Cidadeverde.com

River azeda reestreia de André no Sport. Sigam o líder!

  • spo_riv-8.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-7.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-6.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-5.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-4.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-3.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-2.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife
  • spo_riv-1.jpg Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O River deu uma demonstração em Recife de que joga bem quem faz por onde alcançar seus objetivos. Melhor elenco, volume de jogo e atuações espetaculares nem sempre andam ao lado dos bons resultados.

Contra o Sport, o Galo deu um aviso para quem quiser enfrentá-lo em 2017: não deixem o time jogar. A seguir evoluíndo dessa forma, a tendência é que o River se torne cada vez mais mortal nas finalizações. As poucas oportunidades não são desperdiçadas.

É incontestável que o time pernambucano teve a bola no pé por mais tempo e um número maior de oportunidades, que pararam na trave ou nas mãos do goleiro Leandro. 

Por sinal, é cedo para santificar Leandro, mas ele operou milagres. A bola no canto inferior esquerdo espalmada em cima da linha talvez tenha sido uma das defesas mais incríveis do ano até agora. 

Não adiantou nem por em campo o ídolo André, que até fez gol, mas só depois de Leandro defender sua cobrança de pênalti. Logo depois, Viola empatou tudo de novo, azedando reestreia do jogador no Sport. 

Também é cedo, mas Viola caminha para a canonização tricolor: quatro gols em cinco jogos. Inteligência e boa forma física somados o tornam um perigo para qualquer defesa. 

Ah, o River mostrou também que tem banco. Ou melhor, um elenco para suportar a temporada. 

Waldemar Lemos optou por três zagueiros e deixou Rodrigo Tiuí e Tety, antes titulares, no banco. Promoveu a estreia de Cléber Lucas, de boa movimentação. A entrada de Alan Miguel na zaga até deu mais segurança para a defesa - ainda que o Sport não tenha apostado tanto no jogo aéreo, problema recente dos tricolores. 

Lá no Pernambuco, o bar dos torcedores do Sport em Teresina, perto do viaduto do Mafuá, os rubro-negros foram da euforia do segundo gol do Leão para a frustração com o novo empate em minutos. Nos últimos três confrontos entre River e Sport, sempre 2 a 2. 

- É um time de Série D!!! - bradava um rubro-negro, reclamando que por ser de Série A, o Sport não poderia se conformar com o resultado. 

E os torcedores do Sport também reclamaram de catimba, jogadores do River ganhando tempo ao pedirem atendimento médico...

É, amigos. Eu também reclamaria. Mas, como eu disse lá no começo, se deu bem quem fez por onde alcançar seus objetivos. É bonito ver Rogério aplicar duas canetas nos riverinos. Foi bom para o espetáculo, mas seria melhor para o Sport se os lances se convertessem em gol.

E para o River, nada como um jogo após o outro. Se eu não mencionasse aqui, talvez você, leitor, nem lembrasse da eliminação do Galo na Copa do Brasil.