Cidadeverde.com
Geral

Réu por matar funcionário de supermercado será ouvido; família pede justiça

Imprimir


Dorival é acusado de matar funcionário do Comerncial Carvalho (Foto: Izabella Pimentel)

Atualizada às 16h

Após ouvir todas as testemunhas, de acusação e defesa, o réu Dorival Ferreira de Almeida prestou depoimento ao juiz na audiência de Instrução e Julgamento, por volta das 15h. O auxiliar de Segurança do Trabalho é acusado de matar Sidivaldo Bacelar no dia 17 de julho de 2017. A vítima estava trabalhando em um supermercado na zona Sudeste de Teresina, localizado na Avenida Joaquim Nelson, no bairro Dirceu Arcoverde. Câmeras de segurança filmaram toda a ação. 

A família de Sidivaldo acompanha a audiência e pede por justiça. A sobrinha dele, Jéssica Bacelar, disse ao Cidadeverde.com que o acusado agiu de maneira covarde.  

“A gente só quer que a justiça seja feita, que ele pague pelo crime que cometeu. Esse homem agiu de uma forma covarde e isso não se faz, matar uma pessoa”, declarou Jéssica. 

A audiência acontece na 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri. Devem ser ouvidas 13 testemunhas, sete de acusação e seis de defesa. O réu também será ouvido. 

O advogado do réu, Marcos Vinicius, disse que no dia do crime seu cliente recebeu uma ameaça e, por isso, cometeu o crime sob forte emoção. “Ele vai confessar o crime, está consciente que terá uma pena, nós só queremos que ela seja justa, pois cada um reage da maneira como seu coração diz”, comentou. 

Ele solicitou ao juiz Antônio Nollêto a liberdade provisória do réu. “Estava aguardando o parecer do promotor dr. Benigno Filho que disse que só daria resposta após a instrução e hoje disse ser favorável. Entreguei o pedido ao juiz que terá cinco dias para proferir sua decisão”, disse Marcos Vinicius Brito confiante. 

O Crime

Sidivaldo Bacelar foi morto a tiros enquanto trabalhava no Comercial Carvalho da Avenida Joaquim Nelson, no Dirceu Arcoverde, no dia 17 de julho. O suspeito de cometer o crime foi preso 10 dia após o assassinato. Ele foi identificado como Dorival Ferreira de Almeida. 

Dorival se entregou a polícia acompanhada de advogados e ficou preso porque já havia um mandado de prisão temporária expedida contra ele.  Em depoimento, Dorival confessou o crime, mas não deu detalhes sobre a execução do homicídio. A suspeita é de que seja crime passional. Sidivaldo tinha um envolvimento extraconjugal com a ex-esposa de Dorival. 

Na época, o delegado Emerson Almeida informou que o suspeito demonstrou frieza durante o interrogatório. “Temos convicção que ele foi ao supermercado também para matar a ex-esposa. Foi um crime premeditado”, conta o delegado.

O delegado relatou ainda que Dorival ameaçava a ex-esposa desde o início do ano passado. Em uma última ameaça, teria prometido que, se em 24 horas ela não fosse embora de Teresina, seria assassinada. O suspeito não aceitava a separação e perseguia a ex-mulher. Ela chegou, inclusive, a registrar dois boletins de ocorrência contra o antigo companheiro, mas não quis levar as denúncias adiante.


A vítima Sidivaldo Bacelar

Carlienne Carpaso
carliene@cidadeverde.com 

Imprimir