Cidadeverde.com

O desabafo de Tiago Vasconcelos

  • tiago14.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago13.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago12.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago10.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago09.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago08.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago06.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago05.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago04.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago03.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago02.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde
  • tiago01.jpg Foto: Roberta Aline/Cidade Verde

Diego Iglesias e Fábio Lima
diegoiglesias@cidadeverde.com
fabiolima@cidadeverde.com

Atualizada às 18h30

Em um pequeno escritório no Centro de Teresina (PI), o Esporte Clube Flamengo montou sua sede provisória. O presidente Tiago Vasconcelos apresentou o espaço para a imprensa na tarde desta quinta-feira (21), mas sem expressão de alegria. Ao lado do advogado Lucas Macedo, ele rebateu toda a entrevista concedida ontem pelo técnico Athirson Mazzoli, ponto a ponto.

Tiago Vasconcelos não negou as deficiências estruturais do clube. Confirmou os problemas com transporte e alimentação e explicou cada incidente citado pelo treinador, esclarecendo inclusive pontos que não seriam de responsabilidade do Flamengo. 

Mas quando o assunto foi a relação com o próprio treinador, a resposta foi direta. O presidente rubro-negro classificou a entrevista de ontem como uma tentativa de pressionar a diretoria por um acordo que o favorecesse. 

O presidente estuda, inclusive, processar Athirson Mazzoli por conta das declarações. E confirmou que o treinador foi desligado por conta dos resultados do time e também por ter se ausentado de Teresina por mais tempo que o previsto, configurando abandono de emprego. 

E disse mais: que Athirson Mazzoli desrespeitou o clube e sua torcida ao elogiar o maior rival, o River.

Em alguns casos, é possível notar inexperiência da diretoria rubro-negra em tratar do futebol. E Tiago Vasconcelos disse que trazer Athirson para o clube é mais uma lição aprendida.  

Torcedor, de novo, é muita coisa. Sendo justo com o outro lado da história, e hoje com a colaboração do ilustre Diego Iglesias, vamos por partes. 


Afastamento
Segundo Tiago Vasconcelos, foi combinado com o treinador que, no início de abril, ele iria o Rio de Janeiro para cuidar do aniversário da filha de 15 anos pelo período de três dias. Porém, o técnico ficou por 10 dias fora da cidade. O advogado do clube informou que estuda medidas para acionar o treinador por abandono de emprego. 

- O Flamengo tinha acabado de perder de 4 a 1 do Altos e um cara que queria três dias, pelo que ele informou ao nosso auxiliar, mas se ausentou 10 dias. Cadê a sensibilidade e respeito dele pelo Flamengo? Eu soube também pela imprensa que ele foi antes. Eu quero saber de vocês que toma a decisão de se ausentar 10 dias no trabalho sem pedir pro chefe e estar tudo normal. Você acha que continua empregado do mesmo jeito?

- Tem que respeitar o Flamengo, rapaz. Isso aqui não é a casa da mãe Joana não. Ele não comunicou, se ausentou contrariamente ao que ele tinha dito, ao invés de três dias, 10 dias, e eu soube pela imprensa que era para testar a roupa e ensaiar a valsa. É brincadeira. Respeite o Flamengo. Respeite o futebol piauiense. A gente quer moralizar e chega os caras pra curtir da nossa cara? Aqui não tem palhaço. 

Tiago Vasconcelos confirmou a tentativa de acordo frustrada com o técnico, e considerou que Athirson foi desonesto e fez "joguinho" com o clube, ameaçando fazer uma entrevista coletiva. Citou, inclusive, que o treinador teria agido de má fé com a diretoria na contratação de atletas e membros da comissão técnica que não teriam rendido o esperado. 

- Ele não queria fazer acordo com o Flamengo. Ele tava querendo tirar onda com a cara do Flamengo, com aqueles que representam o Flamengo. Tentamos de toda forma chegar a esse entendimento e não conseguimos porque eles não quiseram.

 

Foto: Roberta Aline/Cidade Verde


Contrato descumprido
Bastante irritado, o presidente do Flamengo explicou que, com relação ao transporte dos jogadores, ocorreram problemas isolados, mas que fugiam da responsabilidade do clube, como o atraso na solução para moradia da comissão técnica.

- Durante os dois meses eles estava no meio da rua? Não, estavam morando no hotel Cabana. Ele estava em um bom hotel e com café da manhã todo dia. E porque ele ficou dois meses no hotel? Porque mostrávamos um apartamento e ele dizia que não gostou disso ou daquilo. Mostrava uma casa e via defeito disso e daquilo. E eu, muito paciente, recebendo pressão da minha diretoria, eu fui ver um lugar e passei dois meses e perdi a paciência por conta dos resultados ruins e disse que ele ia ficar em uma casa que temos aqui no São João.

Além disso, com relação à casa onde Athirson morou em Teresina, ele destaca que o imóvel estava mobiliada e um dos patrocinadores bancou o mobiliário.

Sobre a alimentação do treinador, o presidente destacou que, através de uma parceria com um restaurante de Teresina, ele fazia suas refeições, mas que teria extrapolado.

- O dono do restaurante veio me procurar e pediu pra rachar a conta, pois ele estava levando gente pra lá e almoçando com bebida. Eu disse que não ia pagar a conta e mandei cortar.

Tiago Vasconcelos reclamou ainda da postura do treinador em alguns jogos e lembrando de uma partida realizada em Parnaíba, quando Athirson teria ido de carro e não no ônibus com os jogadores. Na ocasião, o técnico só voltou a Teresina na terça-feira. 

- O jogo foi no final do domingo à tarde e ele marcou treino para o dia seguinte, porque poderia ser folga, mas ele marcou.

Para completar, o presidente disse que Athirson, ciente dos problemas do clube, teria jogado os atletas contra a diretoria. 

- Ele criava um ambiente hostil para nos pressionar e isso para mim é altamente covarde, sorrateiro. Acho que você resolve o problema é buscando solução. Acho que foi desleal da parte dele esse tipo de atitude. 


O Flamengo perdeu por causa de um rato?
O presidente do Flamengo não se esquivou dos problemas de estrutura e suporte os jogadores, mas declarou que tudo foi feito para resolver a situação. 

Sobre a água que não estaria potável, Tiago Vasconcelos garantiu que foram comprados galões de água mineral para os atletas, que reclamaram de um gosto estranho no líquido.

- Eles disseram que a água estava com gosto ruim. O que foi que o Flamengo fez: comprou um gela água. Desde esse dia são dois galões de 20 litros colocados diariamente na casa. Água potável, água mineral. Se ele deu dor de barriga, foi outra coisa.  

Em relação ao rato flagrado na casa do atleta, o presidente confirmou o problema, mas retrucou:

- O Flamengo tem problema maior, a perda de uma sede, tem tanto problema para botar a culpa em um rato? (...) Esse assunto foi em janeiro. Janeiro! Quando os atletas estavam se acomodando. Depois disso o que gente fez? Dedetizou a casa. (...) Quer dizer que o time do Flamengo perdeu de 5 a 0 do Ceará, perdeu o 1º turno do Campeonato Piauiense por conta de um rato na casa? Por favor... 

Sobre o episódio da falta de dinheiro para a comida dos jogadores na partida contra o Sampaio Corrêa (MA), em São Luís, pela Copa do Nordeste, o dirigente explicou que o depósito foi feito em caixa eletrônico, e por isso os recursos não ficaram disponíveis no mesmo dia.

A respeito dos salários, Tiago Vasconcelos afirmou que Athirson trouxe um patrocinador para o clube, mas ressaltou que os apoios foram embora depois que as derrotas começaram, o que levou ao atraso no salário dos atletas.

- Ele disse que ficou sem carro a partir do dia 10 de abril. Esqueci até de falar, foi o quarto patrocinador que nós perdemos. E quando ele perdeu o carro, o que foi que nós fizemos: disponibilizamos uma quantia financeira para ele poder se locomover.

Com relação a atletas que não foram operados, o presidente explicou que trata-se de um único caso de jogador indicado por Athirson, e que exames descobriram problemas crônicos no atleta. Informou que o plano de saúde parceiro do clube tem seus prazos para atendimento e está cumprindo com o combinado.
 


Problemas com transporte 
Tiago Vasconcelos considerou os problemas de transporte do elenco como pontuais. Athirson reclamou que os treinos atrasavam porque só havia uma van, que fazia duas viagens para levar os atletas.

- Fomos procurar um carro maior, um micro-ônibus. Tão logo eles solicitaram, nós fechamos uma parceria com a Portela Tur e foi solucionada essa questão do transporte. Ele fala como se fosse uma coisa recorrente, mas foi uma situação pontual. Eu vejo uma tentativa de barganhar ou se vingar porque foi demitido.

Com relação ao atraso no jogo contra o River, Vasconcelos explicou que a empresa responsável atrasou e que isso não é culpa do clube. 

- O ônibus era pra chegar duas horas antes e ele ficou protelando. Eu disse que, qualquer coisa, passaria na garagem e, a caminho do jogo, quando estava na altura da Ambev, passei pelo ônibus. A gente não pode responsabilizar o clube quanto a isso.

Já sobre o jogo em São Luis, entre Flamengo e Sampaio Correia, pela Copa do Nordeste, o qual o time piauiense perdeu por 2 a 1, o presidente do clube relata mais uma vez que a diretoria não teve culpa.

- Eu não sou do DNIT e não sou governador do Maranhão e não tenho responsabilidade sobre buraco em estrada no Maranhão. A decisão não é pessoal do presidente. As cidades de até 700km é cedido um ônibus e foi a Liga que nos cedeu. Ninguém botou dinheiro na conta do Flamengo para contratar. A Liga disse que o ônibus tal vai pegar o Flamengo e deixar e a viagem demorou pela estrada e porque o ônibus quebrou. 

 

Elogios ao River
Tiago Vasconcelos afirmou que Athirson Mazzoli desrespeitou o Flamengo e sua torcida ao elogiar o River. O técnico disse que o clube tricolor deve ser seguido como exemplo pelas demais agremiações do Piauí. 

- Ele não demonstrou respeito aos torcedores do Flamengo quando elogiou nosso principal rival e se ele declarou que não respeitava a diretoria esse foi um dos motivos que também nos levaram a demiti-lo. 


Futuro

- Nós vamos continuar com a nossa intenção de ajudar o Flamengo. Assumimos há cerca de 10 meses. O processo de reestruturação é complicado, é difícil, passa por essa parte do futebol, a gente sabe disso. Mas vamos ver o que vai acontecer no final do Campeonato Piauiense, o Flamengo pode ir ainda para Série D. Se não for, nós vamos ter tempo para planejar para o próximo ano. 

O presidente lembrou ainda que o clube negociou dívidas de R$ 3 milhões na tentativa de sanear o clube e está em negociações avançadas para a anunciar a área da nova sede social. E negou que vá se afastar do cargo. 

Com um mês de salários atrasados no clube, Tiago Vasconcelos também falou sobre o futuro do futebol rubro-negro. 

- Quanto a erros que nós cometemos no departamento de futebol, confesso a vocês que depois dessa nós aprendemos a lição. Vamos buscar treinadores que conhecem a realidade do futebol nordestino, que conhecem os jogadores que se adaptam bem aqui. E vamos procurar fazer as coisas com os pés no chão, que foi o erro que eu admito ter cometido de início, ter feito uma coisa mais arrojada que infelizmente não deu certo.