Cidadeverde.com

No Piauí, ministro promete desvio de até 500km para levar tocha olímpica a São Raimundo Nonato

Foto: Thiago Amaral/Cidade Verde

George Hilton discute a logística da passagem da tocha olímpica com gestores do Piauí

Durante reunião em Teresina (PI) na noite da última quinta-feira (15), o ministro do esporte, George Hilton, anunciou que o percurso original da tocha olímpica no Brasil sofrerá uma alteração no Piauí para contemplar a cidade de São Raimundo Nonato. Segundo o gestor, a mudança será feita com aval da presidente Dilma Rousseff, após pedidos. 

A promessa, se confirmada, é fenomenal para o município do Sul do Piauí. A passagem da tocha olímpica atrairia a atenção para as pinturas rupestres e achados pré-históricos da região, que aguarda voos regulares em seu novo aeroporto internacional para alavancar o turismo. Vale lembrar que das referências internacionais piauienses, o Parque Serra da Capivara talvez seja a principal delas, mesmo com o constante e iminente risco de fechamento. 

De acorco com George Hilton, a presidente pediu para que fosse resolvida a logística para que São Raimundo Nonato seja contemplada. E isso deverá dar uma dor de cabeça para os organizadores do evento. De Teresina para o "berço do homem americano" são 517 quilômetros por terra, em 7 horas de viagem. 

A cidade mais próxima de São Raimundo Nonato no roteiro é Petrolina (PE), que dista 300 quilômetros do município piauiense. É praticamente a mesma distância que a tocha deve percorrer no dia 10 de junho de 2016 para sair de Parnaíba a Teresina, passando por Piracuruca, Piripiri, Campo Maior e Altos. E aumentar um dia de viagem é algo que certamente não está nos planos dos organizadores. 

Qual será a solução? Ampliar o percurso por terra, passando por mais cidades do Piauí e/ou Pernambuco? Fazer um desvio de avião? Talvez o mais simples seja seguir de avião de Teresina para São Raimundo Nonato, e no dia seguinte embarcar para Imperatriz (MA) e Palmas (TO), seguindo o roteiro previsto originalmente... Fica a sugestão. 

Mas não vou mentir: ainda estou com um pé atrás com essa história.