Cidadeverde.com

Zagueiro do River, Felipe Barros alterna treinos e violão no isolamento: "vamos voltar mais fortes"

Fotos: Divulgação/AV Assessoria de Imprensa

Enquanto o Campeonato Piauiense e a Copa do Nordeste seguem sem data certa para recomeçarem, os jogadores do River ficam em casa, seguindo as orientações do clube para se manterem em forma e tomando precauções para evitar o contágio pelo novo coronavírus. 

O zagueiro Felipe Barros tem feito mais que isso. Nesses dias de isolamento, ao lado da esposa e da filha, o jogador passa o tempo tocando violão. 

- Eu gosto muito de tocar músicas gospel, esse é o meu estilo. Sempre que dá, levo o violão para as concentrações e faço um som com o pessoal. Eles curtem bastante, então acho que fui aprovado (risos).

Se foi aprovado ou não pelos colegas, cabe a eles dizer. O leitor do Cidadeverde.com também pode fazer sua avaliação com base no vídeo abaixo. 

Felipe Barros tem 25 anos, é pernambucano, mas permanece em Teresina com a família. Jogador que passou pela base do São Paulo, o zagueiro já atuou em clubes do Japão e Portugal, países que sofreram com o avanço do novo coronavírus antes do Brasil. A experiência no exterior tem o ajudado a atravessar esse momento, em especial o aprendizado no país asiático.

- Quando cheguei no Japão, vi um povo super disciplinado e respeitador, eles são muito acolhedores. Neste momento difícil, lembro do respeito e da importância de pensamos no outro, coisas fundamentais na cultura milenar do Japão. Passei um ano e meio lá e cresci como pessoa e como profissional porque muitos me ajudaram. Agora, é o momento de pensarmos no próximo e respeitarmos as recomendações.

Se a hora agora é de se cuidar e seguir as orientações dos especialistas em saúde, o que virá depois ainda é incerto. Não há data para que eventos esportivos voltem a ser disputados. Mas Felipe Barros espera que o futebol sirva para amenizar os problemas vividos hoje - de preferência, com o River jogando bem melhor que antes da suspensão das competições. 

- Com tudo no lugar, tenho certeza que vamos voltar mais fortes. Depois da quarentena, espero que o River retorne para as suas atividades e campeonatos da melhor maneira possível. Não sei como as coisas vão ser organizadas, mas sei que a melhor escolha vai ser tomada para nenhum clube sair prejudicado. Depois de tanta tristeza, desejo que o futebol volte a promover espetáculos de novo. A gente vai fazer de tudo para dar muitas alegrias à torcida do River.

Sarah Menezes e Ketleyn Quadros fazem treino ao vivo e mantêm foco nos Jogos de Tóquio

Reprodução/Instagram

Os judocas que integram a seleção brasileira aderiram aos treinos ao vivo pela internet. Na manhã desta quarta-feira (8), foi a vez das duas primeiras medalhistas olímpicas do país se exercitarem em transmissão feita pelo Instagram, incentivando seus amigos e fãs a treinarem em casa. 

Ketleyn Quadros, bronze em Pequim 2008, comandou a atividade enquanto Sarah Menezes, ouro em Londres 2012, seguia as orientações em Teresina (PI). A transmissão chegou a ter mais de 250 espectadores simultâneos. 

As duas judocas mostraram as medalhas olímpicas conquistadas por elas. Atleta do Flamengo (RJ), Sarah Menezes brincou que a sua está "velhinha". Ela e Ketleyn Quadros, que treina na Sogipa (RS), seguem na disputa para participarem dos Jogos de Tóquio, em 2021. 

Foi a terceira transmissão organizada pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ) como incentivo aos treinos durante o isolamento social, medida adotada para conter a propagação do novo coronavírus - os vídeos ficam disponíveis no perfil da CBJ no Instagram por 24 horas

O treino foi focado em movimentos específicos da modalidade, para que judocas possam se manter ativos mesmo sem ter com quem simular os movimentos.

Ketleyn Quadros ressaltou a importância do treino e também da união dos que fazem o judô. 

- Acho que a gente está em um momento complicado, de adaptação e de reflexão. E nada melhor do que a gente se unir.

Sarah Menezes passou boa parte do treino com frases de incentivo aos seguidores. 

- Alguém de vocês que está assistindo quer ser medalhista olímpico? Comecem de ontem esse treino. (...) É manter sempre esse ritmo, objetivo, perseverança e persistência.

As mensagens movitacionais da campeã olímpica eram alternadas com demonstrações de que o treino foi puxado. Sarah Menezes repetia frases como "amanhã eu nem ando", "doeu minha alma" ou "vou perder um quilo nessa brincadeira".

Clubes sem divisão seguem sem dinheiro e pedem ajuda da CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou ajuda financeira para 27 federações e aos clubes das Série C e D do Brasileirão masculino e das duas divisões do Brasileirão feminino. 

Mas outros 139 clubes sem divisão seguem sem dinheiro e com campeonatos estaduais parados. 

Esses clubes haviam enviado uma carta para a CBF na semana passada. Com o anúncio da ajuda aos times do Brasileirão, eles divulgaram uma nova carta, reforçando o pedido de ajuda financeira.

Veja a carta na íntegra

São 175 clubes, inclusive Altos e River, já contemplados com R$ 120 mil no auxílio anunciado pela confederação. 

Os presidentes de clubes primeiro alegam risco de judicialização caso os campeonatos estaduais não sejam concluídos - é preciso definir indicados para a Série D e Copa do Brasil de 2021, e os estaduais são torneios seletivos. 

Em seguida, os dirigentes reforçam pedido de auxílio financeiro. Seriam R$ 75 mil por três meses, mais de R$ 30 milhões. 

Dinheiro a gente sabe que a CBF tem. A entidade alcançou quase R$ 1 bilhão de arrecadação em 2019. 

Porém, para federações e clubes de divisões menores do Brasileirão, a CBF destinou R$ 19 milhões. Será se vai tirar do bolso mais do que isso para ajudar os times sem divisão? - se ajudar. 

A CBF tem dinheiro para ajudar e pode fazer isso. E não é por caridade. É para cuidar do produto chamado futebol brasileiro.

É o argumento que defendo no comentário desta quarta-feira (8) no Cidade Esportiva:

Mãe do presidente da FFP morre aos 100 anos de idade; clubes manifestam pesar

Foto: Yasmim Cunha/Arquivo/Cidadeverde.com

Robert Brown, presidente da FFP

Faleceu, na tarde de segunda-feira (6), Francisca Isabel dos Santos, mãe do presidente da Federação de Futebol do Piauí (FFP), Robert Brown Carcará. 

Dona Francisca Isabel tinha 100 anos de idade e faria aniversário nesta terça-feira (7). Seu corpo foi sepultado às 8h da manhã, no cemitério São Judas Tadeu, em Teresina (PI). 

Clubes do Campeonato Piauiense, como Altos, Parnahyba e River, manifestaram pesar através de suas redes sociais. 

A FFP divulgou nota de pesar em nome de seus colaboradores. A entidade está com suas atividade suspensas desde o dia 19 de março, depois que eventos esportivos foram suspensos para conter o avanço do novo coronavírus no Piauí. 

Presidentes de Parnahyba e Picos se afastam para disputar eleições municipais

Fotos: Fábio Lima/Cidadeverde.com

O prazo para desincompatibilização imposto pela legislação eleitoral aos que pretendem disputar as eleições municipais de 2020 provocou baixas nas diretorias de três clubes do futebol piauiense.

Além do River, que não terá Genivaldo Campelo pelos próximos seis meses, Parnahyba Sport Club e Sociedade Esportiva de Picos também terão novos presidentes temporários. 

Os dirigentes precisavam se afastar seis meses antes das eleições, previstas para outubro deste ano, para concorrerem ao cargo de vereador - prazo que acabou no último fim de semana. Depois do pleito, eles podem reassumir as funções nos clubes. 

Parnahyba perde presidente e vice
No Parnahyba Sport Club, pediram afastamento o presidente, Batista Filho, que tentará novamente uma vaga de vereador em Parnaíba pelo partido Solidariedade, e a vice-presidente, Socorro Rocha, que disputará as eleições em Água Doce (MA). 

João Medeiros, presidente do conselho deliberativo do Parnahyba, é quem deve assumir o comando do clube pelos próximos seis meses. 


Rodrigo Lima se afastou da presidência da SEP

Picos vai definir novo presidente
O presidente da Socidade Esportiva de Picos (SEP), Rodrigo Lima, pediu afastamento da diretoria por seis meses. Filiado ao MDB, o dirigente pretende disputar as eleições em Picos. 

O substituto na presidência do Zangão ainda será definido. Em contato com o Cidadeverde.com, Rodrigo Lima informou que o clube irá reunir a diretoria, seguindo todos os protocolor, e escolher o nome em comum acordo. 

Após as eleições, Rodrigo Lima retornará para a presidência da SEP - seu mandato no clube vai até julho de 2021. 

Sem mudanças
Procuradas pelo Cidadeverde.com, as diretorias de Flamengo, Piauí, Timon, Altos e 4 de Julho, outros clubes do Campeonato Piauiense, informaram que não tiveram mudanças no comando dos clubes por conta das eleições municipais. 

Tóquio 2020: adiamento renova chances de piauienses por convocação no futebol feminino

Foto: MoWa Press

No início de 2020, a técnica Pia Sundhage (foto) parecia já ter definido a base do grupo que ela pretendia levar para os Jogos Olímpicos de Tóquio. 

Mas isso valia antes da pandemia do novo coronavírus, que forçou o adiamento do evento para julho 2021. 

Quando a bola voltar a rolar nas competições pelo mundo, muitas jogadoras vão tentar mostrar que merecem vaga na seleção brasileira. E o Piauí tem pelo menos cinco nomes com potencial para sonhar com essa oportunidade.  

Adriana (Corinthians), Valéria (Madrid-ESP), Júlia Beatriz (RB Bragantino), Maria (Juventus-ITA) e Neném (Red Angels-KOR) são piauienses, e todas com passagens pela seleção principal ou seleções de base. Nenhuma estava na última convocação feita por Pia Sundhage, em fevereiro. 

O jogo virou. E quando a pandemia passar, elas estarão prontas para mostrar seu valor e buscar uma vaga na seleção feminina. 

Na edição do Cidade Esportiva desta terça-feira (7), você ouve a palavra da atacante Valéria, que aprovou o adiamento dos Jogos de Tóquio. 

CBF anuncia ajuda financeira para Altos, River, Tiradentes e FFP

Fotos: Lucas Figueiredo/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou, nesta segunda-feira (6), a destinação de R$ 19 milhões para ajuda financeira, a fundo perdido, para 140 clubes e as federações filiadas. O pagamento começa nesta terça-feira (7). 

No Piauí, a medida irá beneficiar Altos e River, equipes classificadas para a Série D do Campeonato Brasileiro masculino, e Tiradentes, que disputa a Série A2 do Brasileirão Feminino, além da Federação de Futebol do Piauí (FFP). 

O recurso será dividido entre 140 clubes - Série C masculina e Série A1 feminina também estão inclusos. 

Os valores a serem repassados correspondem a duas vezes a média da folha salarial de cada divisão. 

No caso de Altos e River, clubes da Série D, o valor será de R$ 120 mil. 

Para o Tiradentes e demais clubes da Série A2 do Brasileirão Feminino, o repasse será de R$ 50 mil. 

A FFP e demais federações irão receber R$ 120 mil. 

Os times da primeira divisão nacional do futebol feminino terão auxílio de R$ 120 mil. As equipes da Série C masculina terão o maior repasse desse pacote: R$ 200 mil. 

Na semana passada, a CBF havia anunciado a isenção de taxas de registro e transferência de jogadores. A entidade estima que a medida gere economia de R$ 4 milhões aos cluebs brasileiros em três meses. 

A ajuda veio após cobranças de dirigentes e jogadores de clubes das divisões inferiores do futebol nacional. Com os torneios suspensos por conta da pandemia do novo coronavírus, times estão sem treinar, mas com folha de pagamento para pagar. 

Genivaldo Campelo pede afastamento do River; Júlio Arcoverde assume presidência

Foto: Yasmin Cunha/Cidadeverde.com

O presidente do River Atlético Clube, Genivaldo Campelo, pediu afastamento do cargo, no último sábado (4).

A saída é temporária por conta da legislação eleitoral. O empresário pretende disputar uma vaga na Câmara Municipal de Teresina, nas eleições previstas para outubro, e precisava se licenciar da diretoria do clube. 

Filiado ao PT, Genivaldo Campelo disputou a eleição para prefeito de Francinópolis, em 2012, e terminou na terceira posição. Em 2016, foi eleito como vice-prefeito na chapa encabeçada por Paulo César (PSB). 

Durante o afastamento de Genivaldo Campelo, o deputado estadual Júlio Arcoverde (Progressistas), vice-presidente do River, assume o comando do Galo. 

Genivaldo Campelo retorna ao River após as eleições de outubro. Seu mandato no clube termina em novembro de 2020. 

Em entrevistas antes da paralisação do Campeonato Piauiense, o dirigente havia admitido a possibilidade de antecipar eleições para que um novo presidente pudesse preparar o time para 2021.

Veja a nota divulgada pelo River:

Nota Oficial - Genivaldo Campelo pede afastamento do cargo de presidente do River

O River Atletico Clube, através de sua diretoria e do seu conselho deliberativo, informa que o presidente Genivaldo Campelo da Silva, eleito em novembro de 2017, pediu afastamento temporário do cargo no último sábado, 4 de abril.

O afastamento solicitado do presidente se dará pelo período de 4 de abril a 5 de outubro. 

De acordo com as diretrizes estatutárias do clube, o vice-presidente Júlio Arcoverde assumirá a presidência.

O que esperar de notícias do esporte em abril?

Foto: Alex Ferro/CA2019

Um mês sem eventos esportivos no Brasil e em quase todo o mundo. Mas o noticiário esportivo não vai parar.

Definições sobre o futuro de eventos devem acontecer nas próximas semanas, especialmente nos esportes olímpicos. Após a confirmação de que os Jogos de Tóquio começarão em 23 de julho de 2021, outras modalidades devem reorganizar seus calendários, e podemos ter novidades em breve. 

No futebol brasileiro, clubes pequenos devem pressionar a CBF por ajuda financeira. Não temos jogos, nem bilheteria e até mesmo os poucos patrocínios começam a sumir. Falta grana para pagar os salários, e ainda não foi apresentada solução para isso. 

Mas uma pergunta vai permanecer: quando o esporte vai voltar? Em abril, não será. Em maio, estou certo de que também não. 

As minhas projeções do que está por vir você pode ouvir no Cidade Esportiva desta segunda-feira (6). O quadro da Rádio Cidade Verde está disponível aqui no blog e também em podcast, enquanto a programação da emissora segue voltada para a prestação de serviços durante a pandemia do novo coronavírus.

 

Sem jogos para trabalhar, árbitros do Piauí vão receber auxílio financeiro

Foto: Victor Costa/River A.C.

 

Árbitros, assistentes e analistas do Piauí que fazem parte do quadro de arbitragem nacional receberão auxílio financeiro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Além dessa ajuda, anunciada na última quarta-feira (1º), eles aguardam o pagamento de parte das taxas referentes ao Campeonato Piauiense, previsto para esta semana. 

José Steifel, presidente da Comissão Estadual de Arbitragem de Futebol (CEAF-PI), informou ao Cidadeverde.com que cerca de 15 integrantes do quadro nacional devem ser beneficiados com a medida da CBF. 

A Confederação afirmou que pagará uma antecipação da taxa de arbitragem, calculada com base no maior valor pago para a categoria do árbitro - quem trabalha em jogos da Série A recebe mais que os árbitros das Série C e D, por exemplo. Orientações de atividades físicas, auxílio psicológico e aulas em videoconferência também serão oferecidos pela CBF. 

Antonio Dib Moraes de Sousa e Diego da Silva Castro, árbitros de categoria AB, estão os que deverão receber o benefício da CBF no Piauí. 

Do Campeonato Piauiense, os árbitros esperam o depósito de 70% dos valores de taxas das partidas deste ano. José Steifel afirmou ao Cidadeverde.com que o pagamento ficou acertado com a Federação de Futebol do Piauí (FFP) e deve ser feito até sexta-feira (3). 

Dos cerca de 50 integrantes do sindicato dos árbitros, Steifel estima que 35 estavam ativos no Piauí antes da pandemia do novo coronavírus atingir o calendário do futebol brasileiro.  

A FFP suspenseu o Campeonato Piauiense no dia 17 de março. Com decreto suspendendo eventos esportivos até 30 de abril em todo o estado, não há previsão de quando o torneio possa ser retomado e outras competições iniciadas. 

A própria comissão de arbitragem tinha um curso para formação de novos árbitros programado para abril, com alunos inscritos, mas a realização do evento está suspensa. 

Não regulamentada, a profissão de árbitro é atividade amadora no Brasil. Na maioria dos casos, os árbitros têm outra profissão para garantir seu sustento. 

Para José Steifel, no momento, essa situação acaba minimizando problemas financeiros que a categoria possa ter durante a pandemia. 

- Eu, particularmente, sempre incentivei os árbitros a terem um curso superior e fazerem um concurso e ter um emprego próprio. (...) A maioria dos nossos árbitros tem emprego. São professores, policiais militares, alguns trabalham em empresas privadas. Se fosse viver só de arbitragem...

Posts anteriores