Cidadeverde.com
Política

Wellington nega afastamento de major acusado de tortura

Imprimir

O governador Wellington Dias afirmou que a sociedade de Picos está satisfeito com o trabalho realizado pelo Major Wagner Torres a frente do 4º Batalhão da Polícia Militar, e que é favorável ao que é melhor para a sociedade. As declarações foram dadas durante a solenidade de promoção dos Oficiais da PM no Palácio de Karnak. Com isso, ele negou que irá afastar agora o major acusado de tortura em Picos.

“Tenho total confiança no trabalho da Polícia Militar na região. Já foram presas nove quadrilhas e houve redução gigantesca na criminalidade. Fico do lado da sociedade, da Polícia Civil e da Polícia Militar, que estão satisfeitos com o trabalho. Não podemos nos precipitar”, destacou o governador.
 
 
O major Wagner Torres é acusado ser conivente com a tortura de dois presos em Picos. A violência teria acontecido em outubro, quando os policiais Vilmar Pereira dos Santos e Anio dos Reis Ricardo teriam agredido os assaltantes Edgar da Silva Rocha e Airon Alves Magalhães.
 
Wellington Dias acrescentou que as primeiras providências foram tomadas, com a imediata prisão dos militares envolvidos, os laudos médicos foram realizados, tem abertura de inquéritos na polícia civil, militar e o ministério público acompanha todo o processo.

“Precisamos respeitar as regras dos Direitos Humanos, para não cometer injustiças. Com base no depoimento de uma pessoa que está presa, com várias passagens pela polícia ou acreditar em uma pessoa concursada, qualificada, não podemos cair no risco de ‘desmantelo’ da ordem. Precisamos de transparência nas investigações”, afirmou Wellington Dias.

Segundo o governador, o resultado do primeiro laudo apontou lesão, mas não coloca indícios de tortura. Ele disse também que ainda não recebeu o documento da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que divulgou na imprensa um ofício pedindo assinado pelo presidente nacional da entidade pedindo o afastamento do major.
 
Caroline Oliveira
[email protected]
Tags:
Imprimir