Cidadeverde.com

Renato Berger nega retaliação de vereadores no caso da sabatina da Arsete

Foto: RobertaAline/CidadeVerde.com

O líder do prefeito de Teresina na Câmara de Vereadores, Renato Berger (PSD), negou que seja retaliação política, o fato do nome do indicado para presidência da Arsete não ter sido aprovado na Câmara de Teresina. O advogado Márcio Alan Cavalcante chegou a ser sabatinado, mas na hora da votação, não havia quorum suficiente. 

Renato Berger afirma que o episódio teria sido provocado, em parte, pela inexperiência de alguns vereadores. Segundo ele, alguns parlamentares não sabiam do tramite de uma sabatina e saíram do plenário antes do fim.  

“A maioria dos vereadores não sabia como funciona uma sabatina. Foi a primeira vez que se fez uma sabatina aqui na Casa. Foi mais um desconhecimento mesmo. Conversei com todos os vereadores e nós estávamos até conseguindo que eles retornassem, mas como já não estavam mais aqui, demoraram. E quando estavam chegando foi encerrada a sessão”, declarou. 

Segundo ele, não houve retaliação da parte da base descontente com a gestão. “Não foi retaliação, pois tenho um entendimento bom com Jeová. Se houvesse isso, certamente ele conversaria comigo. Algumas pessoas comentaram porque o Pessoinha esteve aqui, ele esteve porque veio conversar comigo e alguns vereadores sobre emenda para a Sejuv e também porque é amigo pessoal do doutor Allan”, disse.

Após o fim da sabatina, alguns vereadores chegaram a afirmar que a presença do advogado, João Duarte, o Pessoinha, incomodou alguns parlamentares. Renato Berger prefere dizer que não acredita nessa possibilidade.