Cidadeverde.com

Banco e cervejaria aguardam "sinal verde" para patrocinar o Campeonato Piauiense 2019

Foto: Fábio Lima/Cidadeverde.com

A Federação de Futebol do Piauí (FFP) trabalha para garantir ao menos dois patrocinadores de peso para o Campeonato Piauiense 2019. As conversas estão adiantadas, mas dependem de pendências que estão além do que a entidade possa resolver. 

Uma das prioridades da Federação é a renovação do contrato com a Caixa Econômica Federal, que está bem próximo de acontecer. O patrocínio envolveria R$ 1 milhão e é tido pelo presidente da FFP, Robert Brown, como fundamental para o desenvolvimento de ações que possam atrair o torcedor para os estádios. Resta um parecer do Tribunal de Contas da União (TCU) para que a Caixa possa efetivar o patrocínio. 

Outro patrocínio envolve uma cervejaria. E esse depende de uma pendência no Palácio de Karnak. 

Explico. 

Como toda empresa que quer vender seus produtos, a cervejaria quer vender cervejas. Mas a venda de bebidas alcoólicas é proibida em estádios de futebol do Piauí. 

Isso já deveria ter mudado em 2017, quando a Assembleia Legislativa aprovou projeto do deputado estadual Júlio Arcoverde (Progressistas), que estabelece normas para a venda de bebidas alcóolicas nas praças esportivas. 

Mas o projeto nunca foi sancionado - informação confirmada pelo próprio deputado ao Cidadeverde.com. 

Em pesquisa feita no sistema de processo legislativo da Assembleia, também não encontramos envio de mensagem de veto do governador Wellington Dias para a proposta.

A reportagem procurou o Governo do Estado e aguarda posição sobre o que será feito com o projeto.

O tema é controverso. Há quem sustente que a venda de bebidas alcóolicas aumenta a violência nos estádios. Mas a mesma já ocorre no Piauí do lado e fora minutos antes das partidas. A própria legislação atual é burlada por torcedores que, nas arquibancadas, conseguem comprar cerveja através de grades e portões dos estádios. 

Mas não escrevi o texto para tratar disso. Deputados já aprovaram a nova lei e falta definição do Poder Executivo. E A FFP depende dele para conseguir o patrocínio. 

No Acorda Piauí desta quinta-feira (13), tratamos desse tema com Joelson Giordani e Zózimo Tavares. Ouça na íntegra: