Cidadeverde.com
Política

Elmano convoca oposição para rediscutir estratégia para chegar ao 2º turno

Imprimir

Foto: Yala Sena/Cidadeverde.com

O senador Elmano Férrer (Podemos) mostrou preocupação com o desempenho da oposição no pleito de outubro. Até agora, as pesquisas demonstram que a oposição terá dificuldades para levar o pleito para o segundo turno.

Elmano afirma que ainda há tempo para reverter a situação. Segundo ele, em uma conversa com o candidato Fábio Sérvio (PSL) foi discutida a necessidade de construção da Frente de Oposição.

"Há 20 dias eu falei para o Fábio Sérvio, disse que precisamos conversar:  eu, você, o Luciano Filho, o Dr. Pessoa, a Suely e todos os candidatos de oposição. Temos que montar uma estratégia. Todos têm a sua estratégia. Temos que conversar. Eu falei para o Fábio Sérvio há 20 dias", declarou.

Elmano faz duras críticas ao governador Wellington Dias. Segundo ele, o Piauí vive um desgoverno.

"Todos fazemos uma oposição a esse desastre, a esse desgoverno. Não temos governo no Estado do Piauí. Temos que montar uma estratégia. Ontem, a imprensa nacional denunciou o uso ilegal das estruturas do governo com relação às mídias sociais. Isso mostra o desgoverno e o desrespeito à Legislação Eleitoral. O governo que está há quatro anos tratando de eleições. De política e má política. Temos que nos reunir dentro de um cenário e de uma estratégia para mostrar o que a sociedade já sabe.  Esse escândalo do candidato, que é governo, com relação às redes sociais, usando o que contraria a legislação eleitoral. Temos que nos reunir para montar uma estratégia mais consistente contra o desgoverno que está aí", disse.

O líder do Podemos destacou a importância da campanha nos meios de comunicação como forma de tornar os nomes da oposição mais conhecidos. A propaganda na TV e rádio terá início dia 31. 

"Os meios de comunicação, as redes sociais são importantes, mas o povo é o grande testemunho disso. Não há saúde, não há segurança. A educação está em greve, muitos alunos já perderam o ano, muita gente morrendo, e tantos hospitais no interior, sobretudo o que o governo diz, que os hospitais regionais funcionam e o povo diz que não funcionam. E estão vindo para a eleição. A capital gasta 36% do orçamento para atender toda a população do estado na saúde. O povo vai mostrar sua insatisfação nas eleições ", destacou.

 

Lídia Brito
lidiabrito@cidadeverde.com

Imprimir