Cidadeverde.com

Acadêmicos piauienses apresentam protótipo que mensura fadiga muscular

  • grupo2.JPG Divulgação
  • grupo1.JPG Divulgação
  • gregorio.JPG Divulgação
  • gildario.JPG Divulgação
  • aparelho.JPG Divulgação

Pesquisa aplicada ao desenvolvimento de sistemas para a área da saúde, foi o foco apresentado nesta quarta-feira(03), no e-HEALTH innovation, encontro promovido pela Infoway, empresa piauiense especializada em sistema de gestão,  em parceria com a Universidade Federal do Piauí e Delta TICs (Pólo de Tecnologia em Parnaíba-PI).

Acadêmicos de Fisioterapia e Ciências de Computação, pesquisadores, o reitor da UFPI, Arimateia Lopez e o diretor do Campus Ministro Reis Velloso e membro do Lanf, Alexandre Marinho Oliveira,  participaram do evento que pretende fomentar a parceria pública e privada, entre as universidades e o setor empresarial do Estado.

Ney Paranaguá, Dr. em Ciência da Computação e anfitrião do evento, destacou a importância em apostar nas pesquisas feitas nas academias, pois o Piauí já tem vocação para a Tecnologia, principalmente quando se envolve os jovens talentos.

“A promoção desse encontro é antes de tudo fomentar nos nossos gestores e instituições esse compromisso de estarem mais próximos e acreditando nas pesquisas acadêmicas que dão certo. A Infoway acredita nessa parceria e se colocou à disposição desses estudantes e pesquisadores que descobriram uma forma de avaliar objetivamente a fadiga muscular. Resolvemos nos unir para mostrar que podemos fazer mais  quando investimos na pesquisa”, destacou o empresário.

Durante o encontro, foi apresentado o protótipo do aplicativo denominado de “Fadigômetro”, um aparelho criado para auxiliar dentro do seguimento da Fisioterapia, que vai mensurar de maneira mais objetiva e menos invasiva a fadiga muscular. O mentor do projeto, Gildario Dias Lima,  Dr. em Física e Coordenador do Lanf, explica a importância da academia, que tem o papel de fundamentar a metodologia de funcionamento do equipamento  através da pesquisa feita na universidade.

“Este protótipo tem uma grande importância pois consegue reunir a pesquisa acadêmica e a iniciativa privada, que pode tornar real nossas ideias estudadas e que proporcionam um benefício para a sociedade. Nossa intenção é fazer algo bem acessível, e isso só será possível com o apoio da Infoway que está colaborando com nosso polo de ensino. Quando se coloca o setor privado o projeto fica mais objetivo e beneficia a todos. Só assim conseguimos contagiar os estudantes com um espírito de resultado muito mais forte”, explica.

Gregório Magno, de 16 anos, é um dos jovens estudantes envolvido no desenvolvimento do aplicativo.  Aluno do curso de Desenvolvimento de Software do IFPI, ingressou na área da robótica com estímulo dos professores.

“Ao entrar nesse projeto, passei a praticar os ensinamentos passados em sala de aula e agora aplicá-los fora dela. Essa área requer muito estudo e pesquisa, o que me faz evoluir na carreira que eu escolhi e ainda favorece um aplicativo de grande utilidade para as pessoas”, disse Gregório.

Ainda em fase de aprimoramento, o Fadigômetro tem como objetivo verificar como o uso do acelerômetro pode ser viável para mensurar a fadiga muscular e mostrar sua superioridade quando comparado aos outros instrumentos até então utilizados. Espera-se que o acelerômetro mostre capacidade de avaliar objetivamente a fadiga muscular considerando aspectos mecânicos e calóricos e mostre superioridade sobre as escalas de análise do esforço subjetivo e recursos de alto custo como a eletromiografia e eletroencefalografia.