Cidadeverde.com
Geral

Adolescentes são flagrados dormindo no chão do Complexo de Defesa da Cidadania

Imprimir
  • menorcomplexo1.jpg arquivo
  • menorcomplexo5.jpg arquivo
  • menorcomplexo4.jpg arquivo
  • menorcomplexo3.jpg arquivo
  • menorcomplexo2.jpg arquivo

O Cidadeverde.com teve acesso a imagens que mostram adolescentes dormindo no chão do Complexo de Defesa da Cidadania, no bairro Redenção, zona Sul de Teresina. Atualmente, o local abriga 26 menores que cumprem medidas socioeducativas por praticarem crimes como homicídio, roubos e furtos.

 As fotos mostram três adolescentes dormindo no chão da cela. Outras imagens mostram pedaços de espumas que eram usados como colchões e foram retirados. 

O local atende adolescentes do sexo masculino e feminino, envolvidos com a prática de ato infracional, na faixa etária de 12 a 18 anos incompletos e excepcionalmente até 21 anos apreendidos em flagrante ou por determinação judicial. Tem a capacidade para 36 adolescentes.

Dos atuais adolescentes internados, alguns cumprem medidas socioeducativas. O Complexo é de responsabilidade da Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC).

O local conta com Juizado Especializado, Delegacia Especializada, Ministério Público, Segurança Pública, Defensoria Pública e Promotoria. 

O juiz Antônio Lopes, titular da 2ª Vara da Criança e Adolescência, informou que a situação é crítica e que já reclamou de todos esses e outros problemas em relação aos repasses do Governo para o local. Segundo ele, além da falta dos colchões os funcionários tiveram que fazer uma divisão entre si para custear até a gasolina do veículo.

"Já reclamei e infelizmente o Estado está negando tudo. Eu já mandei colocar os colchões, mas ninguém dá um retorno. Já denunciei tudo e para se ter uma ideia até o combustível precisou ser rateado entre os funcionários para irmos a uma audiência", contou o juiz.

SASC

O secretário estadual de Assistência Social e Cidadania, George Mendes, admitiu a existência da situação e acrescentou que a secretaria depende de repasses da Secretaria de Fazenda que não estão ocorrendo. 

"Sabemos que existem deficiências nos serviços oferecidos em todas as casas de acolhimento e internação. O nosso prazo é o tempo do repasse dos recursos necessários que não vem e a justificativa da Fazenda é a falta de recursos", explicou.

Sobre a questão do combustível, George Mendes também admitiu a situação e pontuou que o problema se dá por falta de um estoque para manter os serviços.

"Nós temos realmente problemas de abastecimento, especialmente porque não temos estoques para manter os serviços no mínimo desejado. Faltam recursos financeiros", pontuou George Mendes.

 

Yala Sena e Rayldo Pereira
[email protected]

 

Imprimir