Cidadeverde.com

Sem jogar desde agosto, Célio Codó faz gol e vira novo candidato a herói do River

Fotos: Érica Paz/River A.C.

Codó aperta a mão do médico do River, doutor Miguel Ângelo

Gol do Codó, hein? 

O cara veio para reforçar o River na Série D. Poucas vezes entrou em campo. Muitas vezes esteve lesionado. 

A última vez que Codó tinha entrado em campo pelo River foi na vitória por 2 a 1 sobre o Imperatriz (MA), na primeira fase da competição, dia 16 de agosto, em Teresina (PI). Foram quase três meses sem jogar.

A diretoria foi até criticada por ter contratado um jogador que mais vivia machucado do que jogava. Mas segurou a indicação do técnico Flávio Araújo.

Após o primeiro gol do River na derrota por 3 a 2 para o Botafogo-SP, na noite de sábado, Codó era só agradecimentos. 

- A diretoria, a comissão técnica vêm tendo paciência comigo durante as lesões. Ninguém cobrou nada, pelo contrário. Só me deu forças para que eu pudesse voltar o mais rapido possível. Minha esposa também sempre me ajudou. Só ela sabe a dificuldade que passamos em casa, cabisbaixo. Mas graças a Deus isso valeu a pena hoje com um gol que mantém a equipe viva.


Foto aguardando a legenda: "Me solta que eu quero fazer gol"

Vale lembrar que Célio Codó nem seria relacionado para viajar com o River para Ribeirão Preto (SP). O atacante só entrou no grupo porque Lucas Bacelar se machucou no último treino antes da viagem. 

- Eu fico feliz. Eu pude ver mais uma ver a magia de Deus na minha vida. Eu não estava mesmo nem cotado para vir com a equipe para esse jogo. O lucas infelizmente se machucou. Aí abriu essa porta para mim. Mas quando eu fui relacionado para o jogo eu imaginei que todas as dificuldades que eu tinha passado nesses três meses de lesão hoje iria valer a pena. Graças a Deus o senhor me abençoou. 

O técnico Flávio Araújo ressalta a força do grupo, independente de quem seja titular ou esteja entre os reservas. 

- O atleta (Célio Codó) estava há algum tempo sem atuar devido a vários problemas de contusão. Mas graças a Deus está se recuperando. Nosso grupo é um grupo capacitado. Entra jogador, sai jogador, e a gente sempre mantém um equilíbrio técnico. 

Não bastassem as histórias do goleiro Naylson, do meia Júnior Xuxa e de outros jogadores, o River agora tem mais essa. E pensar que foi o primeiro gol do Célio Codó no Galo.

Antes do embarque, o blog perguntou ao Célio Codó sobre a chance dele fazer um gol na decisão. Parece destino mesmo.