Cidadeverde.com

River 3x4 Vitória (BA) - Série C 2006: esse dia foi louco...

Tinha gente no teto do Verdão... As imagens da TV Cidade Verde estão aí para provar. 

O River vinha de um ano empolgante, que começou com polêmica. O técnico Júlio Espinosa veio no início da temporada para comandar o Piauí Esporte Clube. Mas o rompimento do empresário Cecílio Soares com o rubroanil levou comissão técnica e parte dos jogadores para o Galo. 

Dentro de campo, a dupla formada por Pantico e Maurício Pantera fez muito sucesso. E era a esperança do time para, finalmente, subir para a Série B do Brasileirão. 

O River chegou perto. Na época não existia Série D. O time tricolor passou as duas primeiras fases como líder em seus grupos. A penúltima fase reunia os 16 melhores times em duas chaves. 

O grupo do River tinha Treze (PB), Tuna Luso (PA) e Vitória (BA).

O rubro-negro baiano tinha obrigação de subir para a Série B, de onde foi rebaixado no ano anterior. O time tinha Preto Casagrande, Marcelo Moreno e o então jovem zagueiro David Luiz. 

Mas na penúltima fase, o Vitória estava em maus lençóis. Perdeu a primeira para a Tuna Luso, fora de casa, e empatou em casa com o Treze. Na sequência, recebeu o River com a obrigação de ganhar: venceu por 3 a 2. 

O resultado apertado fora de casa deu esperança para a torcida do River. O Galo já havia perdido para o Treze e vencido a Tuna Luso em apertados 2 a 1. O jogo contra o Vitória era decisivo para os dois times. Os baianos levaram a melhor, como você pode ver nas imagens da TV Cidade Verde.

Foi um alvoroço no Lindolfo Monteiro. Os mais velhos podem ter visto um fuzuê maior que aquele no 5 a 1 do Piauí sobre o Remo, no Torneio do Norte de 1968. Ou em alguma outra partida. Eu tenho só 15 anos de jornalismo esportivo. Não lembro do Lindolfinho tão abarrotado. 

Depois de 10 anos e meio, River e Vitória voltam a se enfrentar no mesmo Lindolfo Monteiro, dessa vez pela Copa do Nordeste. Na quarta-feira (29), às 19h15, certamente não teremos superlotação, os tempos mudaram e a segurança do torcedor hoje é primordial. Já se alguém vai parar no teto do Verdão, eu não garanto.