Cidadeverde.com
Política

Orçamento 2009 terá 55% a mais para infra-estrutura

Imprimir
“O grande destaque do Orçamento 2009 é o aumento em mais de 55% no volume de investimentos em relação a 2008”, é o que afirma o secretário de Planejamento, Sérgio Miranda que, na manhã de hoje (5) participa de audiência pública na Assembléia Legislativa para discutir esses números. A prioridade será dada, segundo ele, para a área social, segurança e justiça e desenvolvimento econômico.
 
Quanto ao setor de infra-estrutura, Sérgio Miranda explicou que a crise financeira mundial ainda não afeta a economia real, mas que no Piauí, a Lei de Diretrizes Orçamentárias garante o contingenciamento de receitas, caso haja necessidade. O secretário reconheceu as deficiências, mas garantiu que o governo está atento, sobretudo para garantir a instalação de novas empresas.
 
“O aumento nos investimentos tem a ver com a determinação de manter o ritmo de desenvolvimento. O Piauí ainda é um dos poucos Estados que não tem porto, ainda tem deficiência no transporte ferroviário, ainda não tem porto seco, não temos hidrovia e essas deficiências devem ser contornadas pelos governos estadual e federal. As obras do governo do Estado vão se concentrar nas rodovias e na área de oferta hídrica com a conclusão de algumas adutoras, barragens e a parte de infra-estrutura urbana que dê suporte para que empresas possam se instalar no Estado”, afirmando que a receita prevista é de R$ 4,3 bilhões, 16% a mais que o Orçamento 2008.
 
Quanto a repartir o bolo orçamentário com os demais poderes, o que geralmente causa reclamações, Sérgio Miranda confirmou que o aumento médio é de 15% em relação ao Orçamento 2008. O secretário informou ainda que, em caso de descontentamento, caberá à Assembléia Legislativa fazer a adequação.
 
“O aumento para cada Poder já está definido na LDO e acreditamos que está dentro da média do Orçamento, portanto não haverá injustiças. Elaboramos a proposta dentro de um limite para todos, até porque acrescentar algo a mais para um determinado Poder significa tirar de algum órgão. Caberá à Assembléia identificar essa possibilidade”, concluiu.
 

[email protected]

Tags:
Imprimir