Cidadeverde.com

CBF confirma Tiradentes fora do Brasileirão Feminino 2016

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) confirmou a ausência do Tiradentes no Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2016. A tabela com as equipes participantes foi divulgada na tarde de sexta-feira (18). 

O fato de ter alcançado a fase semifinal do Brasileirão 2015 não foi suficiente para as tigresas. Décimo sétimo colocado no ranking nacional, o Tiradentes precisava de três desistências para conseguir vaga no torneio. Somente o Kindermann (SC) abdicou da participação na competição, que tem início marcado para 20 de janeiro de 2016. 

Ao longo da semana, o anúncio preliminar dos times classificados para o torneio gerou revolta. Foi até motivo de discurso do deputado federal Silas Freire (PR-PI) na Câmara dos Deputados. O parlamentar se dispôs a ir até a CBF para tentar reverter a situação. Mas acho improvável que qualquer manobra agora dê certo. 

Foto: Marcos de Paula/AllSports

A CBF volta a cometer seus erros. Programou uma competição para 20 de janeiro e divulgou a tabela e o regulamento com pouco mais de 30 dias de antecedência, ao invés dos 60 previstos no Estatuto do Torcedor.

O outro erro é insistir em abrir vaga para clubes seguindo como critério o ranking do futebol masculino. Em 2015, equipes das Série A e B tinham 10 vagas na competição feminina. Para 2016, esse número caiu para seis. Só que dessa vez, nenhuma delas desistiu de participar. 

É fato que a CBF tenta atrair os clubes já tradicionais no futebol masculino para o feminino. Mas o incentivo não deixa de ser injusto com quem já milita na área. Corinthians (SP), Santos (SP), Flamengo (RJ), Vitória (BA), América (MG) e Náutico (PE), todos beneficiados por esse regulamento, estão atrás do Tiradentes no ranking criado pela CBF.

Torcer por uma reviravolta é apostar na desistência de duas equipes, o que pode ocorrer até 20 dias antes do início da competição, segundo o regulamento. Aí sim, o Tiradentes voltaria ao Brasileirão. Do contrário, é se contentar com a vaga na Copa do Brasil 2016, porque fazer a CBF voltar atrás vai ser muito difícil.