Cidadeverde.com

Flamengo 2x0 Parnahyba - E o Tubarão mais uma vez faz festa na capital

  • fla-phb40.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb39.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb38.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb37.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb31.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb30.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb29.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb28.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb27.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb26.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb25.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb19.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb18.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb16.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb15.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb14.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb13.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb6.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb5.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb4.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb3.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb2.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde
  • fla-phb1.jpg Foto: Fábio Lima/Cidade Verde


Batista e Tiago Vasconcelos subiram juntos as escadas das cabines do estádio Albertão. Alguém sugeriu que os presidentes poderiam ver a partida juntos. Mas outra voz, em tom bem humorado, disse que era melhor não. Parnahyba seguiu para a esquerda. O Flamengo foi para a direita do estádio Albertão. 

Era decisão de campeonato. O momento, por mais respeito que exista entre os clubes, não permitia tanta cordialidade. Essa ficou para depois do apito final. 

Fora de campo, tirando a empolgação dos pouco mais de 200 torcedores, o clima não era muito de decisão. A ambulância chegou atrasadam com o primeiro tempo em andamento. E o Flamengo, que precisava vencer por três gols de diferença para ficar com o título da Copa Piauí, não assustou nos primeiros 45 minutos. 

O apito trilou anunciando a volta do intervalo, mas quem veio foi a chuva, vacilante, um chuvisco que não decidia muito bem o que queria. Serviu para acordar o time rubro-negro. 

O Flamengo precisava marcar um gol a cada 15 minutos. Abriu o placar aos 16. Ampliou aos 31. Estava na média. 

O técnico Dias Pereira transformou Tony quase num "goleiro linha", comum em equipes com resultados adversos no futsal. Funcionou. Mesmo com o gol vazio, o Flamengo só correu risco de tomar o revés uma vez. 

Com o chuvisco, chuva, ventania, Paulo Moroni já temia as jogadas aéreas. Tony saia do gol, vinha até o grande círculo só para cobrar uma falta. Foi assim, inclusive, que saiu o segundo gol rubro-negro. 

Contudo, ficou nisso. Deu a lógica, mas não foi tão fácil como se poderia pensar. Parnahyba e Flamengo terminaram empatados com 10 pontos cada. O Tubarão ficou com saldo positivo de três gols. O saldo do Flamengo foi de dois. Faltou um gol para o título, que seria o primeiro da gestão Tiago Vasconcelos. Mas veio o primeiro do Parnahyba na competição. Conquista merecida para um clube que, não canso de dizer, faz parte da história do futebol brasileiro e precisa estar sempre entre os grandes do futebol piauiense.  

Por sinal, dois anos depois de conquistar o campeonato piauiense em cima do River em Teresina, o Parnahyba novamente desceu a BR-343 e faturou outra taça na capital. 

A Copa Piauí termina com queixas do baixo nível técnico, talvez provocado pelo torneio ter sido voltado para a categoria sub-23 e com apenas um mês de duração. Mas é preciso lembrar a importância da competição para manter os clubes ativos, o que mantém a rivalidade e jogadores empregados. Tomara que em 2016 não tenhamos desistências e possamos contar com um torneio de seis equipes, que já seria mais competitivo e ocuparia mais datas no calendário do futebol piauiense.