Cidadeverde.com

Dois Territórios de Desenvolvimento, 40% do Piauí, não têm UTI

Dois Territórios de Desenvolvimento que correspondem a quase 40% do território do Estado do Piauí têm uma dificuldade especial para enfrentar o coronavírus: a completa ausência de UTIs. Esses dois territórios, o da Chapada das Mangabeiras e do Tabuleiro do Alto Parnaíba, somam uma área de mais de 91.000 km2 e uma população próxima de 300 mil pessoas distribuída em 36 municípios. Prefeitos da região se preocupam com a situação, já que além da ausência de UTI, se deparam com a falta de equipamentos e treinamento de pessoal.

O Território da Chapada das Mangabeiras tem 24 municípios, onde Bom Jesus e Corrente são as cidades de referência. No caso do Tabuleiro do Alto Parnaíba, são outros 12 municípios, com Uruçuí como principal referência. “Há uma preocupação grande dos prefeitos nessa situação da pandemia do coronavírus. As condições disponíveis estão longe de ser adequadas”, diz o prefeito de Bom Jesus, Marcos Elvas.

O prefeito dá um exemplo: Bom Jesus recebeu dois kits para exame. “Se tivermos quatro suspeitos, já não teremos como atender a todos”, afirma. Ele cobra ainda a qualificação de pessoal especificamente para essa situação que ele vê como de extrema urgência. Os dois territórios cobrem toda a parte sul do Estado, a partir da linha dos municípios de Guadalupe, Jerumenha (ambos no Alto Parnaíba) e Elizeu Martins (a cidade mais a norte no território da Chapada das Mangabeiras).

A UTI mais próxima é a de Floriano: são 10 unidades de terapia intensiva. Mas, conforme Marcos Elvas, estão sempre lotadas mesmo não havendo situação de emergência.
 

Confira os dois Territórios de Desenvolvimento

Os dois territórios correspondem a dois quintos do Piauí. A área dos dois corresponde ao território de Portugal (92.000 km2) e a três Bélgicas (30.000 km2).
• Chapada das Mangabeiras: Tem uma área de 56.114 km2, segundo a Seplan. A população é de cerca de 200 mil pessoas. É formado por 24 municípios: Alvorada do Gurguéia, Avelino Lopes, Barreiras do Piauí, Bom Jesus, Colônia do Gurguéia, Corrente, Cristalândia do Piauí, Cristino Castro, Curimatá, Currais, Eliseu Martins, Gilbués, Júlio Borges, Manoel Emídio, Monte Alegre do Piauí, Morro Cabeça no Tempo, Palmeira do Piauí, Parnaguá, Redenção do Gurguéia, Riacho Frio, Santa Filomena, Santa Luz, São Gonçalo do Gurguéia e Sebastião Barros.  
• Tabuleiro do Alto Parnaíba: Tem área de 33.550 km2, conforme dados da Seplan. A população é de mais de 80 mil pessoas. É integrado por 12 municípios: Antônio Almeida, Baixa Grande do Ribeiro, Bertolínia, Canavieira, Guadalupe, Jerumenha, Landri Sales, Marcos Parente, Porto Alegre do Piauí, Ribeiro Gonçalves, Sebastião Leal e Uruçuí.

Medo do coronavírus esvazia atos da pré-campanha em Teresina

A semana que estava desenhada para ser a mais quente da pré-campanha pela prefeitura de Teresina se transformou em uma enorme demonstração de medo do coronavírus. O resultado foi o esvaziamento dos atos políticos, com cancelamento ou a radical transformação. Dos cinco atos principais marcados para esta semana, apenas um aconteceu como previsto. Os demais foram alterados, em geral com adiamento.

O ato que se manteve na agenda foi o do PSD, ontem, quando o partido apresentou o nome de Simone Pereira como pré-candidata à prefeitura municipal. Mas havia uma certa apreensão no ar, especialmente no contato com pessoas que tinham chegado de Brasília, a terceira cidade mais afetada do país (lá são 13 casos confirmados, atrás apenas de São Paulo e Rio). Mas o evento aconteceu. Os demais, tiveram que ser repensados.

O primeiro a mudar a agenda foi o PSDB, que hoje deveria apresentar Kleber Montezuma como candidato à prefeitura. O ato público se transformou em uma entrevista coletiva marcada para a próxima semana. Também o MDB, que faria festa para a filiação de Jeová Alencar, vai fazer um mero ato para a imprensa. Já o Solidariedade remarcou para o início de abril seu ato político marcado para quinta-feira. No caso do PSB, que filiaria Robert Rios na sexta-feira, adiou o ato para data ainda não definida.

PSB suspende ato e já são 3 eventos políticos impactados pelo coronavírus

A previsão de cinco eventos políticos relacionados às eleições deste ano em Teresina já foi reduzida a dois. Três já foram cancelados: os do PSDB, SD e PSB. O cancelamento mais recente foi o do PSB, que estava programado para a sexta-feira. O ato político tinha como ponto alto a filiação de Robert Rios à sigla socialista, onde desembarca com a missão de compor a chapa encabeçada pelo MDB, como vice de Dr. Pessoa.

Em nota, a Executiva estadual do PSB anunciou a suspensão do evento, que deverá ser marcado para uma nova data posteriormente. Com isso, o partido se junta ao Solidariedade (SD) e ao PSDB. O evento do Solidariedade estava marcado para quinta-feira, e agora deve acontecer somente no início de abril. Já o PSDB cancelou o ato popular que aconteceria amanhã, no Parque Piauí. O anúncio de Kleber Montezuma deve acontecer no dia 23, através de entrevista coletiva.

Já o PSD manteve o ato político de hoje, que aconteceu pela manhã, na Câmara de Vereadores. No ato, o partido anunciou que terá candidatura à prefeitura de Teresina: será Simone Pereira, atual ocupante da Secretaria Estadual de Agronegócios. No caso do MDB, está agendada para quinta-feira a filiação de Jeová Alencar ao partido. Pelo menos por enquanto, o evento está confirmado.

Assembleia vai limitar atividades e suspender audiências públicas

A Assembleia Legislativa do Piauí vai estabelecer limitações para o funcionamento da instituição, dentro das medidas preventivas diante da pandemia do coronavírus. O ato regulador será publicado até o final da tarde. O presidente do Legislativo estadual, deputado Themístocles Filho, vem mantendo reuniões com especialistas em saúde e com assessoria jurídica para finalizar os termos do ato estabelecendo os limites das atividades no Palácio Petrônio Portella.

A intenção é manter a atividade regular em plenário e nas comissões técnicas, mas sem permitir a aglomeração. Por outro lado, as sessões especiais (usadas, por exemplo, para assinalar datas comemorativas, setores ou temas) e as audiências públicas, devem ser suspensas. Essa suspensão leva em conta que o princípios desses eventos é a participação dos mais diversos segmentos sociais.

As decisões que serão anunciadas devem definir:

• Sessões ordinárias: serão mantidas, mas com limitações no acesso às galerias.
• Comissões técnicas: também seguem funcionando, mas com acesso limitado.
• Audiências públicas: ficam suspensas até o fim do período extraordinário definido em portaria.
• Sessões especiais:  também ficam suspensas.
• Gabinetes: funcionam conforme a diretriz de cada deputado, embora a recomendação é também para limitação no atendimento ao público.

Oposição a Firmino vai discursar sozinha em ‘semana de campanha’

Uma série de eventos programados de hoje até sexta-feira tinha tudo para dar a esta semana um clima de campanha aberta. O evento mais esperado – o lançamento do nome de Kleber Montezuma como candidato a prefeito pelo PSDB – não acontecerá mais, remarcado para a próxima semana. Mas isso não quer dizer que o clima de campanha desaparecerá. Longe disso. Haverá apenas uma grande diferença: os holofotes e os microfones ficarão todos direcionados para a oposição à gestão do prefeito Firmino Filho, que discursará praticamente sozinha pelos próximos cinco dias.

Sem o evento em torno de Kleber, a agenda de campanha nesta semana conta ainda com quatro atos, todos voltados para as eleições de outubro. Mas só um pode ter um tom meio “em cima do muro”. Os outros três serão de discursos oposicionistas, com especial dosagem de crítica em dois.

EM CIMA DO MURO: o evento do Solidariedade, que na quinta-feira dá posse à nova direção do partido em Teresina, deve deixar uma porta aberta para cada lado. O time de Evaldo Gomes está mais para a oposição, mas tanto pode ficar com Firmino como debandar para a chapa de Fábio Abreu (PL). Daí, tende a não jogar pedra em ninguém. Por enquanto.
OPOSIÇÃO, PERO NO MUCHO: A semana de eventos começa hoje com o PSD, que apresenta Simone Pereira como candidata a prefeita. Vai se posicionar como oposição ao Palácio da Cidade e aliada do Karnak. Mas o PSD não tem cacoete de oposição (tanto que devem se destacar os elogios a Wellington Dias). Algum discurso mais duro vai ficar por conta de aliados.
BATENDO PESADO I: Na quinta-feira, um dos momentos mais aguardados – a filiação de Jeová Alencar ao MDB. Há um punhado de emedebista que não tem intenção de ir para o ataque, como Marcelo Castro e Luiz Lobão (mas eles podem ser ausências). Jeová, no metnanto, tende a ser mais direto nas críticas, assim como aliados, especialmente os do PSB.
BATENDO PESADO II, A MISSÃO: a agenda de eventos de campanha termina na sexta-feira com a filiação de Robert Rios ao PSB (aliado do MDB). Aí o medidor de crítica deve explodir: Robert está aí pra isso mesmo, para bater e bater forte. É sua missão. Também Wilson Martins deve carregar nas tintas.

PSDB adia anúncio de nome de Kleber por causa do Coronavírus

Depois do adiamento das festividades da Batalha do Jenipapo, o risco do coronavírus em meio a aglomerações provoca mais uma suspensão de evento. Agora trata-se do evento político mais esperado dessas últimas semanas: o anúncio da escolha de Kleber Montezuma como candidato do PSDB à prefeitura de Teresina. Diante das recomendação dos setores de saúde, o anúncio programado para terça-feira foi adiado para o dia 23.

A intenção do PSDB era dar um caráter popular ao anúncio, tanto que o evento havia sido marcado para as 18 horas do dia 17 (terça-feira), no Clube dos 100, no Parque Piauí. O anúncio agora adiado para o dia 23 acontecerá em um ambiente mais restrito e controlado. Ao invés de um ato com espaço para intermináveis discursos, o anúncio será feito através de uma entrevista coletiva. Um formato bem distinto.

O local ainda não está definido, mas poderá ser na própria sede do partido. Nesse novo momento, Kleber seguirá como a estrela principal, devidamente respaldado pelo prefeito Firmino Filho e o senador Ciro Nogueira. Mas não está descartada a participação (com direito a fala) de outras lideranças do PSDB, como o ex-prefeito Sílvio Mendes, ou aliados de primeira hora.
 

Parque Piauí adiantaria perfil da campanha

O lançamento inicialmente programado pretendia deixar evidente o perfil do candidato do PSDB. O local escolhido, o Parque Piauí, permitiria uma conexão com um setor caro em qualquer eleição em Teresina e com o qual Kleber Montezuma teria fácil identificação – o segmento de classe média baixa. O desenho do evento, marcado para um clube popular e após o final do expediente de trabalho, também permitiria um acontecimento de forte apelo popular.

As intenções foram atropeladas pela realidade do coronavírus, que está levando ao cancelamento de inúmeros eventos em todo o Brasil. O governo do Estado já havia cancelado as comemorações dos 197 anos da Batalha do Jenipapo. A expectativa é que outros eventos com a perspectiva de grande aglomeração sejam cancelados, tenham eles natureza política ou não.

Brasil vai ter que parar para combater coronavírus, diz especialista

Diante do avanço do coronavírus no país, o Brasil tenta encontrar estratéggias seguras para evitar que aqui se repita o que aconteceu em países como a Itália. E a Itália é agora o espelho melhor olhado para definir estratégias, para não se repetir aqui a tragédia de lá (mais de 2,5 mil mortos). A receita que parece ter mais respaldo dos especialistas é uma que tem efeito colateral terrível: a paralisação de muitas atividades, o que impacta duramente na economia.

Diversos especialistas ouvidos pelo jornal Folha de S. Paulo, por exemplo, coincidiram na necessidade de limitar atividades que envolvem grandes públicos. Coincidem também que as medidas devem ser para logo, implantada em um limite de 7 a 20 dias – ou seja, tais medidas devem ser materializadas no espaço temporal de uma a três semanas. Na visão dos especialistas, o país deve pensar em suspender aulas, espetáculos esportivos, eventos artísticos e até cultos religiosos. Ainda segundo os especialistas, devem ser desenhadas estratégias também para restringir a circulação pelas cidades e até a presença física em locais de trabalho.

Esse tipo de medida foi adotada em países afetados mais duramente pelo coronavírus, como a própria Itália e agora a Espanha – país que já contabiliza mais de 120 mortes. Mas foram ações que só vieram depois, e aí o olhar deve se voltar para o que conseguiram mais sucesso antes: em Hong Kong, Singapura e Japão, o registro de novos casos tem um ritmo bem menor, precisamente por adoção desse tipo de medida.

Para os especialistas, o Brasil precisa se antecipar a um quadro mais dramático.
 

Capacidade da rede de saúde em xeque

Os especialistas aplaudem a transparência como o Ministério da Saúde tem se portado. Mas as debilidades da rede de saúde não são esquecidas, e servem de comparativo com às ações de outros países.
• Robert Kraenkel (UNESP): destaca que, se nada for feito no controle da mobilidade populacional, a situação vai ser terrível. Para ele, não é mais questão de evitar a doença, mas de suavizar efeitos.
• Claudio Struchiner (FGV-RJ): lembra que a Coréia do Sul teve explosão inicial de casos logo controlados por uma série de ações limitadoras, em um esforço brutal inédito. Seria o caminho para o Brasil.
• Mirian Dal Bem (Hospital Sírio Libanês): avalia que a curva de casos na Europa e na Ásia se diferencia em função das medidas drásticas adotadas pelos governos.
• Expedito Luna (USP): questiona a capacidade do Brasil de fazer testes em larga escala (como na Coréia) – e a lentidão no diagnóstico de casos de dengue, zika e influenza revelam uma velha debilidade de nossa rede pública de saúde.

Aliado de Kleber, PDT atrai nomes para formar chapa proporcional forte

O PDT está empenhado em garantir uma boa representação na Câmara de Vereadores de Teresina. E, para isso, a sigla está focando na formação de uma chapa de candidatos à Câmara com bom potencial de voto, mesmo tendo o cuidado de não atrair lideranças que hoje sejam detentoras de mandato. O único com mandato é o articulador dessa estratégia, o vereador Evandro Hidd, que é também o presidente da sigla em Teresina.

Sobre a disputa pela prefeitura da capital piauiense, o PDT não gera nenhuma dúvida: vai para o palanque de Kleber Montezuma. Hidd se filia ao grupo que já era aliado desde antes da definição do nome de Kleber como representante do grupo que está à frente da prefeitura. Não é para menos: o vereador do PDT ocupa a importante SDU Sudeste e tem ligações com outras pastas do poder municipal, como a Fundação Municipal de Saúde. A proximidade com o Palácio da Cidade é tão grande que chegou a ser estimulado a se apresentar como pré-candidato a prefeito.

Mas o foco de Evandro Hidd foi direcionado mesmo para a renovação do mandato de vereador, com expectativa de que venha a ser um dos mais votados de outubro. Mas, para seguir no PDT, precisa formar uma chapa. E quer essa chapa forte, com a presença de nomes com potencial já comprovado ou com ampla possibilidade de votação. A meta não é apenas se reeleger, mas formar uma bancada de pelo menos três vereadores nas eleições deste ano.
 

José Ferreira e Celene, principais atrações

Nos cálculos políticos sobre as eleições de Teresina este ano, avalia-se que o cociente eleitoral ficará entre 15 mil e 16 mil votos – número que assegura a um partido a primeira cadeira na Câmara. Para a definição de outras vagas, novos cálculos são feitos a partir do residual de votos de cada chapa. A avaliação é que para alcançar três vagas, um partido precisa ter algo em torno de 40 mil votos. Os cálculos do PDT apontam que esse patamar será superado com a atração de nomes com bom potencial de voto.

Evandro Hidd está atraindo lideranças que permitam passar dos 40 mil votos. Entre eles estão os ex-vereadores José Ferreira (que já chegou a ser campeão de voto na capital) e Celene Fernandes. Também vão disputar vaga pela sigla Daniele Eulálio (esposa de Urbano Eulálio e filha do ex-vice-prefeito Miranda Dantas), Vespasiano e Alan Brandão.

Com eventos de candidatos, próxima semana terá clima de campanha

A próxima semana terá clima de campanha aberta, com uma sequência de eventos ligados aos candidatos. Será uma semana em que os eventos também começam a mostrar mais claramente o cenário da disputa pelo Palácio da Cidade. O primeiro acontecimento é o de oficialização de Kleber Montezuma como candidato ao PSD à sucessão de Firmino Filho. Mas também MDB, Solidariedade, PSB e PSD vão ter seus momentos de projeção, além do PL que se movimenta nas articulações.

No caso de Kleber Montezumo, a programação tem já um claro perfil de campanha: a oficialização da pré-candidatura do secretário de Educação será às 18 horas de terça-feira, no Clube dos 100, no Parque Piauí. Nada disso é por acaso. A escolha do início da noite é para garantir grande presença popular, inclusive porque o evento foi para um bairro onde a prefeitura teve especial atuação no ano passado.

Mas Dr. Pessoa, o pré-candidato do MDB, terá seus momentos de festa. Ele receberá atenção dos holofotes em dois momentos: na quinta-feira, quando o partido recebe a filiação do presidente da Câmara, Jeová Alencar, e na sexta-feira, quando PSB recebe Robert Rios, que já foi anunciado como o futuro vice na chapa de Dr. Pessoa.

Confira o calendário de eventos da semana

Dia 16, SEGUNDA-FEIRA: Em solenidade na Câmara, o PSD apresenta Simone Pereira como pré-candidata à prefeitura de Teresina.
Dia 17, TERÇA-FEIRA: Kleber Montezuma vai ser formalizado como o nome escolhido pelo PSDB para disputar a sucessão de Firmino Filho.
Dia 19, QUINTA-FEIRA: Festa para Dr. Pessoa, na carona da filiação de Jeová Alencar ao MDB. Joaquim do Arroz também deve se filiar.
Dia 19, QUINTA-FEIRA: na mesma data, o Solidariedade empossa a nova diretoria do partido em Teresina, tendo á frente Josiane Marques, que a legenda deseja emplacar como vice.
Dia 20, SEXTA-FEIRA: Outra vez festa para Dr. Pessoa, desta vez no PSB, que receberá a filiação de Robert Rios, já anunciado vice na chapa com o MDB.
TODA A SEMANA: O PL de Fábio Abreu mantém articulações com o Solidariedade de Evaldo Gomes e o PTB de João Vicente Claudino, procurando definir o candidato a vice na chapa do secretário de Segurança.

‘Grito da Terra’ quer pauta política e aumento de crédito para agricultura familiar

O próximo “Grito da Terra” deste ano, que acontecerá no mês de maio, promete uma grande mobilização política em que será questionada a orientação do governo federal para o campo. O grande motor da manifestação será a tentativa de revalorização da agricultura familiar, que estaria sendo preterida ante uma política que prioriza o chamado “agronegócio”, focado na produção em larga escala para exportação. A pauta até agora definida tem uma extensa lista de reivindicações, incluindo o aumento de crédito para os pequenos produtores rurais.

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Piauí (FETAG-PI), presidido por Elisângela Moura, é parte das discussões junto à CONTAG da pauta que deixa evidente o embate político. Em documento prévio, a CONTAG critica o governo federal. “O governo brasileiro vem com o discurso que existe apenas uma agricultura [o agronegócio], o que tem diminuído a importância do setor [de pequenos produtores], que é o responsável pela produção de mais de 70% dos alimentos consumidos no País”, ressalta o documento.

O entendimento da Confederação dos Trabalhadores Rurais é que há uma ênfase muito forte no agronegócio em detrimento dos pequenos produtores. “A falta de um Plano Safra específico prejudicou no acesso a algumas linhas especiais, a exemplo do Pronaf Mulher, Pronaf Jovem, entre outras”, acentua Antoninho Rovaris, secretário de Política Agrícola da CONTAG. Nesse sentido, a pauta do "Grito da Terra" cobra mais crédito para a agricultura familiar.

Também reivindica investimento em habitação no campo.
 

Pedido de crédito de R$ 40 bi só para o Pronaf

Para a CONTAG, o aporte de recursos é fundamental para o fortalecimento do pequeno produtor rural. Daí, a pauta de reivindicações do “Grito da Terra” vai incluir diversas reivindicações:
• R$ 40 bilhões para o Pronaf Crédito, sendo R$ 18 bilhões para custeio, R$ 20 bilhões para investimento e R$ 2 bilhões para habitação rural.
• Elevação do teto de financiamento habitacional dos atuais R$ 50 mil para R$ 60 mil, e ampliaçao do prazo de pagamento dos atuais 10 anos para 20 anos.
• Redução das taxas de juros das linhas Custeio e Investimento do Pronaf Mais Alimentos, de 3,0% ao ano para 1,0%.
• Redução dos juros dos financiamentos de custeio de investimento nas demais linhas do Pronaf de 4,6% para 2,0% ao ano.
• Taxa especial de 0% para Pronaf B, Agroecologia, Mulher, Jovem e Eco.
• Criação de um novo programa de Assistência Técnica de atenter pelo menos 60% dos produtores rurais.
• Ampliação do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), para R$ 700 milhões.
• Consolidar um Programa de Feiras da Agricultura Familiar e intercâmbios, com investimento de R$ 50 milhões/ano.

Posts anteriores