Cidadeverde.com

Piauí 2x2 Picos - cada um usa as armas que tem

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com

Quem não tem cão, caça como gato. Quem não tem grandes reforços, faz seu jogo com o que possui. Usa as armas que tem, não adianta inventar.

Foi assim que o Piauí Esporte Clube começou o Campeonato Piauiense. Ao encarar a Sociedade Esportiva de Picos, o Enxuga-rato tentou dominar mais a bola no campo adversário, aparentemente de forma despretensiosa. Mas toda falta conquistada era um lance de perigo. E foi assim que o placar acabou aberto. 

Se de grão em grão, a galinha enche o papo, de falta em falta, o Piauí fez 1 a 0, com Ely, aos 40 minutos do primeiro tempo. 

O placar, por sinal, não representava o que havia sido a primeira metade da partida. A SEP teve até um gol anulado por impedimento - marcação da arbitragem que deixou dúvidas em quem estava no estádio Albertão. 

Em desvantagem no placar, o Zangão voltou do intervalo disposto a virar a partida. E atacou o ponto fraco do Piauí, que tem um grupo jovem e, por consequência, menos experiente. 

Com 7 minutos do segundo tempo, o goleiro Lucas deu um soco na bola para a frente. O rebote, para azar dele, foi de Henrique, que empatou o jogo. 

Mais tarde, aos 18 minutos, o próprio Lucas se enrolou com a presença de um jogador da SEP na grande área. Acabou fazendo pênalti. Raphael Freitas cobrou e fez 2 a 1.

É preciso dizer que o goleiro do Piauí, depois disso, ainda promoveu duas grandes defesas. Picos teve mais investidas e poderia ter sacramentado a vitória.

Mas aos 31, Ely cobrou falta (de novo, uma falta), e Vitor Salvador fez o gol que salvou o Piauí da derrota. 

Se na preliminar, Altos teve mais time e o Caiçara mais vontade, no jogo seguinte Picos teve mais time, mas o Piauí usou bem as armas que tinha. Uma prova de que o Campeonato Piauiense pode não ter os "sacos de pancada" que se pintava antes da bola rolar.