Cidadeverde.com

Hélio Queiroz comove atletas no Verdão e IFPI é campeão no futsal feminino

  • futsalf-a-final-8.jpg Fábio Lima/Cidade Verde
  • futsalf-a-final-6.jpg Fábio Lima/Cidade Verde
  • futsalf-a-final-5.jpg Fábio Lima/Cidade Verde
  • futsalf-a-final-4.jpg Fábio Lima/Cidade Verde
  • futsalf-a-final-3.jpg Fábio Lima/Cidade Verde
  • futsalf-a-final-2.jpg Fábio Lima/Cidade Verde
  • futsalf-a-final-1.jpg Fábio Lima/Cidade Verde

Era para ser apenas a decisão do 2º Turno do Campeonato Piauiense de Futsal Feminino, mas o jogo na noite de ontem (5), no ginásio Verdão, foi marcado pela presença do professor Hélio Queiroz. Quase três anos depois de um acidente doméstico que o impediu de continuar a trabalhar, ele surpreendeu atletas ao chegar de cadeira de rodas para ver o time que ele treinava no Instituto Federal do Piauí (IFPI) voltar a erguer a taça. 

Membro da tradicional família Queiroz, que implantou o judô no Piauí, Hélio também fez sucesso no futsal feminino, sendo campeão com o IFPI em competições regionais e nacionais. 

No dia 30 de dezembro de 2015, de férias no litoral piauiense, ele deitou em uma rede na varanda e a coluna que a sustentava caiu sobre seu corpo. A mobilização para doação de sangue foi uma das maiores da história do Centro de Hemoterapia e Hematologia do Piauí (Hemopi). Hélio Queiroz sobreviveu, mas ficou com sequelas. Fala pouco e só anda de cadeira de rodas. 

Sua chegada de surpresa, carregado nos braços para descer a arquibancada do Verdão, atrasou o início da partida. Jogadoras dos dois times se emocionaram com a visita. Eliene foi aos prantos. 

- O choro foi de emoção, de felicidade. Quem acompanha diariamente sabe a luta dele. E a gente sabe que não é fácil. Diariamente a gente visita ele, tenta estimular pra melhorar a autoestima dele porque até a gente que está bem de saúde tem dias que está pra baixo, imagine ele nessa situação, para uma pessoa que amava e ama fazer isso. É tudo pra ele, porque a gente sabe do trabalho e da competência que ele tem. 

Hélio Queiroz viu o time do IFPI sofrer no primeiro tempo. A AABB saiu na frente com 2 a 0, mas o Instituto virou ainda na etapa inicial para 4 a 2. A vitória do título se transformou em goleada no segundo tempo: 7 a 3, com quatro gols marcados por Eliene. 

Com a difícil missão de comandar o time feminino do IFPI na ausência de Hélio ao lado da quadra, o treinador Sérvulo Fernando tinha certeza do resultado antes da partida. 

- Toda vez que o Hélio estava à frente desse time, ele nunca perdeu. Foram sete anos seguidos. Infelizmente ele teve que parar. Eu assumi no ano passado, perdi. Mas eu acreditava no grupo e esse grupo cresceu, e entendeu que poderia jogar por ele e para ele. E hoje quando ele desceu aquela escada, eu já sabia: aqui hoje ninguém perde, não. (...) Com ele aqui, esse time nunca perdeu, e nunca vai perder. Toda vez que ele vier, o time vai ser campeão. Esse cara é um mito. 

O IFPI não perdeu. Nem a AABB, que conta com várias jogadoras já treinadas por Hélio Queiroz. Todas se uniram em uma roda ao redor do professor no fim da partida. O troféu delas era a presença dele em quadra, como resumiu a atleta Bruna, da AABB, em breve discurso antes de todas dançarem ao redor do treinador.

- Se hoje nós jogamos aqui, é por causa dele. 

 

Outro atraso
No intervalo, a partida voltou a sofrer atraso, dessa vez por conta da chuva. A água entrou pelo teto do ginásio Verdão e molhou a quadra. Árbitros e atletas usaram rodos e panos para enxugar o piso e poder reiniciar a partida, que terminou pouco antes de 22h. Às 20h30, estava previsto o início da decisão do torneio masculino

Foto: Fábio Lima/Cidadeverde.com