada aeronave. Os voos da Gol utilizam, em geral, Boeing 737-800 (capacidade de 180 passageiros); a Latam usa em geral Airbus 320 ou 321 (também com configuração usal de 180 assentos); e a Azul se vale dos Embraer E195, na configuração de 120 passageiros (a configuração E195-2E tem 136 assentos). O voo da Azul para Parnaíba era semanal. Mas os demais cancelados eram em geral diários e, em casos como Brasília e Fortaleza, com mais de um voo por dia.

Confira o impacto das mudanças no movimento no aeroporto Petrônio Portella, de Teresina. 

Cartórios terão atendimento presencial para registro de imóveis

A partir desta segunda-feira, os cartórios do Piauí vão adotar um horário especial para serviços como o registro de imóveis, com atendimento presencial. A portaria estará no Diário Eletrônico do Tribunal de Justiça deste dia 30 de março. O documento, assinado neste domingo (29/03) pelo vice-corregedor do TJ, desembargador Oton Mário José Lustosa Torres, determina que “todos os serviços de registro de imóveis no Estado do Piauí operarão em atendimento presencial corrido”, no período de 9h às 14h.

A decisão reafirma o funcionamento dos cartórios com atividades reduzidas, tendo em conta o esforço de enfrentar o coronavírus. Logo no início, chama a atenção para a necessidade de seguir as diretrizes do Conselho Nacional de Justiça e também os decretos que forem editados no âmbito do Estado e dos Municípios. O documento ressalta, como norma geral, a possibilidade do “atendimento remoto através de meio telefônico, por aplicativo multiplataforma de mensagens instantâneas e chamadas de voz”.

O atendimento presencial, também como norma geral, é admissível em casos de urgência. Mas “o serviço público de registro de imóveis deve manter a continuidade, e o seu funcionamento é obrigatório”, segundo determinado pelo CNJ. A decisão da Vice-Corregedoria se adequa às normas gerais da Emergência de Saúde decorrente da pandemia do novo coronavírus e atende ainda à especificidade do setor de imóvel. Essa mudança era uma solicitação do setor da indústria da Construção Civil.

O segmento da construção está negociando com o poder público a flexibilização dos limites estabelecidos para o setor, tanto no decreto do Estado como no da Prefeitura de Teresina.
 

Limitações gerais seguem para cartórios

A autorização de atendimento presencial para o registro de imóveis flexibiliza um ponto das atividades dos cartórios. Mas, ainda que o registro imobiliário seja o de maior volume, os cartórios seguem com uma série de restrições no funcionamento. Nesse sentido, a decisão da Vice-Corregedoria do Tribunal de Justiça do Piauí orienta que os cartórios “deverão sempre obedecer às determinações e diretrizes expedidas pelas autoridades sanitárias” e “não será admitida, em qualquer hipótese, a aglomeração no interior da serventia”.

Os cartórios são orientados ainda quanto à existência de servidores que se enquadram nos grupos de risco ou que apresentem sintomas condizentes com a infecção pelo coronavírus. Tal registro deve levar à dispensa da “presença do referido empregado na serventia, confiando-lhe, se for o caso, a execução de tarefas por meio remoto”.

Posts anteriores