Cidadeverde.com

Nathan Sousa - Poemas

Carlos Nathan Sousa Soares (Nathan Sousa) nasceu em Teresina (1973). É Tecnólogo em Marketing, escritor, acadêmico, professor, poeta e letrista. Integra várias antologias e é vencedor de vários prêmios literários, dentre eles o Prêmio Assis Brasil 2013, o Prêmio LiteraCidade 2013, o Prêmio Machado de Assis 2015 (Confraria Brasil-Portugal) e o Prêmio José de Alencar 2015, da União Brasileira de Escritores – UBE. Foi finalista do Prêmio Jabuti 2015. É autor dos livros O Percurso das Horas (Edição do autor, 2012), No Limiar do Absurdo (LiteraCidade, 2013), Sobre a Transcendência do Silêncio (LiteraCidade 2014), Um Esboço de Nudez (Penalux, 2014), Mosteiros (Penalux, 2015) e Nenhum Aceno Será Esquecido (Penalux, 2015), seu primeiro romance.
 
 
 
DAS COISAS SEM NOME
 
 
O que se revela no que escrevo
não vem de dentro ou de fora
do que me proíbe ou me ignora.
 
Não vem da fauna ou do relevo,
não vem da boca que devora
o que em mim acalma ou apavora.
 
O que se revela no que escrevo
vem do que penso de concreto,
ainda que nenhum rabisco esteja reto.
 
 
 
 
 
 
NOVO INSTANTE
 
                          Para Carmencélia
 
 
Deparo-me
novamente
com um espelho
 
e mais uma vez,
no mesmo instante
do reflexo,
dá-se o espanto.

– Como posso ser tantos
e tão outros,
sendo apenas eu? – pergunto.
 
Mas perguntar a quem,
se entre o que vejo
e o que penso de mim
não há mais ninguém?
 
(Há um 'eu'
e eu não
o reconheço
como sendo meu)
 
Mas se ainda penso
– e se o que vejo
não corresponde
ao que conheço –
falta-me
(talvez)
outro modo 
de invenção.
 
Ou será que eu
é que sou
– como As meninas,
de Velázquez –
o reflexo
do reflexo
da visão?
 
 
 
EXPRESSÃO
 
 
(...) ainda estou aqui
olhando teu corpo nu.
 
O que vejo
é uma visão-de-ti
tão somente minha.
 
Construo tuas formas
expressas no tecido
da fábula
 
(percebendo e
       apropriando-me
               do percebido)
 
como quem destrói
incessantemente
suas certezas.
 
Teu corpo
ali, esparramado
(tomado de cofres
           e oferendas)
é, aos meus olhos,
nada mais que
uma ativa
e criativa
compreensão. 
 
Teu corpo
(geometria e ruptura)
é quem mais se omite
e quem mais comete
a invasão?