Cidadeverde.com

Aliados e adversários de Firmino dizem ser cedo para falar de legado político

Foto: RobertaAline/CidadeVerde.com

O clima no cenário político da capital é de luto com a partida do ex-prefeito Firmino Filho. Na Câmara de Vereadores, aliados e adversários concordam em um ponto, que seria cedo discutir um herdeiro para o legado político do ex-prefeito.

Para o aliado e amigo Enzo Samuel (PDT), essa é uma discussão que não deve ser “forçada”. 

“É algo prematuro. Firmino será sem dúvida insubstituível. Firmino foi Firmino.  Lógico que do ponto de vista político o tempo vai dizer. Nada se força. Quem vai dizer é o povo. É prematuro. Nesse momento prefiro lembrar do prefeito Firmino Filho. Preferia tê-lo aqui do que discutir quem vai assumir seu legado. Para mim, perdi um amigo e um líder”, afirmou. 
Entre os adversários, o vereador Jeová Alencar avalia que será a cidade que irá decidir sobre o legado. 

“Firmino deixou um legado de trabalho, de obras, de homem que acordava cedo vestia a camisa da cidade e trabalhava. Fomos aliados e  adversários. Na última campanha fomos adversários. Sempre tivermos o respeito. Mas acredito que o prefeito deixa um legado de obras e trabalho. Quanto a questão política, a cidade vai escolher. Esse momento é mais de dor e sentimento de perda. A questão política é inoportuna. O mundo da política gira e vive de projetos e especulações. Mas nesse momento é mais de reflexões”, destacou

O vereador Valdemir Virgino diz que fica um vazio para o grupo político que era liderado por Firmino.

 “É muita tristeza. O povo de Teresina também sente. Não conseguimos entender como acontece algo dessa natureza. Para nós, é com muita tristeza que recebemos essa notícia. Teresina perde um grande líder. Mesmo a forma discreta, mas era uma pessoa que liderava. Teresina perde muito. Para o grupo político, fica esse vazio”, disse.