Cidadeverde.com

Roubo de pedras da barragem do Bezerro agravou ameaça de rompimento

  • bezerro8.jpg Itamar Barros
  • bezerro7.jpg Itamar Barros
  • bezerro6.jpg Itamar Barros
  • bezerro5.jpg Itamar Barros
  • bezerro4.jpg Itamar Barros
  • bezerro2.jpg Itamar Barros
  • bezerro1.jpg Itamar Barros

O furto de pedras do paredão - barreira colocada para evitar a vazão das águas na barragem do Bezerro, na cidade de José de Freitas, agravou a ameaça de rompimento no local. Tanto os populares da região quanto o Ministério Público Estadual fazem a denúncia da retirada das pedras. 

Com as fortes chuvas e a barragem no limite máximo foi constatado fissuras no local com indícios de rompimento. Mais de 40 famílias foram retiradas do entorno da barragem às pressas de ontem para hoje. Uma força tarefa está no local para conter a vazão da água. A Defesa Civil e o Exército garantem que a barragem não rompeu e que adotam todas as providências para a saída da água sem afetar as regiões ribeirinhas. 

O promotor de Justiça Flávio Teixeira informa ao Cidadeverde.com na manhã desta segunda-feira (9) que há cerca de um mês o Ministério Público ajuizou uma ação civil devido a omissão do governo do Estado.

Segundo o promotor, a barragem nos últimos anos não passou por uma vistoria ou manutenção.

"Sempre foi necessário uma reparação urgente na barragem, tentamos amigavelmente, mas após promessas mal cumpridas ajuizamos ação civil pública", disse o promotor.

Sobre a retirada das pedras na barragem, o promotor disse que pode ser visto a olho nu.

"As pessoas da região relatam que as pedras foram furtadas durante a construção das residências do programa Minha Casa Minha Vida. Se fala em 100 carradas de pedras levadas. Não é possível que ninguém viu isso", desabafa o promotor.

Ele informou que vários órgãos são responsáveis pela barragem. O Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi) é responsável pela manutenção do paredão, as Secretarias Estadual e Municipal de Meio Ambiente pela área ambiental, a Emgerpi pelas terras e a prefeitura pelos barraqueiros. 

Segundo o promotor, várias pedidos foram feitas na ação civil pública (veja aqui as solicitações). 

 

Flash Yala Sena

yalasena@cidadeverde.com