Cidadeverde.com

Airton Souza - Poemas

AIRTON SOUZA é poeta, professor e nasceu em Marabá, no Pará. Possui uma intensa atividade voltada à promoção do livro e leitura, como realizações de saraus e encontros literários entre escritores e leitores, reconhecidamente um dos maiores ativistas culturais das regiões do Sul e Sudeste do Pará. Já venceu diversos prêmios literários importantes, entre eles, o III Prêmio Nacional de Literatura da UFES, promovido pela Universidade Federal do Espírito Santo, com o livro "Cortejo & outras Begônias" (2016). Tem 24 livros publicados e alguns inéditos.

 

***

por entre bandeiras e lençóis

já não basta a sentença

 

é necessário angustiar o cerne

reivindicar urgências

ainda que viver não valha explicações

 

por todas as horas

não serve a proeminência

para o hábito de morrer

 

é preciso revestir prelúdios

& a polissemia do medo

 

a cada absurdo

sepultar sem doutrina

os acontecimentos de ontem

 

parece que tudo são coisas

a embelezar a repatriada angústia.

 

 

***

para Franz Kafka

 

nas manhãs de convicções

embandeirava as retinas

revertidas de cóleras

para vitimar a cifra solidão

 

nesse aborrecido jardim simétrico

que abastece os homens com unanimidades

benzia a memória

& o milagre de não deixar os mortos morrerem de vez

 

assim

os sóis consumiam as idades

mas não calavam hectares

para isso é necessário um implantado ato

que inunde as palavras de protestos.

 

 

***

recolha teu massacre

como quem não deixa o enforcado

à beira do poço

& seu olhar enfurecido

mirando a vegetatividade do céu

 

os sublinhados sinos suicidas

tangenciam tua sina

de casas e quintais

a coligir a incongruência

maneira do drama

 

a caminho do nada

leva tua filosofia

ressalvas inoculadas que ressoam

injustos heróis.