Cidadeverde.com

River 2x2 Botafogo-PB - tricolor vai sofrer mais que o braço da Sarah fora do lugar

  • river-bota-11.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-10.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-9.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-8.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-7.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-6.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-5.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-4.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-3.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-2.jpg Foto: River A.C.
  • river-bota-1.jpg Foto: River A.C.

Torcer pelo River hoje é mais doloroso que o braço da judoca Sarah Menezes fora do lugar

É mais sofrido que assistir cobranças de pênaltis da seleção feminina de futebol. 

Mais dramático que jogo do Brasil no basquete masculino. 

É mais frustrante que torcer pelo azarão dos Jogos Olímpicos. O cara elimina o campeão mundial, mas erra na sequência e perde a chance de medalha. 

Foi assim no River x Botafogo (PB), aquele que era freguês do Galo até o início do ano e se rebelou.

Foto: Eduardo Frota 

Luciano Sorriso matou a bola e fez um belo gol de fora da área. Cinco minutos depois, ele mesmo falhou no lance que terminou no gol de empate, de Marcelo Xavier.

Mesmo com os erros, o River era melhor e fazia sua melhor atuação em casa nesta Série C. Tanto que fez 2 a 1 ainda no primeiro tempo, com uma jogada que começou lá atrás, com o volante Amarildo, boa troca de passes e gol de Cleitinho. 

Veio o segundo tempo. E o Galo que subia bem ao ataque sem dar muitos sustos na defesa ficou com Eduardo sozinho lá na frente. O Botafogo-PB subiu e nem ameaçou tanto, mas o braço do Roberto Dias subiu junto com ele na cabeçada. A torcida reclamou, mas eu vi pênalti: 2 a 2. 

Para piorar, Amarildo foi punido com o segundo cartão amarelo logo no lance seguinte. Com o volante expulso, Vica colocou Fabinho no ataque e Rogerinho no meio. O volume de jogo voltou a ser tricolor. Mas o time paraibano se fechou, catimbou, segurou o placar. 

De diferente do sofrimento olímpico vivido nos Jogos Olímpicos, só a torcida não é digna de comparação com a da Rio 2016. Em mais de 90 minutos, não se ouviu um coro de "Gaaa-lo" no setor de arquibancada das cabines. O time correu, jogou bem - apesar dos erros -, mas mais se reclamou do árbitro do que se apoiou os jogadores. 

Se fora de casa o Cuiabá vencer o Salgueiro e o Confiança derrotar o Remo, a situação fica mais difícil ainda - quase desesperadora. O confronto direto com os dois times pode manter o River vivo na briga até a última rodada, mas tudo se complica se o Galo não fizer a parte dele. 

Nos últimos jogos em casa - Fortaleza, ASA e agora Botafogo, so empates. Se o River estivesse vencendo como visitante, até compensava. Mas no returno, foram 4 empates e uma derrota. Restam quatro jogos e o Galo precisa vencer. Ou então, vai afundar.