Cidadeverde.com

No STJD, River se livra de punição e aguarda segundo julgamento

O River Atlético Clube escapou da punição de perda do mando de campo. Melhor: escapou de qualquer punição. 

Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

O clube foi julgado pela 4ª Comissão Disciplinar do STJD por conta de rojões lançados para o alto e um laser apontado para o rosto do goleiro do Lajeadense. O relator do processo foi o doutor Marcelo Coelho. 

A decisão foi unânime. E o River, que corria o risco de perder mando de campo e sofrer multa pelos problemas no jogo das quartas-de-final, no dia 12 de outubro, saiu livre do Tribunal. O advogado Isaac Chaficks defendeu o clube no caso.
 
Independente do resultado do julgamento, o River já tinha garantia de que a final da Série D, marcada para 14 de novembro, será no estádio Albertão, em Teresina. O regulamento geral de competições da CBF prevê um prazo de 10 dias para que punições de perda do mando de campo sejam cumpridas, o que leva o Galo a pagar as penas somente em 2016.

A saga nos tribunais, no entanto, ainda não terminou. 

O STJD já marcou para segunda-feira (9) o próximo julgamento do River, dessa vez pelos incidentes nas semifinais com o Ypiranga (RS), no dia 24 de outubro, também no Albertão. Na ocasião, teve laser no rosto do goleiro, latas de bebidas no gramado e até picolé arremessado da arquibancada. O julgamento será na 1ª Comissão Disciplinar e o relator dessa vez será Vinícius Augusto Vieira.

Nos bastidores, acredita-se que do segundo julgamento o River não escapa ileso. Nem mesmo dirigentes tricolores esperam absolvição.

Veja a ata com os resultados dos julgamentos desta sexta (6)

Lajeadense se dá mal
Se o River saiu ileso, o Lajeadense foi punido por problemas no jogo de volta com o River. 

O lateral Márcio, expulso após chutar um jogador do River, pegou quatro jogos de suspensão. O maqueiro foi suspenso por 30 dias. Um gandula pegou 180 dias de gancho. 

E o pior: além de multas que somadas chegam a R$ 9 mil, a equipe foi penalizada com a perda do mando de campo em oito partidas, em razão dos rojões lançados contra o banco do River. 

Que sirva de exemplo aos gaiatos flagrados em infrações no estádio Albertão.