Cidadeverde.com

Furacão Irma. Miami, Orlando e Caribe. Já posso ir?

Passado o Furacão Irma pelo Caribe, muitos turistas que haviam planejado fazer uma viagem para a região ainda estão na dúvida sobre como se encontram as cidades. Miami e Orlando recebem muitos piauienses a lazer e negócios e é importante viajar com a máxima segurança. Principalmente para quem pretende levar as crianças para realizar o sonho de conhecer a Disney e outros parques da Flórida, se informar é fundamental para não frustrar as expectativas.

Confira a situação dessas duas cidades e planeje melhor sua viagem.

Orlando

A cidade não fica no litoral da Flórida e por isso não sofreu muito com o furacão. Ao chegar no destino, ele já estava em grau 1, o mais baixo da escala que vai até 5. Por isso, desde o dia 11, a maior parte dos serviços da cidade já estavam reativados. Restaurantes, hotéis e o Centro de Convenções foram reabertos. Quanto aos parques, apenas 2 estão fechados. Os principais, como os temáticos da Disney e da Universal, Seaworld e Legoland, estão todos abertos normalmente. Inclusive, a partir do dia 25, começa a convenção da Microsoft na cidade. 

O destaque negativo é o Orlando Eye que não tem previsão de reabertura. Para mais informações, consulte seu agente de viagens, hotel, empresa aérea ou o site Visit Orlando

Miami

Para quem vai a Miami, a situação é mais difícil. Quando o furacão passou pela cidade litorânea estava na escala 4. Muitos bairros ainda estão sem energia e em processo de limpeza. Apenas a partir de hoje as escolas voltaram a ter aulas, ainda assim, com funcionamento especial. 

Se a viagem for a lazer, o ideal é tentar reagenda-la. No entanto, caso seja a negócios, apesar de haver a necessidade de estar aberto a contratempos, é possível ir ao destino.

Outros destinos

Várias cidades ainda estão com problemas de energia. Cuba é um exemplo.

Além de passar pela Flórida, o Irma causou estragos em várias ilhas do Caribe como Cuba e Barbuda. Para esses locais ainda não é recomendável viajar a lazer. Além dos destroços serem grandes, eles não possuem a mesma rede de proteção dos Estados Unidos. 

Além disso, está se formando uma outra tempestade no Oceano Atlântico que pode causar mais tragédias na região. Nos Estados Unidos, é provável que ela não passe pela Flórida, mas pela Carolina do Sul, estado que faz fronteira a norte com a região caribenha.