Cidadeverde.com

Lívio Ribeiro leva prata no Mundial No-Gi e comemora ano de vitórias no Jiu-Jitsu

  • livio-galinho-1.jpg Lívio e a prata no Mundial No-Gi (sem quimono)
    Arquivo pessoal
  • livio-galinho-4.jpg Lutador no pódio do Mundial (com quimono), ainda com a faixa marrom
    Arquivo pessoal
  • livio-galinho-3.jpg Ouro no Open de San Jose, na Califórnia
    Arquivo pessoal
  • livio-galinho-2.jpg Arquivo pessoal

Principal nome entre os atletas da modalidade no Piauí, o lutador Lívio Ribeiro conquistou, no último fim de semana, a medalha de prata no Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu No-Gi (sem quimono), disputado na cidade de Anaheim, Califórnia, Estados Unidos, e promovido pela International Brazilian Jiu-Jitsu Federation (IBJJF) - hoje a principal entidade do esporte. 

No peso galo (até 57,5kg, o mais leve do modalidade), Lívio Ribeiro venceu suas duas primeiras lutas e enfrentou na final o japonês Nobuhiro Sawada. O confronto terminou empatado e a vitória para o asiático foi decidida pela arbitragem.

Foi o primeiro mundial do lutador depois de subir de graduação e alcançar a faixa preta. Neste ano, Lívio Ribeiro, o "Galinho", já havia se tornado campeão pan-americano e mundial (com quimono - ambos da IBJJF), mas com a faixa marrom. 

- Não tenho o que reclamar. Foi um ano maravilhoso na minha vida, no qual realizei meu sonho. Fui campeão mundial. Depois peguei a tão sonhada faixa preta, e agora já fui vice-campeão mundial na faixa preta. E agora é manter o ritmo, treinar ainda mais. 

Definitivamente, foi um baita ano para quem foi até os semáforos de Teresina pedir ajuda para se manter no esporte. 

- No começo de março eu vim para os Estados Unidos para lutar o Pan-Americano e o Mundial "pano" (com quimono) e outras competições. E, graças a Deus, fui campeão dos dois. Foi um primeiro semestre incrível na minha vida. (...) Todas essas vitórias eu dedico principalmente ao meu Piauí, que é o estado que eu represento, a minha equipe e a todos vocês. 

O lutador chega a Teresina nesta quarta-feira (19) e ficará até fevereiro treinando no projeto social QG da Luta antes de retornar aos Estados Unidos.