Cidadeverde.com

Técnicos só não conseguem acesso no Fortaleza. E a fila continua

Foto: Jarbas Oliveira/All Sports/2015

No ano que vem, o Fortaleza vai completar oito anos na Série C do Brasileirão. Desde 2010, foram quatro chances diretas de voltar à Série B no mata-mata da Terceirona. Todas em casa. Todas frustradas. 

A fila incomoda até quem não é cearense. Tanto que o blog Na Esportiva, aqui no Piauí, foi buscar respostas. E nosso levantamento chegou a algo curioso: técnicos que conquistaram acessos em outros clubes não conseguem o mesmo no Leão. 

Em 2010, sob o comando de Zé Teodoro, o tricolor não passou da primeira fase. 

O mesmo Zé Teodoro foi vice-campeão da Série D de 2011 com o Santa Cruz (PE), subindo o time de divisão. 

No ano de 2011, a briga do tricolor do Pici foi para escapar do rebaixamento. O técnico era Júlio Araújo. 

Em 2012, o treinador era Vica. O Leão caiu no mata-mata, em casa, ante o Oeste (SP). 

No ano seguinte, Vica foi campeão da Série C com o Santa Cruz (PE).

Em 2013, o Fortaleza foi eliminado ainda na primeira fase pelo Sampaio Corrêa (MA), comandado pelo cearense Flávio Araújo, que levaria os maranhenses ao acesso e vice-campeonato do torneio. O Leão era treinado por Luiz Carlos Martins, conhecido como "Rei do Acesso" no futebol paulista. 

Naquele ano, Marcelo Chamusca treinava o Salgueiro (PE) e tirou o clube da Série D com o quarto lugar na competição. 

Chamusca foi para o Fortaleza e comandou o clube por dois anos (2014 e 2015). Não conseguiu subir o time para a Série B, sendo eliminado por Macaé (RJ) e Brasil de Pelotas (RS). 

Em 2016, ele foi para o Sampaio Corrêa (MA) e não deu certo. Chegou ao Guarani (SP) e encaixou. O time de Campinas agora subiu para a segundona. 

Depois de levar o Sampaio Corrêa (MA) da Série D para a Série B, Flávio Araújo foi vice-campeão da Série D com o River (PI), em 2015. O Fortaleza resolveu contratar o treinador para a temporada seguinte, mas ele não sobreviveu aos primeiros jogos do Campeonato Cearense. 

Marquinhos Santos substituiu Flávio Sapinho, mas saiu antes do mata-mata da Série C para assumir o Figueirense (SC) na Série A. Veio Hemerson Maria, campeão da Série B de 2014...

Há quem culpe o formato da Série C - e acho realmente esse mata-mata injusto. O ideal talvez fosse um octogonal ou hexagonal com clubes classificados dos dois grupos.

Mas os colegas do futebol cearense precisam avaliar outros aspectos - e farão isso com mais propriedade. Se formato fosse o único culpado e privilegiasse os times do Sul e Sudeste, o ABC (RN) também não teria subido este ano.

Ou então, que o Fortaleza contrate um treinador que nunca subiu time algum. Vai que dá certo...