Cidadeverde.com

Entrevista: após ganhar vaga no Pan, reserva de Sarah Menezes sonha com Rio 2016

  • nathalia05.jpg Foto: Orlando Bento
  • nathalia04.jpg Medalha de Prata no Grand Prix da Turquia, onde Sarah ficou com o quinto lugar
    Foto: IJF Media by Zahonyi
  • nathalia03.jpg Foto: Orlando Bento
  • nathalia02.jpg Foto: Orlando Bento
  • nathalia01.jpg Foto: Daniel Zappe/MPIX

Na terça-feira (23), a seleção brasileira se apresentou em Mangaratiba (RJ), região da costa verde fluminense, para se concentrar antes dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá. De todos os titulares, só a piauiense Sarah Menezes não estará presente no torneio em julho. 

A explicação da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) foi que Sarah, em razão dos resultados irregulares nas últimas competições, precisa priorizar os treinamentos para o Mundial 2015, que será no mês de agosto em Astana, Cazaquistão. 

A vaga em aberto na categoria até 48 quilos foi preenchida por Nathália Brígida, paulista de Atibaia, 22 anos, atleta do Minas Tênis (MG). Apesar dos 1.101 pontos de diferença para a campeã olímpica no ranking mundial (3ª contra 27ª posição), a judoca virou alvo da imprensa porque conseguiu ocupar um espaço vago desde 2013. Dois anos depois de Taciana Lima trocar o Brasil por Guiné-Bissau, Sarah Menezes pode estar ganhando uma rival em casa - o que é ótimo se levado em conta o fortalecimento da categoria.

Além disso, o crescimento da paulista coincidiu com a queda nos resultados da piauiense. Isso ficou evidente em março, no Grand Prix da Turquia, quando Sarah Menezes teve de se contentar com o quinto lugar, enquanto Nathália Brígida levou a prata - a terceira de quatro medalhas internacionais da judoca em 2015. 

Nathália Brígida não se contenta com a reserva na seleção, mas aguardou pacientemente pela chance. No Pan, vai buscar o ouro com todas as forças. Mais vai além: seu sonho é a Olimpíada do Rio de Janeiro, em 2016. Se muita gente dá como certa a vaga de Sarah Menezes nos Jogos do ano que vem, a nova rival garante que vai lutar pelo contrário. E o Pan será o ponto de partida.  

Antes de se concentrar com a seleção em Mangaratiba, Nathália Brídiga falou ao Cidadeverde.com. Afinal, o torcedor piauiense também quer conhecer a nova revelação do judô brasileiro. O blog Na Esportiva deseja sorte para a judoca - menos quando Sarah Menezes estiver na disputa. 

Daniel Zappe / MPIX

 


1) Como você recebeu a convocação para o Pan no lugar da Sarah Menezes? Foi uma surpresa ou já sonhava com isso?
Nathália Brígida - Eu tinha esperança de uma convocação. Sabia que a Sarah estava na minha frente na questão do ranking, mas eu havia conquistado bons resultados em competições neste ano, então ainda tinha expectativa. A convocação foi uma notícia muito boa. 
 
2) Essa convocação abriu uma nova etapa na sua carreira. Como você tem encarado esse momento?
NB - Poder lutar o Jogos Pan-americanos será uma experiência única, e um grande passo na minha carreira. Tenho isso como meu objetivo principal para o momento. Então estou treinando e me preparando com foco total nessa competição que poderá abrir outras portas no futuro. 
 
3) A comparação com Sarah Menezes deve ser frequente e talvez você já esteja cansada de ouvir perguntas sobre como é substituí-la. Isso incomoda?
NB - Isso não me incomoda, até porque a Sarah é uma excelente atleta, mas eu não penso que estou indo para o Jogos com a responsabilidade de substituir uma campeã olímpica. Penso que vou porque estou preparada e, também, buscando meu espaço na categoria. Não sinto pressão nenhuma com isso. 
 
4) Você participa de muitos treinos e competições ao lado da Sarah ao longo do ano. Como é o relacionamento de vocês?
NB - Temos um relacionamento muito bom. Admiro a Sarah pela atleta que ela é e tudo que já conquistou. Quando estamos juntas em treinamentos e competições, eu tento contribuir com o que posso, e ela da mesma maneira.
 
5) No ranking mundial ainda há uma diferença razoável entre você e a Sarah, sem falar que ela ainda é a atual campeã olímpica. Mesmo com isso pesando a favor dela, você acredita que pode brigar pela vaga em Rio 2016?
NB - Eu acredito e estou buscando a vaga para os Jogos Olímpicos. As vagas de cada categoria ainda não estão definidas, e a partir de agora, há menos de um ano da competição, cada resultado é muito importante. Venho em ascensão na minha carreira, então vejo possibilidade de estar no Rio de Janeiro no ano que vem.