Cidadeverde.com

Carvalho Junior - Poemas

Carvalho Junior é a assinatura literária do professor/escritor, de Caxias-MA, Francisco de Assis Carvalho da Silva Junior, especialista em língua portuguesa, 30 anos, autor dos livros de poemas Mulheres de Carvalho (Café & Lápis, 2011), A Rua do Sol e da Lua (Scortecci, 2013) e Dança dos dísticos (Patuá, 2014). Vencedor do Troféu Nauro Machado de Poesia (2015) no I Festival Maranhense de Conto e Poesia promovido pela Universidade Estadual do Maranhão. Organiza o sarau Na Pele da Palavra. professorcarvalhojunior@gmail.com

 

 
O RIO E EU 
 
uma folha duma árvore qualquer 
dançava na corrente de águas, 
flutuávamos o rio e eu 
um no silêncio do outro,
até o instante em que mergulhamos 
num voo de segredos dos silvos 
dum pássaro de nome não revelado.

 

 

ABRIGOS

 

lá onde desdormem as borboletas hematófagas,

no buraco da fechadura dum castelo de marimbondos,

no sétimo sonho do menino sonâmbulo,
nos zigue-zagues das sombras das asas das libélulas,

na chúvida versilínea polissemia das nuvens,
na luz de lamparina dos lábios do relâmpago,

nos becos dos bicos de cores da boca do arco-íris,
nos cúrvidos assobios dos ventos,

no rastro do rabo de uma estrela cadente,
no piercing da orelha do livro em construção,

na oca do olho do coração do homem,
na casca do ovo e do coco dum santo do pau oco,

nos cândidos caminhos do umbigo da lua,
nas saliências das pernas de meu amor...

em todos esses lugares eu moro, desmoro,
corro, namoro, choro, morro e desmorono.

dos melhores abrigos, 
apartamento que divido
com um joão-de-barro.

 

 

CLARÃO

a fome – ave de rapina –
fita o que nos desalimenta,
cada farelo que nos consome:

os ásperos grãos

de pão,
de guerras,
de prêmios,
de dinheiro,
de poder...

caberia tudo
num só clarão de espanto ou
num bater de asas sovinas?

a fome, de modo inclemente,
mata com pílulas de culpa,
de exílios e silêncios cortantes!

um sonho de capa de jornal:
em fase de inapetência e autoflagelo,

a fome suicida-se,
com uma garfada,
no fundo da vasilha
em que jantava vazios.