Cidadeverde.com

Estradas da Caatinga: Floriano, uma cidade moderna, religiosa e à beira do Parnaíba

Passeio de barco pelo rio Parnaíba custa apenas R$ 3 reais

Seguindo pelas estradas da caatinga, a viagem chega a Floriano. A 250 km de Teresina, ela é conhecida como a Princesa do Sul. A cidade é uma das mais importantes do Piauí e fica margeada pelo Rio Parnaíba em um anel rodoviário que liga algumas das regiões do país que mais crescem economicamente, principalmente pelo agronegócio. Floriano é passagem quase obrigatória para os caminhões do sul do Piauí, sul do Maranhão e para muitos do noroeste baiano.

Confira o primeiro dia de viagem

Marzuk Restaurante tem estrutura confortável e cardápio variado

Por conta disso, a cidade tem desenvolvido bastante a qualidade de seus serviços. Um exemplo de segmento que cresceu foi o de hotéis. Recentemente, novos foram inaugurados e antigos foram completamente remodelados. Eu, fiquei em um dos mais novos, o Maktub. Café da manhã farto, cama confortável, vários canais de TV fechada, chuveiro com banho quente, a 2 quadras da praça da Catedral e tudo isso com um preço justo.

Café da manhã do Hotel Marzuk tem diversos pratos

Esses aspectos econômicos se misturam aos aspectos culturais da cidade. Primeiramente, à religiosidade. Além da Catedral de São Pedro de Alcântara, prestes a completar 100 anos e com marcas de arquitetura árabe, a cidade ainda possui pelo menos mais 2 templos católicos relevantes. Na Capela de Nossa Senhora da Guia, a fé conta que a imagem de uma santa foi encontrada na região e que ela é milagrosa. Vários relatos diferentes são contados sobre como ela foi achada. A imagem é bem pequena, mas sua história vai longe e atrai diversos romeiros de todo o Brasil e até estrangeiros durante o mês de setembro quando acontecem os festejos.

Outro templo importante se destaca em meio aos diversos morros que rodeiam a cidade. A Igreja de Nossa Senhora do Desterro fica em um ponto alto da cidade sendo vista de vários lugares. Ela foi construída pela moradora Ivanilde Castro, membro de uma das famílias mais tradicionais de Floriano. Pessoa de muita fé e ativa na igreja católica, ela dedicou mais de R$1 milhão de reais para a obra. A torre se destaca no cenário da cidade e a noite a iluminação enriquece o cenário.

Igreja de Nossa Senhora do Desterro foi inteiramente financiada pela senhora Ivanilde Castro

Um dos principais momentos para viver a fé em Floriano é na Semana Santa. Nesse período a Paixão de Cristo é encenada na 2ª maior cidade cenográfica do Brasil. Mais de 400 atores e transportam o público da caatinga nordestina para a Judéia. Entre esses a maioria é local e organizada e treinada pelo grupo Escalet de Teatro durante todo o ano, mas atores de destaque nacional também participam da encenação. Reformas recentes têm ajudado a modernizar o espaço e deixar o espetáculo ainda mais impactante.

Vista do topo da pedra natural que serve para encenar parte do espetáculo da Paixão de Cristo

Além da religiosidade, Floriano também é uma cidade que tem na sua formação a presença de migrantes. Há pouco mais de 100 anos, uma grande quantidade de sírios e libaneses fugiram para a América e muitos se estabeleceram na Princesa do Sul. Hoje, a principal marca deles está na arquitetura do Centro Histórico e nos negócios. Na vida privada ainda se mantem vários hábitos tradicionais.

Outro grupo de migrantes que começa a se integrar e dar sua cara à cidade são os universitários. Floriano possui 3 universidades públicas e 1 particular de grande porte. Muitas pessoas vêm de cidades por todo o Brasil, principalmente Piauí e Maranhão, para estudar. Não existe um número exato, mas avalia-se que entre alunos e professores a contagem chegue aos milhares.

Para viver tudo isso, existem vários pontos indicados para visitação. O mais tradicional da cidade é o cais do Rio Parnaíba. Local que já recebeu várias embarcações no começo do século XX, da época ficaram a Usina de Energia que hoje abriga o Espaço Cultural Maria Bonita e o prédio do Terminal Turístico, que abrigou a primeira escola de agronomia do Brasil. Existem vários bares na orla, entre os quais o Velho Monge é o que mais enche aos finais de semana. Alguns moradores deixam lanchas no rio e fazem passeios para pontos como o Balneário Manga, que é uma ilha fluvial no meio do rio, e cachoeiras. O Museu do Automóvel e o Espaço Cultural Theodoro Sobral também são boas alternativas.

Esses são alguns destaques de Floriano. Na próxima postagem irei apresentar alguns pontos de cidades próximas como a Barragem de Boa Esperança e a cidade de Jerumenha, mais uma cidade histórica da região.

Como chegar

Carro – A 250 km de Teresina. Saída pela zona sul na BR-316. No entroncamento rodoviário chamado Estaca Zero, pegar a direita pela BR-343.

Ônibus – Saídas quase que de hora em hora da rodoviária de Teresina. Principais empresas: Expresso Floriano, Princesa do Sul, Líder, Transpiauí e Guanabara.

Dica: Dê preferência por vir de carro. O interessante é ter liberdade para poder rodar por cidades próximas como Amarante, Oeiras, Jerumenha e Guadalupe. Entre todas elas, Floriano é a que possui a melhor estrutura de saúde, hotéis e restaurantes. Assim, sua viagem será mais completa e certamente você terá atividades para no mínimo 4 dias riquíssimos.