Cidadeverde.com
Geral

Após 2º transplante, Caio recebe alta em SP e continua tratamento em Teresina

Imprimir
  • 10551093_861126743914998_3516609930981233566_n.jpg Facebook/Divulgação
  • 10530913_861013733926299_8506559561707824420_n.jpg Facebook/Divulgação
  • 10423658_861126687248337_3168214342905943463_n.jpg Facebook/Divulgação
  • 10369861_861126703915002_6932482400639595533_n.jpg Facebook/Divulgação
  • 10295695_861014057259600_6180293370898888384_n.jpg Facebook/Divulgação
  • 10294232_843940695633603_4648167236517817211_n.jpg Facebook/Divulgação

O garoto Caio Augusto Rodrigues Pereira, de 6 anos agora tem novos motivos para sorrir. Após o segundo transplante de medula ao qual foi submetido, Caio recebeu alta médica do hospital em que estava internado em São Paulo e pôde voltar para Teresina, onde continua o tratamento em sua casa ao lado da família. A chegada foi na última quinta-feira (17) e Caio foi recebido pelos familiares no aeroporto.

A mãe de Caio, Lara Rodrigues, explica que o segundo transplante foi bem-sucedido e que o garoto agora continua o tratamento em Teresina onde fará exames periódicos para controle da doença, já que mesmo com o sucesso da quimioterapia, ainda há chances de voltar.

"Na verdade os dois primeiros anos são mais difíceis, a gente não tem garantia nenhuma que a doença não pode voltar, mas temos que viver um dia de cada vez.  No primeiro transplante a doença voltou, conseguimos detectar e graças a Deus tudo deu certo.Eu mesma já acompanhei casos e vi coisas que a gente acha que não vai acontecer e acontece. O primeiro ano é ainda mais difícil, mas a cada 21 dias o Caio vai fazer exames e iremos controlar isso muito bem", explica Lara.

Caio agora vive um novo momento, um pouco mais distante do ambiente hospitalar, o menino brinca com os primos e outros familiares, mas por conta dos cuidados necessários, ainda não pode sair de casa nem ter contato com qualquer pessoa. "Ele tem uma imunidade muito frágil ainda, como ele recebeu uma nova medula, agora temor que aos poucos fazer um novo cartão de vacinação. Uma simples virose pode se tornar algo mais grave. Temos um cuidado constante com ele, com sua alimentação que ainda não é normal, com os medicamentos, que ainda são muitos, e com a sua higiene. Na medida do possível ele poderá aos poucos ter uma vida normal", acrescentou a mãe.

Campanha

Lara comentou ao Cidadeverde.com a surpresa que teve ao saber das dimensões que a campanha "Ajude o Caio" tomou na cidade e afirma que as doações foram essenciais para o sucesso no tratamento do filho.

"Isso foi essencial pra gente, quando soubemos que ele tinha que ser tratado em hospital particular e teríamos um custo muito alto decidimos que ele teria o que precisasse, custe o que custar, mas nós sabíamos que ia ser muito difícil. Não pude acompanhar a dimensão que a campanha estava tomando, mas hoje vejo que a ajuda financeira e as demonstrações de carinho que recebemos nos deram muita força.  Saber que tinha toda essa corrente e sentir toda essa energia nos fez muito bem", afirmou Lara.

Para se ter uma noção dos custos a família de Caio teve que ir até Roma para seu tratamento e os custos somente com o hospital chegaram a quase R$ 100 mil."Eu e o Léo, pai dele largamos tudo e fomos pra São Paulo ficar com ele, tínhamos muios gastos pra nos hospedar, morar e a todo momento tivemos essa ajuda. A tranquilidade que a gente teve em saber que tinha esse dinheiro das doações e o apoio de toda nossa família foi de suma importância. É muito bom saber que o carisma do próprio Caio conquistou todo esse carinho", completou a mãe.

Para a família, a presença de Caio renovou a esperança em sua recuperação total. Sua tia Sara, acrescentou ao Cidadeverde.com que sua chegada em Teresina trouxe muita alegria e principalmente, uma vida nova para ele.  "Ele já é um caso especial superou coisas que os médicos não conhecem. A gente não sabe o que pode vir, mas sabemos ele precisava viver, ele nunca teve vida. Não sabemos o dia de amanhã, e vivemos o hoje, e o hoje pra ele é estar muito feliz com a família e com os primos", concluiu a tia.

Rayldo Pereira

[email protected] 

Imprimir