Cidadeverde.com
Geral

Mãe e vítima de estupro dizem que ação foi premeditada

Imprimir
Fotos: Yala Sena/Cidadeverde.com


A jovem identificada como R.G.A.S, filha de um policial militar da Força Nacional de Segurança, acredita que os homens que invadiram sua casa e a estupraram de forma premeditada nesta terça-feira (16). Eles sabiam os horários em que ela estaria sozinha para abusar sexualmente da jovem de 17 anos. A mãe da vítima também acredita nessa possibilidade.

Márcia Rejane Soares dos Santos disse que saiu de casa por volta de 11h30min, e a filha ficou sozinha. Por volta de 12h, dois homens encapuzados entraram na residência armados e estupraram a jovem, que já fez exames no Serviço de Atendimento à Mulher Vítima de  Violência Sexual - Samvis -, da Maternidade Evangelina Rosa. Ela presta depoimento para a delegada Vilma Alves, na delegacia da Mulher e suspeita que algum conhecido tenha cometido o crime.



A mãe acompanhou a filha na maternidade durante os exames. R.G.A.S. recebeu antibióticos e a pílula do dia seguinte, para evitar qualquer tipo de doença venérea. Além disso, a vítima do estupro terá de fazer exames de HIV e Hepatite C.

O pai da vítima não está em Teresina. Policial cedido para a Força Nacional de Segurança, Robert Muniz encontra-se no Mato Grosso a trabalho. Ele e a mãe da jovem são divorciados, mas o pai sempre foi presente, apesar do emprego.

Yala Sena (flash da Maternidade Evangelina Rosa)
Fábio Lima (da Redação)
redacao@cidadeverde.com
Tags:
Imprimir