Cidadeverde.com

Elizeu a guiar o River

  • galo12.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo11.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo10.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo09.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo08.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo07.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo06.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo05.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo04.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo03.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo02.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde
  • galo01.jpg Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

A imagem do presidente Elizeu Aguiar sobreviveu a uma condenação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva, que o proibiu de representar o River oficialmente até o fim do ano sob acusação de oferecimento de "mala branca", ainda na Série D do ano passado. E parece que passou agora o dirigente por mais uma prova de fogo. 

O atraso de três meses de salários também poderia tornar o presidente alvo de questionamentos. Mas por mais que a situação arranhe a imagem de qualquer dirigente, Elizeu Aguiar parece inatingível nesse aspecto. 

A fama do River nos últimos anos é de bom pagador e com dívidas do passado quitadas. Talvez isso tenha deixado torcedores incrédulos ao invés de inconformados. No lugar de apontá-lo como um irresponsável, surgiram interrogações: como na gestão de Elizeu isso pode acontecer?

Elizeu pagou para ver. Ou melhor, pagou o dinheiro até onde deu, correndo o risco de agora pagar o pato. Botou na cabeça que 2015 era o ano do River, o ano do acesso, e manteve o grupo comandado por Flávio Araújo. As contratações inflacionaram o mercado local. E as contas começaram a pesar.

Na primeira greve dos jogadores, em setembro, outros dirigentes foram escalados para falar e a situação não foi resolvida. Agora o próprio presidente licenciado foi para a linha de frente, encarar jogadores e imprensa.

De bolsos vazios, a única coisa que Elizeu tinha era a sinceridade. Mostrou que está empenhado em conseguir recursos, mas que precisa mesmo é de ajuda. E tentou convencer os jogadores de que o momento é importante para eles, para o clube, para o futebol piauiense e para a autoestima de todo o estado.

Ontem (9), no último treino no Albertão antes do jogo de segunda-feira (12) com o Lajeadense (RS), Elizeu voltou a aparecer. Conversou mais uma vez com os jogadores. O time o respeita. Até mesmo os de fora do Piauí já incorporaram o discurso do "feito histórico" que o River pode conseguir. 

Não é uma redoma. Elizeu Aguiar não é inatingível. A essa altura do campeonato, deve estar cansado, abatido, estressado, só as tiras. Só não foi abalada a sua imagem. A torcida reconhece o esforço do dirigente a guiar o River no caminho da Série C. A única coisa que ele espera em reconhecimento é um estádio lotado no dia 12, para pagar mais uma folha de pagamento dos atletas.