Cidadeverde.com

Fortaleza 3x0 River: Esperando o Galo acordar

Fábio Lima
fabiolima@cidadeverde.com

Antes do jogo, os cumprimentos. Praticamente todo o time do River foi cumprimentar o técnico Flávio Araújo, agora no banco do Fortaleza. E a cordialidade ficou só a lí.

Fotos: Érica Paz

Dos titulares do Galo, só dois em campo eram novatos. Em tese, uma base entrosada que daria muito trabalho ao recém formado grupo do Leão. E começou mais ou menos assim, com o River pressionando o time cearense. A metade inicial do primeiro tempo talvez tenha sido um dos melhores momentos do tricolor piauiense na atual temporada. 

Quando o Fortaleza começou a se acertar no setor defensivo, o River começou a se enrolar. Nove dos 11 titulares são vice-campeões da Série D de 2015, mas não é o mesmo time, que jogava com dois volantes ao invés de três, como escalou ontem Zé Teodoro. Nem tão pouco a equipe na qual Totty era titular absoluto na lateral direita.     

Mas continua sendo aquele River que testa todos na lateral esquerda para, no fim das contas, manter o zagueiro Jadson no setor de forma "improvisada" - se é que ainda dá pra chamar ele de zagueiro e sua permanência na lateral por tanto tempo um improviso. 

E é o mesmo River que, sem Fabinho no ataque, perde muito do seu poderio ofensivo. E com o atacante substituído por contusão ainda no primeiro tempo, tudo ficou mais difícil na Arena Castelão. 

É um River que ainda está se reajustando. É o tal caminhão carregado de melancias, que vão balançando no caminho até a carga toda se acomodar - ou algumas delas acabam pulando no meio da estrada porque não cabem alí. 

Nessa toada, o River que se desencontrou ainda no primeiro tempo. Tomou um gol justo do seu ex-artilheiro Eduardo, sem marcação na pequena área - que pecado. 

No segundo tempo, quando o jogo parecia que não iria mais a lugar nenhum, o árbitro Paulo Sérgio Santos Moreira, do Maranhão, viu pênalti e ainda deu cartão amarelo para o capitão Paulo Paraíba. Falta que nunca existiu, cobrança que foi convertida. 

Quando a jogada de gol foi do River, a arbitragem acertou, mas para anular o lance por conta do impedimento de Gilson Tussi. 

E quando Amarildo não alcançou Pio na corrida para dar combate no lance do terceiro gol, pode fazer sentido a versão dada na semana passada pelo presidente Elizeu Aguiar, de que o time está travado em campo por conta de falhas na preparação física - que mudou de comando ainda em janeiro. 

A situação é ruim porque é do River que todos esperam algo mais. Inclusive se esperava que o Galo começasse 2016 com a corda toda. Não é o que se vê em campo, mas não é o fim dos tempos, terra arrasada.

Contudo, o Galo precisa acordar. O quanto antes.

Se o River for fazer cumprir a "lei do ex" em todos os jogos, o Galo está frito. Depois de perder para Picos com gol de Raphael Freitas em cobrança de falta de Thiago Marabá, e agora essa derrota para o Fortaleza de Eduardo e Flávio Araújo, o tricolor ainda irá enfrentar o Botafogo (PB) de Warley, o Altos de Pantico e Nivaldo Lancuna, o Piauí de Robinho (emprestado pelo Tricolor), e o Flamengo, agora com Anderson Kamar.  

Fortaleza 3x0 River
Gols: Eduardo, Anselmo e Pio
Copa do Nordeste - Grupo D - 1ª Rodada
Arena Castelão - 13/02/2016 - Fortaleza (CE) - 16h