Cidadeverde.com
Política

Governo do Estado e PRF assinam convênio para retirada dos animais nas rodovias

Imprimir

A Secretaria Estadual de Transportes e a Polícia Rodoviária Federal assinam, nesta terça-feira (16), o convênio do carro laçador para começar o trabalho de retirada dos animais nas rodovias do Piauí. A solenidade vai ser às 11 horas da manhã, na sede da PRF, que fica na avenida João XXIII, zona leste de Teresina.

Os animais nas rodovias são a segunda maior causa de acidentes nas estradas piauienses, perdendo apenas para a falta de atenção. A informação é da Polícia Rodoviária Federal. Só no ano passado, a PRF registrou 257 acidentes provocados por animais nos leitos das rodovias. Os acidentes acontecem principalmente à noite. Os altos índices preocupam e chamam a atenção das autoridades. O projeto foi encaminhado pelo Governo do Estado á Assembléia Legislativa e aprovado, com o objetivo de ser um programa permanente de monitoramento e prevenção, que pretende retirar os animais das rodovias estaduais e federais do Estado.

O Secretário Estadual de Transportes, Luciano Paes Landim, já fez reuniões com representantes da Polícia Rodoviária Federal, Ibama, Secretaria Estadual do Meio Ambiente, Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual, Sindicato das Empresas de Ônibus e já definiu como deve ser feito o trabalho de retirada dos animais. A SETRANS já adquiriu dois alojamentos para manter os animais que forem apreendidos nas rodovias: um no município de Elesbão Veloso e outro em Barras. No caso de identificação, o dono do animal terá que pagar multa para retirá-lo.

Um exemplo de prejuízo causado por animais na pista foi o que aconteceu na BR 343, na entrada no município de Campo Maior, a 80 quilômetros de Teresina. Um veículo L200, de cor preta, estava se deslocando para a cidade de São João da Fronteira, quando um cavalo atravessou a rodovia e o motorista não teve tempo para desviar. Os quatro passageiros não sofreram nenhum ferimento, mas o prejuízo vai custar aos cofres públicos cerca de R$ 5 mil reais. Os prejuízos são maiores ainda quando dezenas de pessoas morrem nesse tipo de acidente.
 
Da redação com informações da assessoria
Tags:
Imprimir