Cidadeverde.com

Piauiense 2020, capítulo 01: palhaçada em Altos, Fla se supera, Picos se dá bem...

Foto: Luís Júnior/A.A.Altos - Arte: OpenClipart

Nossa cultura proporcionou que uma mesma palavra do nosso idioma possa significar elogio ou até mesmo uma ofensa. Basta mudar o contexto da frase. 

Palhaço, por exemplo. Em alusão ao artista que nos faz rir no circo, chamo de palhaços meus amigos mais engraçados, os gaiatos

Não sei em qual momento da história brasileira palhaço também virou ofensa, ou sinônimo de algo inaceitável.

É uma palhaçada a fila ser furada por um gaiato (olha eu invertendo o sentido de outro adjetivo), ou a corrupção no Brasil, o aumento do preço do tomate, a atuação do meu time, a arbitragem de um jogo de futebol... 

No domingo (19), na estreia do time na Série A do Campeonato Piauiense, fora de casa, o Esporte Clube Timon teve três jogadores expulsos e outros dois deixaram o campo alegando não terem condições de continuar: jogo encerrado aos 34 minutos do segundo tempo com vitória do Altos por 2 a 1.

Palhaçada. Foi o que ouvimos da boca do presidente do Esporte Clube Timon, Leal Filho, depois do jogo. 

Leal chamou o árbitro Diego Castro de "palhaço" pelo trabalho que fez. Disse que a atuação do apitador foi uma "palhaçada". 

Palhaçada. Foi o que ouvimos da boca do presidente do Esporte Clube Timon, Leal Filho, que jamais poderia mandar seu time sair de campo. 

Não vi o jogo, mas vi o pé do Dênis, atacante do Timon, que foi embora de ambulância após uma falta pela qual Alex Mineiro levou apenas cartão amarelo. Essa me parece uma queixa bem razoável - o clube tem outras mais. 

Reprodução/Instagram

Corte no pé de Dênis, que resultou em cartão amarelo

Mas nada que justifique dar ordem para que jogadores não seguissem na partida.

Alguns podem até argumentar que o dirigente, ao admitir a ordem, pelo menos foi sincero - alegação da moda para erros cometidos no Brasil, mas que não apaga erro algum. Não se resolve um erro com outro. 

A Águia, que se denomina como "Soberana", poderosa, precisa adotar outra postura para fazer jus ao adjetivo, por mais que injustiças possam acontecer. Do contrário, vai apenas ajudar para que o Campeonato Piauiense seja uma... palhaçada.  

*

Foto: Fábio Lima/Cidadeverde.com

Flamengo larga bem
Se há um time que eu temia ver caíndo pelas tabelas no Campeonato Piauiense era o Flamengo. 

O rubro-negro foi o primeiro a anunciar treinador, com meses de antecedência, mas foi um dos últimos a apresentar jogadores. Teve pouco tempo de treino, mas parece ter sido o suficiente para a estreia. Vitória do Leão por 2 a 0 sobre o Parnahyba, com "lei do ex" em dose dupla: presença de Paulo Moroni, ex-treinador do Tubarão, no comando do time, e gol de Marcos Gasolina (foto) em homenagem ao filho Marcos Samuel, de apenas 2 anos de idade. "Fiz o M para ele", contou após o feito. 

Bom também o início de campeonato para Wallace Lemos no Parnahyba, que teve mais chances de gol que o Flamengo, mas pecou nas finalizações. Os dois times vão dar trabalho. Resta saber se terão elenco para dar conta de 14 rodadas - o Fla jogou com cinco nomes no banco de reservas. 

* *

Picos venceu o time a ser batido
O 2 a 1 do Zangão contra o River, na sexta-feira (17), foi um resultado daqueles que a gente pode usar na última rodada para analisar o que pesou na classificação. 

Não se engane quem pensa que a derrota é motivo para uma crise no tricolor. O Galo tem elenco para 14 rodadas, titulares e banco de reservas. O torneio é longo e isso pode ser crucial na corrida pelo título - apesar do número de torneios que o tricolor terá de disputar. 

Lá na frente, Picos talvez comemore ter vencido um time que poucos conseguiram vencer. Ou não. 

* * * 

Fair play no time dos outros... 
No empate em 1 a 1 entre Piauí e 4 de Julho, no sábado (18), os dois gols surgiram após o jogo seguir com atletas caídos em campo. 

Nas entrevistas após a partida, o Piauí, demonstrando satisfação com o empate, sequer lembrou do Pitombeira deitado na lateral direita quando o 4 de Julho conseguiu o pênalti, convertido por Ted Love. 

Mas tanto Ted Love como o treinador Emanoel Sacramento lamentaram falta de fair play do Piauí no gol de empate, marcado enquanto o lateral esquerdo do Colorado, Diguinho, havia desabado no gramado. 

Quando perguntei do fair play por parte do 4 de Julho, Sacramento disse não ter visto o lance de Pitombeira. 

Foto: Fábio Lima/Cidadeverde.com

"Eu não estou reclamando do fair play. Estou fazendo uma observação. (...) Ele (fair play) não está na regra. É o bom senso que tem de se usar. Se nós não usamos, eu não observei. Eles também não usaram? Vamos fazer o quê? Tá 1 a 1, não vai mudar nada". 

* * * * 

Cada um viu a primeira rodada do Campeonato Piauiense de 2020 de um jeito. Este foi o meu. Até a próxima.