Cidadeverde.com

Altos: lesão de Manoel reduz opções no ataque e treinador aguarda reforços

Foto: Catarina Malheiros/Cidade Verde

Lesão de Manoel diminui opções no elenco do Jacaré

O Altos marcou um gol em cada uma das cinco partidas oficiais que disputou em 2019. Empatou três e perdeu duas. 

Desses gols, dois foram do atacante Luizão, um do zagueiro Ramon, outro do lateral Tiaguinho e o último do volante Netinho, na derrota por 2 a 1 para o Ceará, pela Copa do Nordeste.

No jogo de sábado (9), na Arena Castelão, o Altos se portou bem defensivamente. O problema começava quando a bola chegava ao meio do campo. Uma cena clara disso pode ser vista no segundo tempo: o meia Ancelmo abriu os braços como se perguntasse para quem iria passar a bola. 

O problema está na falta de peças no plantel, como admitiu o treinador Leandro Campos, na coletiva de imprensa em Fortaleza, após a derrota. 

- Até agora a equipe fez bons jogos, mas precisa um pouco mais. (...) No jogo do Santos, nós jogamos sem atacantes. Com a lesão do Manoel, isso realmente cria um grau de adversidade. E não é só o Manoel. Nós estamos em busca de mais atacantes porque estamos utilizando os meias como atacantes. Isso cria uma falta de mobilidade, uma falta de velocidade nas ações ofensivas. 

A diretoria do Altos fez uma escolha na pré-temporada: deixou o elenco mais enxuto, mas priorizou a qualidade dos jogadores contratados.  

Agora, o Jacaré se vê obrigado a contratar reforços em um período no qual eles são raros. Com os campeonatos estaduais em andamento, jogadores começam a aparecer no mercado quando as equipes são eliminadas. 

Não se pode dizer que o Altos não tentou. Klenisson foi anunciado, mas acabou indo para o Ferroviário (CE). Américo foi apresentado oficialmente, mas seguiu para o futebol goiano. 

É improvável que o cenário mude até quarta-feira (13), quando o bicampeão piauiense enfrenta o Parnahyba, no Lindolfo Monteiro. E mesmo que chegue, também é difícil que algum reforço estreie no sábado (16), contra o Confiança (SE), pelo Nordestão. 

Enquanto isso, Leandro Campos vai ter de se virar com o que tem.