Cidadeverde.com
Viver Bem

Novembro azul: cuidar da saúde também é coisa de homem!

Imprimir

A iniciativa que partiu de um grupo de amigos reunidos em um pub, na Austrália - empreender uma campanha contra o câncer de próstata -, se espalhou pelo mundo e vem ajudando, em muito, a população masculina. Assim surgiu o Movember, junção entre os termos mustache (bigode, em inglês) e november, que chegou ao Brasil como Novembro Azul, no fim dos anos 2000. 

Aqui, a campanha começou a ganhar notoriedade por meio de instituições privadas e públicas comprometidas em realizar ações que objetivam informar e conscientizar a população sobre a importância dos cuidados com a saúde do homem e com a detecção precoce da doença - o câncer mais comum e a segunda maior causa de morte por câncer entre eles. Justificativas para o movimento não faltam, como exemplifica o ocorrido com o ator norte-americano Ben Stiller. Acostumado a realizar o rastreamento, os famosos exames PSA e de toque retal, o comediante recebeu o diagnóstico, aos 47 anos, e pôde se tratar a tempo de evitar o pior. “Fazer o teste PSA salvou minha vida. Literalmente”, disse ele aos quatro ventos numa tentativa de mostrar ao mundo a importância dos testes que têm sido alvo de polêmica entre entidades que propõem sua dispensa como ação de política pública de saúde e as que, ao contrário, defendem a indicação. 

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 1,2 milhão de novos casos de câncer de próstata ocorrem anualmente no mundo, gerando a expectativa de mais de 335 mil óbitos no mesmo período (segundo dados de 2013, que revelam aumento em relação a 2012 de 9,7% e 9,2%, respectivamente). No Brasil, a estimativa é chegar ao fim de 2017 com 61,2 mil casos novos e cerca de 13.772 óbitos, o que significa que é o segundo tumor que mais mata os homens no país, perdendo apenas para o câncer de pulmão. 

A boa notícia é que a população está, sim, mais informada e consciente, muito em função da campanha Novembro Azul, que prevê ações durante todo o mês e em especial no dia 17, data marco para o combate à doença. Para este ano, inúmeras atividades serão realizadas numa tentativa de diminuir as estatísticas. Uma delas é a distribuição da cartilha Câncer de próstata: precisamos falar sobre isso, desenvolvida pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA). Outra notícia positiva vem da inovação tecnológica que traz novos recursos em diagnósticos e em alternativas menos invasivas para o tratamento da doença, inclusive com o auxílio da robótica nas cirurgias. 

 

 

Fonte: Uai

Imprimir