Cidadeverde.com

Agora é a vez de Stanley: judoca é convocado para seletiva olímpica

Foto: Wilson Filho/Cidade Verde

Já faz certo tempo que entrevistei Stanley Torres no intervalo de uma competição em Teresina (PI). Ele me surpreendeu com a franqueza nas respostas. Disse que sabia que não era tão bom de judô, mas treinava para superar isso com força de vontade. 

Deu certo. Passados alguns anos, chegou a vez dele. 

Stanley Torres é o único piauiense convocado pela Confederação Brasileira de Judô (CBJ) para a primeira seletiva olímpica do projeto Tóquio 2020. É um dos 13 judocas chamados na categoria até 73kg, ao lado de nomes de seleção brasileira como Alex Pombo e Marcelo Contini - veja a lista completa.

A competição será no dia 14 de janeiro, em Osasco (SP). Sarah Menezes e outros atletas com melhores posição no ranking mundial foram dispensados da disputa. 

Por sinal, Stanley Torres está ao lado de outros pouco piauienses convocados para a seletiva olímpica: Antônio Fabrício Alves, Benito Mussolini Neto, Aline Coutinho e Sarah Menezes - a única que chegou a titularidade na equipe principal até hoje. É a sua segunda convocação - a primeira foi em 2013. 

O feito veio após duas medalhas de bronze no Troféu Brasil e Campeonato Brasileiro Sênior deste ano. O desempenho fez a CBJ convocar o atleta. 

Mas teve algo mais. Algo que mudou no Stanley depois daquela entrevista, que mencionei lá no começo:

- O foco. Não iniciava o ano treinando bem. Só ia ter foco no fim e treinava de véspera. Neste ano me mantive focado e treinando.

Ainda falta mais, em especial no lado financeiro. Mas nada que possa impedir Stanley Torres de sonhar alto. 

- Eu estava treinando sem a certeza de ser convocado. Ficava treinando e pensando o tempo todo. Agora convocado, é treinar, treinar e treinar. Manter o foco, corrigir os erros e tomar essa vaga. 

E você tá pensando que ele quer só a vaga na seleção?

- Quero fazer história indo para a Olimpíada. Chegar na seletiva olímpica não é entrar para a seleção. É nadar, nadar e morrer na praia. Mas se for para morrer na praia, quero morrer tentando. 

Matéria alterada em 01/12 para correção de informações