Cidadeverde.com

Apoteose no vôlei

  • volei_ouro-13.jpg RIO DE JANEIRO 21/08/2016 - VOLEI MASCULINO - MARACANÃZINHO - Brasil conquista a medalha de ouro no jogo contra a Itália.
    Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-16.jpg Foto: Ministério do Esporte
  • volei_ouro-15.jpg Foto: Ministério do Esporte
  • volei_ouro-14.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-11.jpg Foto: Ministério do Esporte
  • volei_ouro-10.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-9.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-8.jpg Foto: Ministério do Esporte
  • volei_ouro-7.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-6.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-5.jpg Foto: Ministério do Esporte
  • volei_ouro-4.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-3.jpg Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-2.jpg RIO DE JANEIRO 21/08/2016 - VOLEI MASCULINO - MARACANÃZINHO - Brasil conquista a medalha de ouro no jogo contra a Itália.
    Alaor Filho/Exemplus/COB
  • volei_ouro-1.jpg RIO DE JANEIRO 21/08/2016 - VOLEI MASCULINO - MARACANÃZINHO - Brasil conquista a medalha de ouro no jogo contra a Itália. Na foto Neymar na tribuna de honra acompanha o jogo.
    Alaor Filho/Exemplus/COB

A conquista menos dramática. A execução do hino mais emocionante de todas. 

Não era a nossa melhor seleção de vôlei masculino. Nem foi uma grande partida, com ralis e jogadas fenomenais. 

Mas não haveria desfecho melhor para a participação brasileira na Rio 2016: vencer em casa, vencer a eterna rival Itália e por surpreendentes 3 sets a 0. 

Nossa Praça da Apoteose hoje foi o Maracanãzinho. Serginho, que adiou a aposentadoria para jogar a Rio 2016, entrou para a história.

Foto: Ministério do Esporte

O desfecho para a melhor campanha da história brasileira: 7 ouros, 6 pratas, 6 bronzes. Foram 19 medalhas conquistadas em 12 modalidades diferentes: vôlei de praia, vôlei, futebol, canoagem, boxe, taekwondo, judô, tiro, ginástica, vela, maratonas aquáticas e atletismo.

É histórico em relação ao desempenho em todos os Jogos e fenomenal pela variedade de esportes no pódio. É pouco em relação aos últimos jogos (só dois ouros a mais que Atenas 2004 e duas medalhas a mais que Londres 2012, recordes anteriores). E é muito pouco para o tamanho desse país e o potencial esportivo que ele têm. 

Que o ex-pedreiro Maicon, bronze no taekwondo, o ex-vendedor de água sanitária Serginho, ouro no vôlei, e todos os nossos atletas, medalhistas ou não, inspirem nosso povo e acordem nossos dirigentes e gestores.

A partir de segunda-feira, a vida continua. Não nos esqueçamos dos que nos tiraram o desgosto do mês de agosto, proporcionando momentos inesquecíveis. Façamos nossa parte, cada um, para que, nos próximos anos, esta Olimpíada possa valer ainda mais a pena.