Cidadeverde.com
Geral

Perda de peso melhora qualidade do sono e acelera metabolismo

Imprimir
Um novo estudo lança luz sobre a relação entre a obesidade, problemas de sono e desregulação metabólica. Pesquisadores belgas mostraram que a perda de peso melhora tanto os parâmetros metabólicos quanto os distúrbios respiratórios do sono (DRS) em crianças obesas.

"Os DRS são muito prevalentes na obesidade infantil, e podem ser um fator de risco para a síndrome metabólica. Em nossa população de 224 crianças e adolescentes obesos, 30% tinham DRS, que têm uma relação significativa com os parâmetros metabólicos, incluindo os níveis das enzimas hepáticas aspartato aminotransferase (AST) e alanina aminotransferase (ALT) e de HDL, o colesterol ruim", disse Stijn Verhulst, coordenador do laboratório pediátrico de sono no Hospital Universitário de Antuérpia, na Bélgica. Após a perda de peso, todos os parâmetros melhoraram, e apenas 24% do grupo de estudo tinha DRS residuais.

Os resultados serão apresentados em evento internacional de especialistas em São Francisco, nos Estados Unidos. A idade média dos participantes do estudo era de 15,5 anos. Eles foram submetidos a uma triagem inicial e quem tinha DRS diagnosticados passaram por mais uma etapa de análise de sono de quatro a seis meses após o tratamento de perda de peso.

A média do IMC no início do estudo era de 36,4. Após um programa de emagrecimento de seis semanas que incluiu dieta, aumento da prática de atividade física e apoio psicológico, a média do IMC caiu para 29,2. A AST melhorou após a perda de peso em paralelo com um aumento da saturação do oxigênio durante o sono, enquanto os níveis de HDL melhoraram.

"A associação entre DRS e os parâmetros metabólicos em crianças continua controversa", disse Verhulst. Este estudo confirmou o efeito independente da diminuição das taxas de oxigênio à noite nos níveis de HDL e de enzimas hepáticas em adolescentes com obesidade mórbida com DRS. Tanto a perda de peso quanto a consequente melhora dos DRS impactam os parâmetros da desregulação metabólica.

Fonte: O Globo
Imprimir