Cidadeverde.com

Alegria de riverino é...

...ver o River ganhar, ou o Flamengo se ferrar.

E Pirró, um dos riverinos mais conhecidos que existem, não se conteve no Lindolfo Monteiro após o apito do juiz confirmar a derrota do Flamengo: 2 a 1 para o Sampaio Corrêa.

Depois de dançar e gritar, Pirró ia embora quando encontrou outra figura carimbada dos estádios de Teresina: Popó, vendedor de bebidas, apelidado por provocadores como "Cabeça de Pato" - todos os provocadores são repreendidos com um "É a mãe!" como resposta.

Popó poderia ter o perfil do xará pugilista baiano, mas não conseguiria fugir do abraço incontido do torcedor. Vestido com a camisa da Sociedade Esportiva de Picos, ele queria mesmo era fugir da foto. Não deu.

Fábio Lima/Cidadeverde.com


Quem disse que o Flamengo perdeu?

O Flamengo? Perder? Com esse time só de camisa 10?



Ou melhor, só de sainha 10...

As flamenguetes levam no top o nome do ex-jogador do clube e hoje deputado estadual Paulo César Vilarinho. Esse sim, sabe investir em patrocínio.

Toda pergunta é válida

Foto: Fábio Lima/Cidadeverde.com
Muito receptivo, Jardel fala com todos os jornalistas em sua partida de estreia no Lindolfo Monteiro. Quando se agacha para amarrar a chuteira, continua cercado de microfones. Entre tantas perguntas, o repórter de uma rádio solta essa ao vivo:

- E a sua característica de ser um jogador de área e fazer muitos gols de cabeça, vai continuar?

Já se levantando, com cara de "papai do céu me abençoou e se deixar eu faço mesmo", Jardel sorri e responde:

- O que você acha?

Jardel não me frustrou

Foto: Fábio Lima/Cidadeverde.com

Mário Jardel tapa os ouvidos com o barulho ensurdecedor que vem do... helicóptero, porque torcida...

Jardel avisou que não estava no seu melhor, que tinha sentido o joelho durante a semana. Jogou até os 21 minutos, sofreu um pênalti que o árbitro não marcou, e ainda cabeceou uma bola por cima da meta.

Para quem está fora de forma, fez muito. E não prometeu mais que isso. 

Quem não fez, que me desculpe, foi a torcida.

Quando dá para a buzina do Juremal ser mais ouvida que os gritos da torcida, é porque a arquibancada não lotou. Jardel chegar de helicóptero e ser recebido por pouco mais de mil pagantes foi frustrante para a diretoria do Flamengo que se empenhou, e imprensa que divulgou. O preço poderia ser mais caro que os R$ 5 de sempre para o bolso apertado no fim do mês. Mas nem isso, para mim, justifica. Paga-se muito mais em coisas bem menos importantes.

Fico feliz pelos que foram, mas reclamo deles também. A torcida do Flamengo, que já fez faixa para reclamar da queda do time para a segunda divisão, deveria ter feito outra para receber Jardel. Poderia é outro verbo, eu escrevi deveria. Por anos ela reclamou da falta de atrativos no futebol piauiense.

De consolo, o atacante ganhou uma folha de papel com a frase impressa: "Quem foi rei nunca perde a majestade". É singelo, porém pouco para quem pode até não ter feito gol, mas recusou outras propostas de times pequenos em centros de maior expressão para ficar aqui.

Jardel ainda tem condições de mostrar que merece mais que faixas. E o torcedor do Flamengo pode esperar também de outros nomes. Leandro Porto fez um gol assistido por Michel, que começou no banco, mas deve ficar bem longe dele no resto da temporada. Com Antônio Carlos e Luciano no meio, alguns de nossos melhores nomes, o rubro-negro pode se tornar uma máquina quase imbatível. Mas isso, só o tempo dirá.

Jardel descendo de helicóptero?

A diretoria do Flamengo quer fazer uma grande festa para a primeira aparição de Mário Jardel com a camisa rubro-negra.

O presidente Everaldo Cunha confirmou ao blog que procura um helicóptero para fazer a entrada triunfal do jogador no estádio municipal Lindolfo Monteiro, antes da partida com o Sampaio Corrêa/MA.

Como procurar não significa achar, e no caso do Flamengo esse procurar provavelmente significa empréstimo sem custos, e não aluguel, vamos esperar o resultado.

Mas para o encontro de 17h do próximo domingo, o torcedor perceberá uma mudança significativa na bilheteria. Os ingressos sairão por R$ 10 (geral), R$ 20 (arquibancada) e R$ 30 (cadeira). Até ano passado, o mais barato saia por R$ 5 em partidas do mesmo nível.

Kamar artilheiro na Paraíba

Anderson Kamar já havia marcado um contra o Queimadense. Ontem, fez os gols da vitória por 2 a 1 para o Campinense contra o Esporte, pelo Campeonato Paraibano. Já desponta como candidato a artilheiro.

Sim, River. Quem vai ser o atacante do time no Campeonato Piauiense 2010?

River volta ao Piauiense 2010 e quer Túlio

Ontem, o presidente do River, Elizeu Aguiar, cantou a pedra. Hoje, ele confirmou: o Galo volta ao Campeonato Piauiense. Mas quem paga a conta não é Elizeu. E nem quem comanda o futebol, já que sua intenção é cuidar do novo Centro de Treinamento.

- Não vou mudar uma vírgula do que disse. Se tivermos sucesso no futebol, tudo bem. A minha prioridade é cuidar da administração do clube. O vice-presidente Jairo Cavalcante vai cuidar do futebol - disse agora a pouco por telefone.

O River se reuniu na noite de ontem para fazer as contas. Os apoios surgidos ao longo do período de desistência garantiram que quase todas as contas serão pagas. Quase todas, o que já é suficiente para bancar o time no campeonato - cerca de R$ 45 mil. Ontem, Elizeu afirmou neste blog serem necessários R$ 60 mil para fazer o básico.

Nesta quinta-feira, às 18h, tem conselho arbitral. Os clubes devem votar a volta do Galo, já que o pedido de desistência ainda não foi julgado.



Segundo Elizeu, a reviravolta se deu nos últimos três dias. E foi tão grande que já se pensa em trazer o atacante Túlio Maravilha, hoje no Botafogo/DF, para a disputa do segundo turno do campeonato. O mesmo Túlio foi descartado pelo Flamengo, hoje de Jardel, por ser vereador em Goiânia/GO e a distância atrapalhar sua participação nos treinos.

Túlio, por sinal, é veterano como Jardel, questionado ontem por Elizeu neste blog. O presidente confirmou que a chegada de um "jogador bilheteria" também faz parte dos acordos empresariais feitos nas últimas horas.

- Dentro da negociação que a gente fez com a empresa que intermediou o River, existe uma possibilidade deles nos darem um grande atleta. O Jardel, quando o Túlio chegar, talvez já nem esteja mais no Flamengo... - ponderou Elizeu.

O fato é que Elizeu Aguiar não iria pagar sozinho com outros poucos as contas do futebol. A diretoria coesa se debandou nos últimos anos, depois do título de 2007, e realmente o presidente franzino não podia levar esse peso nas costas. Este sim, era o motivo maior para a desistência do campeonato.

O acordo, porém, é com um grupo de comunicação, que quer transmitir os jogos do River. Os direitos, no entanto, são de outra emissora. O River, para consolidar esse negócio, precisa convencer outros empresários a cederem direitos de transmissão garantidos em contrato para a concorrência. Vai ser fácil? Elizeu disse que que vai tentar sensibilizar a todos.

Eu torço pelo River, torço por Elizeu. Torço mesmo. E rezo por um céu de brigadeiro nesse novo voo, pois não acredito que será tranquilo assim.

Agora quem dá bola é o Lôro

Lôro, Lôro, Gol!

Esse é o papagaio Gabriel, mostrando que já aprendeu a cantar o Hino do Santos.



Claro! O hino do Santos! Você não fica tentando ensinar seu papagaio a falar palavrões, dizer o "Tá Errado" do Amadeu Campos, ou imitar o Sílvio Santos? Pois alguém se dedicou a ensinar o lôro a cantar outra coisa.

Deve ter demorado um tempão. Vai que você começa a ensinar o do hino do seu time hoje. Quem sabe no ano que vem o papagaio está craque, você grava um vídeo e envia para a gente!

Elizeu Aguiar: entrevista ao Na Esportiva

Encontrei o presidente do River nos estúdios da TV Cidade Verde, após a entrevista no Jornal do Piauí, onde quem falou foi o deputado federal. Puxei o dirigente esportivo para a redação do Cidadeverde.com. Ele demonstrou felicidade pelo projeto do Governo do Estado para ajudar o futebol já ter surtido algum efeito, e credita isso também ao movimento por ele iniciado. Perguntei muita coisa e ouvi muitas respostas que não tinha ouvido. Algumas importantes. Por exemplo: quem quiser ver o River no Campeonato Piauiense 2010, tem até amanhã para dizer que paga a conta.

Fotos: Yala Sena/Cidadeverde.com



As chances para voltar ao Campeonato Piauiense 2010

- Presidente, todo mundo fala que o River pode voltar, mas ninguém pergunta se ele quer voltar para o campeonato...
- Nós tomamos uma atitude, mas não foi no sentido de fazer um leilão ou chantagem e conseguir dinheiro da federação. Não foi uma troca. No River, depois dessa movimentação, surgiram fatos novos, no sentido de acordar os empresários de que é preciso salvar o futebol do Piauí. Um grupo de torcedores, junto com o ex-presidente Marcelo Almeida, surgiu e temos mantido contato direto. Quanto ao que o River gasta, se surgir alguém... Não dá é para inviabilizar o River.

- Mas o time pode voltar?
- Hoje, posso lhe garantir que o River não volta. Mas amanhã, até o arbitral, pode mudar alguma coisa (se alguém pagar a conta).

- Quanto é a conta do River?
- Cerca de R$ 60 mil para manter o time, de forma modesta, arcando salários, alimentação, viagens...


Projeto do Flamengo pode não dar certo

- R$ 60 mil também sem um jogador bilheteria, que os riverinos poderiam cobrar depois da investida do Flamengo em Jardel...
- Isso, mas não sei se isso vai funcionar até o fim do Estadual.  É uma aposta, não se sabe até quando ele (Jardel) vai render. O que o Flamengo está fazendo é muito bonito. É excelente em termos de marketing, mas não vai dar certo. O Flamengo não tem campo. O River tem um campo, onde as categorias de base começam a treinar às 14h e precisam sair 15h45min para o time profissional treinar. É preciso se estruturar primeiro. Se tudo que fizemos até hoje estivesse dando certo, nós estavamos na Série A. Mas se existisse uma Série Z, era onde o futebol do Piauí estaria.


Sai o torcedor, entra o empresário

- E quem tem pago essa conta?
- Pois é. Não é justo três empresários e mais algumas ajudas. O que é preciso é construir um clube com suporte financeiro. Vamos gastar R$ 400 mil em um campeonato a troco de nada? Chegou o momento de reavaliar. Já montei muitos times com opinião de torcedores, de imprensa. O cargo de diretor de futebol, por exemplo, está vago há um ano. Quem quer assumir? Agora quero fazer diferente. Vai prevalescer a visão do empresário. Muitos não estão entendendo, e já estou pagando por isso.


Apoio e xingamentos

- Como tem sido as reações desde o início do ano, quando foi anunciada a saída do River?
- Tenho recebido e-mails, muitos xingamentos na rua. Pedidos para que eu renuncie. Para que renunciar, se eu estou querendo é o bem do clube? Mas há também pessoas que compreendem. Antes mesmo de chegar aqui encontrei uma pessoa que me parabenizou. Isso já está meio dividido...


Imprensa esportiva "envelheceu"

- ... Mas eu tenho levado muita pancada no rádio. A nossa imprensa esportiva, você vê o quanto ela envelheceu. Eu digo alguns da crônica esportiva, porque não posso generalizar. Alguns radialistas ouvem meus argumentos e até compreendem, mas basta o telefonema de um torcedor, e eles já mudam de opinião. Vi jovens jornalistas deixarem o futebol e procurarem  outra coisa, e isso é sinal também de que algo precisa ser mudado.


A venda da sede social

- Em quanto a sede do River está avaliada?
- O valor total, o de venda, é R$ 11 milhões. Este é o que foi aprovado pelo Conselho Deliberativo. Nós queremos uma troca: 75% disso para o complexo de lojas e o restante para o novo Centro de Treinamento, com três campos, piscina semi-olímpica, e área de alojamento. Fica em uma área valorizada, após a avenida João XXIII, já na BR-343. E é depois disso que queremos atrair os sócios de volta.

- Já existe previsão para a construção dessas lojas?
- Temos um pré-contrato com uma empresa de São Paulo de intenção de compra. O River teria uma receita de R$ 80 mil a R$ 100 mil mensais. Eles têm até o fim de março para definir, mas recentemente eles fizeram uma avaliação e constataram que o mercado é favorável para construir apartamentos e as lojas. Espero que até o final de 2011 isso já esteja funcionando, e em 2012 tenhamos essa receita. Mas o time volta ainda em 2011 com força para brigar pelo título. Nossa meta é até 2015 estarmos na Série B.



Dívidas e a Timemania

- O que o River conseguiu arrecadar com a Timemania até hoje?
- Para você ver. Mesmo fora do Campeonato Brasileiro, ainda ficamos entre os 40 mais apostados na Timemania. Até hoje arrecadamos mais de R$ 75 mil, mas isso servirá só para pagar as dívidas. Hoje, nós devemos cerca de R$ 80 mil em INSS. A Timemania já quita isso.

- Quanto o River deve hoje?
Ainda estamos fazendo esse levantamento. Temos débitos com a Receita Federal, mas a maioria é de ações trabalhistas que foram pagas, mas não foram recolhidos os encargos. Estamos contabilizando tudo isso.


Quem deve presidir a FFP?

- Você fez críticas ao presidente Lula Ferreira e a atual gestão...
- Disse que já ele deu o que tinha que dar...

- Sim, mas quem seria então o nome para substituí-lo?
- Na verdade, eu não vou apostar para ter uma mudança. A minha visão é diferente. Não pensamos em nomes, até porque é muito difícil fazer uma mudança na FFP. Não estou mais apostando na mudança da Federação, eu aposto na mudança do River.

Entenda o "Sua Nota Vale Um Bolão"

Acabo de ler a apresentação do projeto feito pela Secretaria Estadual de Fazenda e Fundação de Esportes do Piauí - Fundespi - para ajudar clubes no Campeonato Piauiense 2010. Não vi nada absurdo. Só vi algo que ninguém tinha se prontificado a apresentar para empresários do Estado.

Tanto que, já deu resultado. Ontem à noite, em reunião na escola fazendária para mais dirigentes e empresários, o secretário Franzé Alves e o presidente da Fundespi, Vicente Sobrinho, anunciaram que os grupos Claudino e Jet já se protificaram a adquirirem cotas do projeto, que vão de R$ 20 mil a R$ 50 mil. O valor varia pela exposição da marca em uniformes de clubes, paineis e placas nos estádios.

Sim, o básico da parte empresarial é a venda de cotas de patrocínio. A apresentação que recebi não fala em isenção de impostos ou coisa parecida. É um projeto de patrocínio para o Campeonato Piauiense. Mas, é claro, vai além disso.

O "Sua Nota Vale Um Bolão" vai substituir o saturado "Sua Nota É Um Show de Bola", onde clubes já reclamavam não venderem mais ingressos. O torcedor só queria saber de trocar os mesmos por notas fiscais. Agora, serão realizados sorteios de grandes prêmios com os mesmos R$ 30 em notas, ao final de cada turno. A troca pelo cupom só será feita dentro do estádio, durante os jogos. Isso obriga o torcedor a ir ao estádio, e dá visibilidade para as marcas patrocinadoras.

Mas o Governo também vai querer algo em troca. Todos os clubes terão de manter equipes em atividade no Campeonato Piauiense Sub-15 e no Sub-18. As marcas patrocinadoras também serão exibidas nesses times. Isso significa forçar os clubes a manterem suas categorias de base ativas.

Vai dar certo? Tem tudo para dar. E repito: ninguém inventou a roda. Só fizeram o que ninguém havia feito por aqui. Talvez efeito da reação do River ao anunciar sua saída do campeonato.

Posts anteriores