Cidadeverde.com

Os guias que sabem de tudo: Oeiras

Museu de Arte Sacra com materiais da Procissão do Fogaréu

 

Depois de apresentar as dicas do guia Edylson Rodrigues para Piripiri, hoje nossa viagem segue para Oeiras. Na primeira capital, quem apresenta os principais becos, vielas, estórias e prédios históricos é a Adrielma Brandão.

O trabalho dela vai fazer 1 ano apenas no mês de novembro, mas é de muita garra e já vem dando resultados. Em julho de 2017, a Câmara de Dirigentes Lojistas, SEBRAE e Secretaria Municipal de Indústria e Comércio de Oeiras realizaram um curso para formação de condutores de turismo. Ao final deste surgiu a proposta para fundar uma associação com os alunos. 4 meses depois estava fundada a Associação de Condutores de Turistas de Oeiras (ACONTUO), cujo a presidente é Adrielma.

Adrielma guiando e acima Nossa Senhora da Vitória

 

Ao chegar em Oeiras para conhecer a cidade, o ideal é contatar a presidente pelo Whatsapp (89) 994059955. Outra possibilidade é se dirigir ao Solar das 12 Janelas, uma casa histórica que fica em uma das esquinas da Praça da Vitória, no período da manhã. No local existem pessoas que passam os contatos de guias, mas o mais recomendado é o telefone mesmo.

O serviço custa apenas R$8 reais por pessoa a diária. Baratíssimo!! Importante destacar também que os guias têm acesso praticamente exclusivo a alguns locais como a Casa da Pólvora à Igreja do Rosário na parte da tarde.

Roteiro do Especialista

Todos os roteiros dessa sequência de postagens começarão a partir de meio-dia da sexta e irão até meio-dia do domingo, o que seria equivalente a 2 diárias na cidade.

Vista de uma das paradas no Morro do Leme

 

Sexta-Feira

Ao chegar no horário do almoço, a dica é dar uma corrida no prédio da Prefeitura, porque não abre aos sábados, buscar se alimentar e se acomodar no hotel até por volta das 4 da tarde. Oeiras é uma cidade quente e como o passeio é feito a pé na sua maior parte é ideal realizá-lo de manhã ou no final da tarde. Depois de descansar da viagem, use o primeiro dia para ir aos 2 mirantes da cidade. O primeiro é no Morro do Leme, onde fica a imagem de Nossa Senhora da Vitória. A subida exige algum preparo físico, nada muito pesado. Leve água e aproveite para descansar nos pontos de apoio porque são muitos degraus. Na outra saída da cidade está o Morro da Cruz. Nesse dá para subir de carro e aproveitar o final da tarde para curtir a vista e beber algo em um dos quiosques recentemente reformados. A noite, a guia recomenda restaurantes como o Pimenta Beer e o Coqueiro Verde.

Sábado

O segundo dia deve ser guardado para o Centro Histórico. De manhã bem cedo, para evitar o sol muito forte, é para percorrer os museus, igrejas, o cine-teatro e outros locais históricos. Depois deve-se fugir do Sol, a dica é a piscina do hotel do Sesc. No final da tarde, percorra o Bairro do Rosário com sua igreja, a Casa da Pólvora, o Pé de Deus e o do Diabo e outras casas de arquitetura tradicional.

Domingo

No domingo, antes de pegar a estrada, quem vai com crianças pode curtir o Parque Aquático no Hotel do Sesc. Já para os adultos, a opção é buscar algumas atrações da zona rural. Um dos lugares é a Comunidade Potes, que é um quilombo aonde é possível tanto comprar artesanato como participar de rodas de conversa. Adrielma indica também a Comunidade Colônia e o Bairro Oiteiro por serem tradicionais. Para quem estiver mais disposto a andar mais, Picos fica a 80km e conhecer sua Catedral e seus mirantes é uma pedida antes de seguir de volta para casa.