Cidadeverde.com

Themístocles deixa de esperar Firmino e dá o tom da campanha

Foto Divulgação / Assembleia Legislativa

Themístocles Filho: deputado lança Dr. Pessoa candidato do MDB à prefeitura de Teresina nas eleições de 2020


Foram apenas dez dias para uma mudança radical de tom. Há pouco mais de uma semana, o deputado Themístocles Filho, presidente da Assembleia e do Diretório do MDB em Teresina, disse que esperaria o prefeito Firmino Filho lançar seu próprio candidato para depois ser divulgado o representante emedebista na disputa de 2020 pelo Palácio da Cidade. Ontem, Themístocles mostrou que assumiu uma nova estratégia: não apenas lançou o candidato do MDB como ainda definiu um tema que tem endereço certo: a saúde.

Segundo Themístocles, o ex-deputado Dr. Pessoa não chega ao MDB como um simples filiado. Chega para disputar o Palácio da Cidade: “Dr. Pessoa é 100% candidato”, disse o presidente da Assembleia. Falou também dos grandes problemas de Teresina. Citando pesquisas internas, o deputado foi claro: a saúde é o maior problema não apenas na capital mas também em todo o Piauí.

Ao lançar Dr. Pessoa sem meias palavras, Themístocles toma para o MDB a estratégia de ser o contraponto ao grupo de Firmino. Quer apresentar o emedebista como “o outro”, como a alternativa, a mudança. Ao apontar os problemas da saúde ele também aponta para o grupo de Firmino, que tem no professor Charles Silveira o nome mais badalado para ser o candidato do tucanato.

Charles vem a ser o presidente da Fundação Municipal de Saúde. Em sendo assim, pode ser apontado como parte do problema que aflige os teresinenses. Ao apontar para a saúde, o deputado tentar colocar os aliados de Charles na defensiva, oferecendo explicações sobre o tema.

É uma estratégia que tem o mérito de colocar Dr. Pessoa como o contraponto, como o anti-firminista. Tem seu risco: a prefeitura se empenha em apontar o peso de outros municípios como a razão dos problemas – e isso recai especialmente sobre o governo do Estado, aliado do MDB.
 

Festa para Dr. Pessoa e muito mais

O MDB já marcou para 23 de agosto a filiação de Dr. Pessoa ao partido. Será um evento com forte teor político e popular, visando dar projeção ao novo filiado, ainda mais depois que Themístocle o alçou à condição de “100% candidato”. Mas a festa não será somente para o ex-deputado. O MDB quer mostrar força também na perspectiva da eleição para a Câmara Municipal.

Hoje faltam nomes de peso para uma grande chapa a vereador: o partido tem dois assentos na Câmara – Zenito e Luís Lobão. Deve perder Lobão, mas vai ganhar Jeovar Alencar. Tem ainda o bem votado suplente James Guerra. Mas é pouco para assegurar a eleição de um vereador. E o partido planeja eleger uma boa bancada. Para isso terá que somar novas lideranças. Algumas delas serão conhecidas e festejadas no evento do dia 23 de agosto.

Bancada estadual do PT deverá apoiar Assis Carvalho

Foto Divulgação / Câmara dos Deputados

Assis Carvalho: deputado deve ter apoio da bancada estadual para seguir à frente do PT piauiense


A bancada do PT na Assembleia Legislativa do Piauí deve se reunir nos próximos dias para avaliar a composição da nova diretoria do Diretório Estadual do partido, a ser escolhida em setembro. A intenção é adotar uma posição comum, em nome da unidade partidária. A tendência é que os seis deputados em exercício de mandato na Assembleia apóiem a recondução de Assis Carvalho à presidência da sigla no Piauí.

A articulação é do deputado Franzé Silva, que considera importante o debate sobre os rumos do PT nos próximos anos. Hoje dois nomes estão postos como candidatos à presidência no partido: o deputado federal Assis Carvalho e Edilberto Borges, o Dudu, vereador de Teresina.

Franzé Silva defende a continuidade de Assis, avaliando que ele desempenhou um bom trabalho como presidente. Segundo Franzé, a boa situação política do partido – que, além do governador, tem dois deputados federais, cinco deputados efetivos na Assembleia e a vice-governadora – é reflexo desse trabalho.

“É importante o reconhecimento do trabalho do Assis”, diz, lembrando que hoje o PT conta com seis deputados no exercício do mandato no Legislativo estadual. Tem ainda um deputado em cargo de secretaria, no caso o deputado Fábio Novo (Cultura).
 

A bancada do PT em exercício na Assembleia do Piauí:

• Cícero Magalhães
• Flora Izabel
• Francisco Costa
• Francisco Limma
• Warton Lacerda
• Ziza Carvalho
• Fábio Novo (licenciado)
 

Wellington faz visita a Lula em Curitiba

Foto Revista Cidade Verde

O governador Wellington Dias e o ex-presidente Lula, em registro de encontro verificado em 2016


O governador Wellington Dias (PT) faz, nesta quinta-feira, uma visita ao ex-presidente Lula, em Curitiba. Wellington, que estava em Brasília para discussões em torno da reforma da Previdência, seguiu ainda ontem à noite para a capital paranaense. Ele estava em companhia do governador da Bahia, Rui Costa, também do PT.

Não é a primeira visita de Wellington ao ex-presidente na carceragem da Polícia Federal, onde Lula está desde 7 de abril do ano passado. O governador defende a tese de que Lula é um preso político que teria sido vítima de um arranjo jurídico que o alijou da disputa presidencial do ano passado.

Wellington tornou a abraçar esse entendimento após o vazamento de mensagens trocadas entre o ex-juiz Sérgio Moro e Daltan Dallagnol, chefe da equipe do ministério público na Lava Jato. Segundo o governador do Piauí, as mensagens mostrariam que havia uma articulação visando a con denação do líder petista.

A visita é parte da solidariedade do governadfor ao ex-presiodente, com quem mantém relação de amizade há várias décadas.

STF intima PGE e Exército sobre litígio entre Piauí e Ceará


Território: mapa de Antonio Galuci de 1761 mostra que o Piauí tem litoral e que também é do estado a região das nascentes do Poti 


O Supremo Tribunal Federal intimou as Procuradorias Gerais do Estado do Piauí e do Ceará, além do Exército Brasileiro, para manifestação sobre o processo de litígio entre os dois estados. O STF vai decidir sobre a disputa de uma área que se mantém indefinida desde que o Piauí questionou o Decreto Imperial de 1880, que redesenhou as fronteiras e deu ao Ceará área que seriam  do Piauí.

As intimações formalizam um processo há bastante tempo em andamento. Os dois estados devem oferecer seus argumentos. Já o Exército é o responsável pela perícia técnica que vai oferecer a base para a decisão do Supremo. Segundo nota do Exército, o trabalho será feito a partir de agora, depois que o Piauí depositou o valor de R$ 6,9 milhões para cobertura dos trabalhos.


Decreto tirou áreas do Piauí

O Decreto Imperial foi “vendido” como saída salomônica, em que Piauí perderia a região de Crateus e partes de  do que é hoje Tianguá, Ubajara, Ibiapina e São Benedito, e o Ceará cederia uma área de litoral, permitindo que o Piauí tivesse saída para o mar. O argumento parece bonito. Mas falta base histórica: mapas datados ainda do século 18 mostram que as duas áreas já eram do Piauí. Esses mapas indicam que toda a área das nascentes do Poti integra o território piauiense, que também é dono de larga fatia do litoral, incluindo o que hoje é Luís Correia, Cajueiro da Praia e até partes de Chaval. Também inclui 100% do Delta do Parnaíba (hoje só 40% pertencem ao Piauí).

Esses mapas podem ser encontrados em alguns arquivos, como a Biblioteca Nacional e o Serviço Cartográfico do Exercito. Um dos mais conhecidos é o mapa elaborado em 1761 por José Antonio Galuci (ou Galuzzi). A carta não atende às proporções reais, mas define claramente os limites e aponta as cidades existentes na época (Parnaíba, Marvão/Castelo, Campo Maior, Valença, Oeiras, Amarante e Parnaguá). E não deixa dúvidas: o Piauí tem litoral e também a área das nascentes do Poti. Esse mapa está nos arquivos do Exército, o responsável pela perícia.
 

Equipe de Brasília fará perícia

A perícia sobre o litígio foi tema de discussão na Comissão Especial da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Franzé Silva. Havia a informação de que o trabalho seria realizado por equipe do Exército no Ceará. Franzé disse que o Piauí fará gestão para que a perícia seja feita por equipe de outro estado, para evitar qualquer dúvida.

Quando da definição dos limites com Tocantins e Bahia, o trabalho pericial foi feito por equipe de Brasília. “Vamos solicitar que seja feito por essa equipe, ou por outra que não tenha ligação com nenhum dos dois estados”, disse Franzé. A perícia inclui análise documental e avaliação local que utilizará drones e registros de satélite.

A expectativa é que a disputa esteja encerrada em cerca de 12 meses.

Mapa de 1760 com realce em cor

‘Podemos vai estar no jogo’, diz Elmano sobre eleição em Teresina

Foto Divulgação / Senado Fderal

Elmano Ferrer: senador quer fortalecer o Podemos no Piauí para ganhar competitividade nas eleições de 2020


O Podemos, que no Piauí tem à frente o senador Elmano Ferrer, quer ter uma presença importante nas eleições municipais de 2020, em especial na disputa em Teresina. Segundo Elmano, o partido ainda não tem definido o caminho de alianças que deve tomar, já que mantém boas relações tanto com nomes que estão no Palácio da Cidade como os que se filiam na oposição à administração municipal.

O que parece bastante desenhado é o distanciamento do PT. “Não deveremos estar com o PT”, diz Elmano. O senador lembra que foi eleito em 2014 junto com o PT, mas que em seguida sofreu um duro processo de isolamento. Quanto às outras opções, destaca que tem boa relação inclusive com o PSDB, com quem se confrontou nas eleições municipais de 2012.

No leque de boas relações, ele citou ainda Themístocles Filho (MDB) e de modo especial o ex-senador João Vicente Claudino, que está de volta ao PTB. “Estamos em partidos diferentes, mas conservamos uma grande amizade”, disse. E reafirma: “Temos abertas diversas possibilidades. Não sei ainda o rumo, mas vamos estar no jogo eleitoral de 2020 pra valer”.

Ainda segundo Elmano Ferrer, a decisão da direção nacional do Podemos é crescer nas eleições municipais, em especial nas grandes cidades. Ele diz que toda terça-feira há uma reunião da bancada do partido no Senado, quando esses temas são discutidos.
 

Chapa de vereador em construção

O senador Elmano Ferrer disse que está tratando de construir uma boa base para o Podemos no Piauí. Isso inclui a atração de lideranças importantes tanto no interior quanto na capital. Em relação a Teresina, ele disse que há uma série de conversações para a filiação de lideranças com bom potencial eleitoral, visando a disputa por cadeiras na Câmara Municipal.

“Vamos fazer uma chapa competitiva”, disse ele, esquivando-se de citar nomes. Mas adiantou que vai ser uma chapa com grande número de candidatos. Vale lembrar, a partir das próximas eleições ficam proibidas as coligações proporcionais e os partidos podem apresentar candidaturas em número até 150% do total de vagas na Câmara. No caso de Teresina, isso significa até 44 candidatos.

Governadores do Nordeste definem hoje apoio à reforma

Foto Divulgação / Governo do Estado

Wellington Dias e Rodrigo Maia: articulações para dar forma final ao texto da reforma da Previdência


Deve ser concretizado hoje um acordo entre governadores e as lideranças do Congresso sobre a reforma da Previdência. O entendimento deve garantir o apoio de praticamente todos os governadores do país, que terão em troca a reinclusão de estados e municípios no texto de reforma que será votado amanhã na Comissão especial da Câmara e encaminhado já na próxima semana para apreciação do plenário da Casa.

O ponto central do acordo é o bloco de nove governadores do Nordeste, que sempre tiveram posição crítica em relação à reforma. Mas a mudança de posição deve ser anunciada hoje em reunião do Forum de Governadores do Nordeste, que acontece em Brasília. A reunião deveria ter acontecido ontem mas foi adiada para finalização do acordo.

Havia resistência à mudança do texto a ser votado amanhã na Comissão Especial. Muitas lideranças queriam que a reinclusão de estados e municípios no texto da reforma ficasse para a discussão em plenário. Os governadores não gostaram da ideia, já que no plenário poderia implicar em mais dificuldades. Daí, querem a modificação já na Comissão.
 

Wellington coordenada acordo

No Nordeste, a articulação tem sido levada à frente sobretudo pelo governador Wellington Dias (Piauí) e Rui Costa (Bahia), com a participação importante do maranhense Flávio Dino. No Congresso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem sido o principal articulador e fiador da reforma nos novos termos, aí incluindo tópicos considerados fundamentais para os governadores – como a manutenção das regras para aposentadoria rural, o BPC e a constitucionalidade do tema previdenciário.

Outros governadores como João Doria Junior (de São Paulo) e Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) vêm tendo papel importante na pressão junto ao Congresso. Mas a posição dos gestores nordestinos ganha força pela possibilidade de levarem pelo menos 60 votos para a reforma.
 

Votação em plenário em julho

A expectativa é que a reforma da Previdência seja apreciada pelo plenário da Câmara dos Deputados ainda antes do início do recesso de julho – portanto, até dia 17. Os entendimentos de Rodrigo Maia com o bloco de 16 partidos que apoiam a reforma na Câmara é que a votação na Comissão Especial ocorra amanhã.

Hoje deve termina a etapa de debate na comissão. Ainda faltam 45 deputado inscritos para discurso. Mas o presidente da comissão Marcelo Ramos, acha que o debate se esgota à tarde e, em seguida, o relator Samuel Moreira fará a leitura de ajustes no relatório. Com a previsão de aprovação na comissão, o relatório deve ser encaminhado para discussão plenária já na segunda-feira, dia 1º de julho.

MDB recebe Dr. Pessoa mas também flerta com Silvio Mendes

O MDB prepara uma festa para, em agosto, receber a filiação de novos membros do partido, com destaque para o ex-deputado Dr. Pessoa. Mas a chegada de Dr. Pessoa à sigla não inclui um compromisso cabal de que será candidato à prefeitura de Teresina, já que o partido tem alguns nomes postos – em especial o vereador Luís Lobão e o deputado Henrique Pires. Além disso, algumas lideranças emedebistas de destaque não descartam a possibilidade de outro nome: o ex-prefeito Sílvio Mendes. O sonho é maior: ver uma chapa unindo Dr. Pessoa e Silvio Mendes.

Depois de participar da reunião da Executiva estadual do partido, ontem, Dr. Pessoa saiu dizendo que já é do MDB. O presidente estadual da sigla, senador Marcelo Castro, e o presidente muncipal, deputado Themístocles Filho, fizeram discurso no mesmo tom. Os três reafirmaram que a filiação não está vinculada a uma candidatura pronta e acabada. Dr. Pessoa pode ser o candidato se as condições assim permitirem.

Tais condições incluem a própria ressonância popular do nome do ex-deputado, que a maioria avalia como muito boa. Mesmo assim não deixaM DE contemplaR outras alternativas. É aí onde aparece o nome de Sílvio Mendes. Dentro do partido avalia-se que a primeira opção de Sílvio é mesmo o PSDB. Mas a grande maioria também avalia como muito pequena a possibilidade do grupo de Firmino Filho dar essa chance ao ex-prefeito.

O tema Silvio Mendes não foi analisado oficialmente pelo MDB, mas é assunto corrente nas conversas informais sobre as eleições municipais do ano que vem. E o partido quer deixar uma porta aberta para o caso de Sílvio precisar de um novo destino político.
 

Proximidade com Marcelo Castro

A opção Sílvio Mendes é uma alternativa que é considerada distante. Mas não é descartada dentro do MDB. Ao contrário. Um dos trunfos para uma possível aproximação é a boa relação com os cardeais do partido, como o deputado Themístocles Filho e especialmente o senador Marcelo Castro.

Silvio chegou a ser escolhido o vice de Marcelo na frustrada candidatura ao governo do Estado, em 2014. A amizade permaneceu. E agora pode render frutos: caso o ex-prefeito queira um destino para disputar a eleição de 2020, Themístocles abre uma janela. E Marcelo escancara a porta do partido.

Firmino investe no interior de braços dados com o PP

Foto Divulgação

Firmino Filho nos festejos de São Pedro do Piauí: andanças pelo interior com aliados do PP, como o deputado Júlio Arcoverde


Nas eleições de 2010, quando Sílvio Mendes deixou a prefeitura para ser candidato ao governo do estado pelo PSDB, o conhecido empresário Abelardo Carvalho vislumbrou um cenário pessimista. Olhando para a pouca capilaridade do partido de Sílvio no interior, Abelardo advertiu para o risco: “No segundo turno não vai ter ninguém nem para ajudar a pregar o papel de campanha”, disse ao candidato, em referência aos cartazes que se espalham Piauí afora em uma disputa estadual. Lá pelo meio do segundo turno, Sílvio ligou para Abelardo e mostrou que o empresário tinha errado. A situação era pior: “Não tem quem pregue os papéis e nem papel tem”.

O atual prefeito de Teresina, Firmino Filho, do mesmo PSDB, parece disposto a, pelo menos, ter quem possa pregar os cartazes em uma eventual candidatura majoritária em 2022: Firmino está começando uma decidida andança pelo interior do Estado. Em três dias – de quinta-feira a sábado –, o prefeito esteve em São Pedro, Luís Correia, Demerval Lobão e Pedro II. Nas andanças, há uma outra singularidade: a presença de pelo menos uma das duas principais lideranças do Progressista no Estado – o senador Ciro Nogueira e o deputado Júlio Arcoverde.

Em todas as viagens, Firmino tem tido especial atenção às lideranças locais. Mas não tem se furtado ao contato popular. “Me surpreendi com a receptividade”, diz um integrante do grupo de apoio a Ciro e Júlio.

A atenção que Firmino vem dando ao interior é novidade pelo menos tanto tempo antes de uma eleição estadual. Mas traz uma nova faceta do prefeito, que também está cuidando de fortalecer seu próprio partido na capital, com atração de lideranças fortes, conforme a coluna detalhou ontem. Esse fortalecimento é também uma forma de não ficar dependente da força alheia, no caro a de Ciro Nogueira e seu Progressista.
 

Viagens com interesse de mão dupla

O prefeito Firmino Filho (PSDB) e o senador Ciro Nogueira (PP) têm um mesmo interesse: a disputa do Palácio do Karnak nas eleições de 2022. Mas as andanças pelo interior com os dois juntos não os afastam. Ao contrário, os une em uma estratégia que tende a mantê-los em um mesmo palanque na sucessão de Wellington Dias (PT).

Ciro tem um amplo leque de apoios pelo interior. Firmino tem uma fortaleza eleitoral em Teresina. Ciro tem em mente a importância de uma boa base na capital como caminho para se alcançar a vitória. Por seu lado, o PSDB já apresentou candidaturas próprias ao governo em 1990, 1998, 2006 e 2010: ficou evidente a falta que faz uma boa estrutura fora de Teresina.

Daí, as andanças de agora ajudam a criar um cenário positivo para ambas. Qual dos dois poderá a ser o candidato ao Karnak, aí é uma discussão para 2022.

Sobra emprego. Mas só na área de tecnologia

Com uma taxa de desemprego da ordem de 12%, o Brasil se ressente da falta de vagas de trabalho em praticamente todos os setores. Esse “praticamente” só se justifica por setores de alta especialização, confirmando uma tendência de que as áreas que exigem menos qualificação sofrem antes, e também sofrem até mais tarde. Nas áreas de alta especialização há vagas sobrando.

Um tradutor dessa realidade contrastada é a área de tecnologia e inovação: há vagas; falta mão de obra. O setor de inovação possui atualmente pelo menos 5 mil postos de trabalho somente nas startups. E a expectativa da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) é que serão 70 mil novas vagas nos próximos oito anos. E o número de vagas ociosas no momento indica o despreparo dos profissionais colocados no mercado.

Daí, a culpa pelo despreparo é mais que óbvia: a formação, o processo educacional. Um gargalo que no Brasil, nos últimos anos, só tem se estreitado,

A Abstartups reclama da desatualização dos currículos dos cursos universitários na área, que implica na formação de profissionais sem sintonia com as necessidades do mercado e as mudanças tecnológicas. Ainda conforme a entidade, a modernização é imprescindível, tanto no meio acadêmico, como também entre as companhias. Sem isso, as empresas perdem competitividade e os empregos gerados não são no número que poderia ser.
 

Robôs tiram emprego

A inovação dá emprego aos mais qualificados. E tende a tirar a vaga dos trabalhadores com formação mais limitada. E uma das vertentes dessa mudança são os robôs. De acordo com  o Laboratório de Aprendizado de Máquina em Finanças e Organizações da Universidade de Brasília (UnB), até 30 milhões vagas com certeira assinada poderiam ser fechadas no mercado formal brasileiro se as funções humanas fosse substituídas por tecnologias já existentes.

O estudo da UnB avaliou as 2.602 ocupações brasileiras catalogadas. E mostra que a mudança pode ser enorme em curto tempo. A realidade existente no ano passado apontava para o seguinte quadro de empregos com carteira assinada: 25 milhões de trabalhadores (57,37%) ocupavam vagas com alta ou muito alta possibilidade de serem afetadas pela  automação. Entram nessa lista categorias como engenheiros químicos (96% de possibilidade de substituição), carregadores de armazém (77%) e árbitros de vôlei (71%), por exemplo.

O Brasil rtem investir em novas alternativas, de preferência de alta qualificação. E isso exige formação de alta qualidade.

General Fioravante será o presidente da Codevasf

Foto Divulgação / Exército Brasileiro

General Fioravante: indicado pelo Planalto para a Codevasf, deve ser ratificado pela companhia na próxima semana


O Palácio do Planalto já tem escolhido o ocupante de um dos cargos federais mais disputados no Nordeste: a presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba, a Codevasf. Será o general de brigada Pedro Antonio Fioravante Silvestre Neto, que tem uma longa folha de serviços na região, como peça importante no Comando do Exército no Nordeste.

A indicação de Pedro Fioravante já está seguindo o trâmite de análise interna até ser formalizada. A escolha foi feita pelo Palácio do Planalto, que enviou a indicação para análise dentro da Codevasf, conforme determina a Lei das Estatais. Atualmente, a análise está no chamado Comitê de Elegibilidade, que avalia a adequação do nome – incluindo aspectos técnicos e éticos – à função. 

Não deve haver nenhum senão na confirmação da indicação, salvo o desconforto político – já que o cargo era disputado por diversos setores partidários. O general Pedro Fioravante foi assessor direto do Comando do Exército no Nordeste e, desde abril de 2018, responde pela coordenação da Operação Carro-Pipa. Nesse trabalho comanda cerca de 900 militares com presença em 500 municípios e atendimento a uma população de 1,7 milhão de pessoas.

O general Fioravante, portanto, conhece o drama do abastecimento d’água no Nordeste, que também vem a ser uma das principais funções da Codevasf. Ele também conhece o Piauí, onde esteve algumas vezes. Em 2015, por exemplo, visitou a cidade de Corrente, quando se encontrou com o então prefeito Jesualdo Cavalcante. Além disso, a experiência do general inclui o posto de Adido Militar em Moscou e chefia do comando de defesa da Floresta, no Pará.
 

Sem dar bolas para os políticos

A expectativa no Palácio do Planalto é que a indicação do general Pedro Fioravante para a Codevasf seja confirmada na próxima semana: na terça-feira, dia 2, acontece a reunião do Conselho da Codevasf e espera-se que a escolha do novo presidente esteja na pauta da reunião. A chegada de Fioravante à companhia reafirma a orientação do governo Bolsonaro, que não tem se submetido às reivindicações dos partidos.

Na prática, é mais uma indicação que não dá nem bolas para os políticos. Ao mesmo em que reafirma uma promessa de campanha, cria embaraços com segmentos do Congresso. Essa indiferença pode ter algum tipo de reação entre parlamentares, o que é especialmente delicado em um momento crucial para o governo: neste início de julho também entra em discussão no Plenário da Câmara a proposta de reforma da Previdência.

Posts anteriores